Pular para o conteúdo principal

Reforma vai criando loft


Uma coisa bacana da Internet é que podemos acompanhar várias construções e reformas via web.  E eu adoro acompanhar o ponto de vista do outro lado, ou seja do cliente. É uma maneira divertida de saber o que pensam das obras e de nós, profissionais. Um aprendizado valioso ! Um desses blogs narra a história da reforma do apartamento do Marco, afilhado de um arquiteto amigo de São Paulo - o Oscar Muller, aquele que dá uns pitacos aqui de vez em quando (menos do que eu gostaria...). 


Segundo o Oscar, o Marco "leva o maior jeito para arquitetura, e até está pensando em cursar. Tem talento, se for por este caminho será um bom arquiteto."

Ele e a Indy compraram um apartamento e pediram ao padrinho uma ajuda: 



Opinião do arquiteto: Construção antiga, divisórias de tijolos, um bom quarto, um segundo ridículo (mais parecia um armário), uma saleta pífia, um banheiro grandinho, um corredor que matava o apartamento, e uma cozinha razoável, com entrada própria, mas separada da área de serviço pelo corredor de entrada. (Conhecem algo parecido ? Quem já entrou em prédios antigos e até em alguns modernos deve ter se encontrado)

No sexto andar de um edifício com sete, havia uma marca de umidade que parecia como típica de vazamento de cumeeira. Cutucando o teto com um cabo de vassoura, bingo! Era estuque. O edifício antigo tem dois apartamentos por andar, mas no sétimo só há uma unidade, que originalmente era a moradia do zelador. Então no sexto andar os apartamentos só tem vizinhos por cima em uma pequena parte do todo, neste caso, sobre a cozinha...

Quebrando um pouco descobriram um telhado em Eternit, cheio de problemas, que precisava ser trocado. Com um monte de vazamentos, deixou o estuque úmido, criando uma condição perigosa. A construção antiga já oferecia excelente pé direito, a cobertura existente era descolada das divisórias, apoiada nas paredes laterais do edifício, estava bem separada do forro (uns bons 50cm), e as tesouras eram altas, do chão até a cumeeira deviam haver  entre cinco e seis metros, bom motivo para se animar...

Foi então montada outra cobertura por cima do telheiro existente, e só depois começou a demolição da antiga e comprometida estrutura. Retirado todo o estuque, madeirame e telhas de fibro-cimento, o espaço resultante ficou ótimo, então o apartamento virou loft, com a suite do casal e um espaço para trabalho em cima.


A estória e fotos estão no blog do casal e começa aqui: http://blog.aluaeeu.com/2011/03/25/foi-dada-a-largada/



Essas histórias são fantásticas, elas mostram que um projeto, principalmente os de reformas, vão sendo construídos no decorrer da obra. Nunca se sabe o que vai se encontrar, as soluções projetadas muitas vezes tem que ser mudadas por várias razões: material que não se encontra, estrutura diferente das plantas encontradas, mudança de planos dos proprietários, sacação do arquiteto de alguma solução melhor, material que se pretende aproveitar. Uma das primeiras lições que aprendi ao executar obras foi a fazer o detalhamento no decorrer das etapas. E a usar folhinhas de A4 que pudessem ser manejadas com facilidade e sem muita informação que possa confundir quem vai executar. Para obras pequenas as plantas grandes acabam se perdendo logo: são rasgadas, são manchadas, o empreiteiro já assimila que sabe de cor e mágica ! Somem ! Mais prático ter folhas pequenas que possam ser armazenadas em pastas e estar sempre ao alcance quando se precisa delas. 

Comentários

  1. Olá Elenara,
    O Oscar me passou o link do seu blog há um tempo e tenho acompanhado seu blog há um tempo. Hoje, recebi um e-mail do Oscar me pedindo para entrar aqui e me deparo com uma foto minha e do Isaías finalizando minha escada!! Que legal!!
    Nos mudamos há poucas semanas, e ainda tem alguns acabamentos não finalizados. Mas em breve vou fazer um "antes e depois" e posso de mandar as fotos de como elas ficaram.
    Legal ver nossa história sendo divulgada pela net, quem sabe isso não inspira mais e mais pessoas a serem otimistas como o Oscar e saber aproveitar as oportunidades!
    Beijos
    Marco

    ResponderExcluir
  2. Bacana o post, Elenara!

    O Marco leva mesmo jeito para a coisa, com muita consciência ecológica, conseguiu aproveitar quase todo o madeirame existente. Do telheiro aos batentes, tudo foi utilizado. Foram feitos balcões, bancos, degraus, o tampo da mesa...

    O casal já está "acampando" por lá, mesmo sem terminar completamente os acabamentos. na foto o Marco aparece com o Isaías, serralheiro de mão cheia e amigo da gente.

    Oscar

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f