Pular para o conteúdo principal

A linguagem das cidades - indicação de livro



Os livros nos ajudam a compreender o mundo através das viagens que fazemos em suas palavras e, principalmente, nos questionamentos que nos abrem. Um livro que nos faz refletir sobre as cidades onde vivemos, seus significados, suas ideias, monumentos e como nós, seres que as habitam, nos relacionamos com elas, que nos faz viajar pelo fascinante mundo real urbano e do que nos faz sentir pertencentes ou não à uma cidade. Esta a sensação que tive ao devorar O Linguagem das cidades, de Deyan Sudjic. Mas já lhes digo que é um livro que desperta curiosidades. Como e por que mudam ou não mudam as cidades foi um dos motes iniciais do autor que é escritor e diretor do Design Museum de Londres.



O que é uma cidade?

Muitos de nós podemos responder de variadas formas, um amontoado de casas, um núcleo urbano com relações significativas, um lugar onde viver em comunidade. O autor dedica um capítulo para nos falar do significado de cidade. E destaca que "uma verdadeira cidade oferece aos seus cidadãos a liberdade de se tornarem aquilo que desejam". E reforça dizendo que "há evidências reconfortantes de que aquelas cidades que praticam a tolerância são mais prósperas do que as intolerantes". Isso pode nos levar à uma ideia de utopia, mas ele vai mais fundo e analisa as relações de poder político e econômico que vemos em cidades. A capacidade de subsistência e como muitas entram em declínio, algumas chegando a morrer e deixando ruínas que atestam uma vida pregressa. Salienta que as cidades que tem a capacidade de se reinventarem conseguem sobreviver com mais sucesso. A expansão e os limites urbanos também merecem sua atenção neste capítulo onde discorre sobre os planejamentos que tentaram delimitar o crescimento natural das cidades, propondo um ordenamento higiênico que mudou o perfil de muitos centros urbanos e criou outros inteiramente novos. Confesso que é interessante ler um não arquiteto falando sobre isso, ele abre novos olhares que a leitura técnica muitas vezes não alcança.


Como fazer uma cidade

No segundo capítulo lemos sobre os mecanismos e maneiras de como as cidades são feitas, sendo que o primeiro requisito é um nome. Cidades cujas identidades são contestadas, segundo o autor, acabam por ter nomes múltiplos. Os exemplos de cidades que tiveram seus nomes mudados por variadas razões são conhecidos, e há as que ainda hoje sejam chamadas de várias maneiras, mas também quanto mais poderosa econômicamente for uma cidade, "mais provável que seus parceiros comerciais usem seu nome comum."

Os monumentos são outra forma de significar uma cidade. podendo representa-las sem palavras ou legendas. São marcos visuais e registram sua história, tendo um aspecto emocional bastante significativo para seus habitantes. Não a toa são alvo de destruição em guerras, revoluções e a ficção os usa como marcos de impacto nas mudanças sociais. A cena final do primeiro filme O Planeta dos Macacos que o diga.

As pessoas obviamente são o recurso principal em uma cidade. Não apenas pelo número mas também pelo impacto que podem gerar. Fomentar a vinda de empreendedores e/ou cérebros brilhantes em incubadoras e universidades pode gerar dividendos imensos para os centros urbanos. Fazer essas pessoas quererem morar ali pode modificar a história das cidades, as perpetuando em história e riquezas.

"As ruas são o produto de uma mescla entre arquitetura e economia, visão e ganância, infraestrutura e modismo".

E além das ruas, a navegação por uma cidade, seja real ou digital, nos ofereça a segurança do anonimato, diferente da aldeia onde todos se conhecem, com a possibilidade de escolher múltiplos caminhos que a sua diversidade e tolerância oferecem.   

Como mudar uma cidade

Um capítulo com mais exemplos práticos de como intenções planejadas ou não podem mudar o contorno das cidades, valorizando e revitalizando zonas abandonadas ou degradadas. E aqui entram os visionários que por motivos vários, enxergam outros rumos e os fazem acontecer. Avenidas rasgadas pela força de leis que controlam possíveis rebeldias revolucionárias, mas que acabam por marcar uma cidade e a tornam referência de muitos planejamentos. Um distrito comercial, um grande e simbólico edifício, aeroportos e infraestrutura que sinalize e marque o apogeu que se pretende para aquela cidade, fazendo com que seja reconhecida mundialmente e atraia investimentos e prestígio. O autor salienta que "para uma cidade a prática pode ser mais importante que a teoria". 

O governo de uma cidade

Foi sobre a inspiração do mural "A alegoria do bom e do mau governo" de Ambrogio Lorenzetti em Siena que Sudjic escreveu grande parte de seu livro. 


Um capítulo em tudo interessante onde analisa os planejamentos impostos e os mais orgânicos que respeitam a democracia com possibilidade de avaliação por parte de seus habitantes. Alerta para a complexidade do que forma uma cidade e como ela não pode ser simplificada para quase um faz de conta (o mundo de Truman lembra algo?). E termina com a constatação de que "uma cidade bem-sucedida é a que caminho para surpresas e que dependem do tipo de democracia que supõe mais que votar".

A ideia de uma cidade

Uma das ideias modernistas de "controlar a cidade incontrolável" parece uma passado utópico distante ao vermos nossas ficções mostrando projeções de centros urbanos caóticos e extremamente densos. E fala de Venturi e de como Las Vegas alertou para o mundo como ele é e não como o imaginamos.


Esse olhar revolucionário do arquiteto para o mundo real também abrange assentamentos sem riqueza e sem opções, mas muito vibrantes de relações humanas e necessitando de um olhar apurado e múltiplo. E termina com as modernas cidades do vale do silício onde a velocidade e mudança talvez sejam o melhor exemplo das relações urbanas dos nossos dias.

As multidões e seu mal-estar


"Uma cidade sem pessoas é uma cidade morta". 

As pessoas oferecem segurança seja para exigir negociações, seja para circular pelas ruas. Se alguém se queixa da violência das nossas ruas, imaginem percorre-las nas madrugadas..."Espaços públicos legíveis, bonitos e com boa facilidade de circulação fazem os indivíduos se sentirem parte de algo que compartilham com o resto da cidade".

Uma leitura para nos contextualizar com nosso ambiente urbano, sua linguagem e significados. E pensar com mais reflexão sobre o que é nossa cidade.


A linguagem das cidades 


A maioria de nós vive hoje em cidades. Mas o que faz uma cidade ser uma cidade? É um lugar? Uma ideia? E como deveríamos definir a cidade que evolui hoje? Deyan Sudjic, diretor do Design Museum de Londres, decodifica as forças fundamentais que configuram os espaços urbanos ao nosso redor, de seus prédios a seus nomes; do poder das multidões ao motivo de ser paulistano, nova-iorquino ou moscovita pode nos trazer uma sensação de identidade e pertencimento maior do que qualquer outra.

“Um livro profundamente original e necessário.”
Alain de Botton

“Um guia indispensável sobre aquilo que faz uma cidade ser uma verdadeira cidade.”
Evening Standard

“Um pequeno e agradável guia sobre o que são as cidades e como elas funcionam.”
Financial Times




Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…