Pular para o conteúdo principal

A linguagem das cidades - indicação de livro



Os livros nos ajudam a compreender o mundo através das viagens que fazemos em suas palavras e, principalmente, nos questionamentos que nos abrem. Um livro que nos faz refletir sobre as cidades onde vivemos, seus significados, suas ideias, monumentos e como nós, seres que as habitam, nos relacionamos com elas, que nos faz viajar pelo fascinante mundo real urbano e do que nos faz sentir pertencentes ou não à uma cidade. Esta a sensação que tive ao devorar O Linguagem das cidades, de Deyan Sudjic. Mas já lhes digo que é um livro que desperta curiosidades. Como e por que mudam ou não mudam as cidades foi um dos motes iniciais do autor que é escritor e diretor do Design Museum de Londres.



O que é uma cidade?

Muitos de nós podemos responder de variadas formas, um amontoado de casas, um núcleo urbano com relações significativas, um lugar onde viver em comunidade. O autor dedica um capítulo para nos falar do significado de cidade. E destaca que "uma verdadeira cidade oferece aos seus cidadãos a liberdade de se tornarem aquilo que desejam". E reforça dizendo que "há evidências reconfortantes de que aquelas cidades que praticam a tolerância são mais prósperas do que as intolerantes". Isso pode nos levar à uma ideia de utopia, mas ele vai mais fundo e analisa as relações de poder político e econômico que vemos em cidades. A capacidade de subsistência e como muitas entram em declínio, algumas chegando a morrer e deixando ruínas que atestam uma vida pregressa. Salienta que as cidades que tem a capacidade de se reinventarem conseguem sobreviver com mais sucesso. A expansão e os limites urbanos também merecem sua atenção neste capítulo onde discorre sobre os planejamentos que tentaram delimitar o crescimento natural das cidades, propondo um ordenamento higiênico que mudou o perfil de muitos centros urbanos e criou outros inteiramente novos. Confesso que é interessante ler um não arquiteto falando sobre isso, ele abre novos olhares que a leitura técnica muitas vezes não alcança.


Como fazer uma cidade

No segundo capítulo lemos sobre os mecanismos e maneiras de como as cidades são feitas, sendo que o primeiro requisito é um nome. Cidades cujas identidades são contestadas, segundo o autor, acabam por ter nomes múltiplos. Os exemplos de cidades que tiveram seus nomes mudados por variadas razões são conhecidos, e há as que ainda hoje sejam chamadas de várias maneiras, mas também quanto mais poderosa econômicamente for uma cidade, "mais provável que seus parceiros comerciais usem seu nome comum."

Os monumentos são outra forma de significar uma cidade. podendo representa-las sem palavras ou legendas. São marcos visuais e registram sua história, tendo um aspecto emocional bastante significativo para seus habitantes. Não a toa são alvo de destruição em guerras, revoluções e a ficção os usa como marcos de impacto nas mudanças sociais. A cena final do primeiro filme O Planeta dos Macacos que o diga.

As pessoas obviamente são o recurso principal em uma cidade. Não apenas pelo número mas também pelo impacto que podem gerar. Fomentar a vinda de empreendedores e/ou cérebros brilhantes em incubadoras e universidades pode gerar dividendos imensos para os centros urbanos. Fazer essas pessoas quererem morar ali pode modificar a história das cidades, as perpetuando em história e riquezas.

"As ruas são o produto de uma mescla entre arquitetura e economia, visão e ganância, infraestrutura e modismo".

E além das ruas, a navegação por uma cidade, seja real ou digital, nos ofereça a segurança do anonimato, diferente da aldeia onde todos se conhecem, com a possibilidade de escolher múltiplos caminhos que a sua diversidade e tolerância oferecem.   

Como mudar uma cidade

Um capítulo com mais exemplos práticos de como intenções planejadas ou não podem mudar o contorno das cidades, valorizando e revitalizando zonas abandonadas ou degradadas. E aqui entram os visionários que por motivos vários, enxergam outros rumos e os fazem acontecer. Avenidas rasgadas pela força de leis que controlam possíveis rebeldias revolucionárias, mas que acabam por marcar uma cidade e a tornam referência de muitos planejamentos. Um distrito comercial, um grande e simbólico edifício, aeroportos e infraestrutura que sinalize e marque o apogeu que se pretende para aquela cidade, fazendo com que seja reconhecida mundialmente e atraia investimentos e prestígio. O autor salienta que "para uma cidade a prática pode ser mais importante que a teoria". 

O governo de uma cidade

Foi sobre a inspiração do mural "A alegoria do bom e do mau governo" de Ambrogio Lorenzetti em Siena que Sudjic escreveu grande parte de seu livro. 


Um capítulo em tudo interessante onde analisa os planejamentos impostos e os mais orgânicos que respeitam a democracia com possibilidade de avaliação por parte de seus habitantes. Alerta para a complexidade do que forma uma cidade e como ela não pode ser simplificada para quase um faz de conta (o mundo de Truman lembra algo?). E termina com a constatação de que "uma cidade bem-sucedida é a que caminho para surpresas e que dependem do tipo de democracia que supõe mais que votar".

A ideia de uma cidade

Uma das ideias modernistas de "controlar a cidade incontrolável" parece uma passado utópico distante ao vermos nossas ficções mostrando projeções de centros urbanos caóticos e extremamente densos. E fala de Venturi e de como Las Vegas alertou para o mundo como ele é e não como o imaginamos.


Esse olhar revolucionário do arquiteto para o mundo real também abrange assentamentos sem riqueza e sem opções, mas muito vibrantes de relações humanas e necessitando de um olhar apurado e múltiplo. E termina com as modernas cidades do vale do silício onde a velocidade e mudança talvez sejam o melhor exemplo das relações urbanas dos nossos dias.

As multidões e seu mal-estar


"Uma cidade sem pessoas é uma cidade morta". 

As pessoas oferecem segurança seja para exigir negociações, seja para circular pelas ruas. Se alguém se queixa da violência das nossas ruas, imaginem percorre-las nas madrugadas..."Espaços públicos legíveis, bonitos e com boa facilidade de circulação fazem os indivíduos se sentirem parte de algo que compartilham com o resto da cidade".

Uma leitura para nos contextualizar com nosso ambiente urbano, sua linguagem e significados. E pensar com mais reflexão sobre o que é nossa cidade.


A linguagem das cidades 


A maioria de nós vive hoje em cidades. Mas o que faz uma cidade ser uma cidade? É um lugar? Uma ideia? E como deveríamos definir a cidade que evolui hoje? Deyan Sudjic, diretor do Design Museum de Londres, decodifica as forças fundamentais que configuram os espaços urbanos ao nosso redor, de seus prédios a seus nomes; do poder das multidões ao motivo de ser paulistano, nova-iorquino ou moscovita pode nos trazer uma sensação de identidade e pertencimento maior do que qualquer outra.

“Um livro profundamente original e necessário.”
Alain de Botton

“Um guia indispensável sobre aquilo que faz uma cidade ser uma verdadeira cidade.”
Evening Standard

“Um pequeno e agradável guia sobre o que são as cidades e como elas funcionam.”
Financial Times




Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que