Pular para o conteúdo principal

Leonardo da Vinci e o foco no que se faz

Leonardo, aquele rapaz de Vinci na Itália que se tornou célebre pela Mona Lisa e pelo homem vitruviano, entre outras coisinhas que criou e projetou em sua vida. Obviamente que estou sendo levemente irônica ao fazer esta descrição de uma pessoa que pode ser considerado um gênio ou um grande construtor de si mesmo, já que autodidata e profundo pesquisador das coisas que despertavam seu interesse. E não é que, participante de mais um instigante almoço Clio, me dou conta que pouco sabia de sua história?    

O único livro que tinha sobre ele era de uma coleção sobre homens que mudaram o modo de pensar da humanidade. Não lembro quando eu comprei nem onde porque, ao contrário da maioria dos meus livros, não sublinhei nada e não coloquei datas. Mas as páginas meio caídas do livro revelam que li e reli bastante. Por que entre Einstein, Chaplin, Freud, Picasso, Buda, Marx, Nietzsche, Gandhi, Darwin, Maquiavel e Jung que lhe faziam companhia na coleção, escolhi justo ele? Uma porque, com exceção de Darwin, Nietzsche,Picasso e Marx, os outros já me tinham merecido uma leitura maior. Outra talvez pela imagem icônica do homem vitruviano e pela sua capacidade inventiva numa época em que eu já estava na graduação de arquitetura.


Nessa mesma época comecei a ler Fritjof Capra (sim, começo a lembrar da época, tipo final dos anos 70, começo dos 80 até o final). Foram anos de intensa leitura e buscas. Dois assuntos me focavam, fora os livros técnicos de arquitetura: Psicologia e a união do pensamento oriental com o ocidental. Mas nada muito aprofundado porque sou dessas de ter vários interesses e começar muito. Finalizar é que me custa mais.


Instigada pelas dicas de leitura do Professor Francisco Marshall, palestrante do almoço Clio, não resisti e voltei ao Fritjof Capra, agora com foco na Ciência e Alma de Leonardo da Vinci.

Ainda estou na leitura inicial então não vou me aprofundar sobre sua vida. Vou ressaltar algo que me chamou a atenção sobre o que o fazia diferenciado e precursor do que hoje chamamos de pensamento sistêmico e holístico.

Segundo o Capra, há um conjunto de atributos mentais que caracterizam pessoas consideradas geniais, além do obvio talento para alguma coisa. E que seriam atributos de Leonardo.

  • Intensa curiosidade 
  • grande entusiasmo pela descoberta e entendimento
  • Capacidade de se manter profundamente concentrado por longos períodos de tempo
  • habilidade para memorizar consistentemente grande quantidade de informações  

E aí chegamos ao nó de nossos dias. Nós, pobres mortais, que não somos gênios ou excepcionalmente brilhantes não só somos encharcados com um número imenso de informações diariamente como conjugamos esforços repetidos para comportamentos que nos tiram a atenção em algo para conseguir atenção para nós. É o que fazemos nas redes sociais e na navegação na web. Pessoas mais antigas como eu, que conviveram com o mundo antes da rede, sabem a diferença que isso custa em se aprofundar sobre qualquer assunto. 

Por isso achei bastante interessante esse TED Talk curtinho onde o ator Joseph Gordon-Levitt fala sobre uma sensação que traz muita satisfação pessoal e incrementa a criatividade: o ato de prestar atenção.


E fazendo um loop do TED para Leonardo, penso que um homem, vivendo na transição dos anos 1400 para 1500, sem uma educação formal, conseguiu se aprofundar em conhecimentos, retratar isso em imagens altamente elaboradas que foram fruto de horas e horas de pensamento focado e pesquisa incessante, não descansando enquanto não achava o seu ponto ideal. Às vezes nunca o achando, mas pegando suas observações e transformando em projetos altamente elaborados em imagens que nos fascinam até hoje. Essa mente fervilhante teria conseguido tal realização se parasse de tempos em tempos para causar em redes sociais? 

Sei que é uma analogia meio sem sentido e que as mentes brilhantes de hoje continuam a fervilhar. Talvez um pouco mais segmentadas e esquecendo uma visão mais global de análise do todo e não apenas das partes.

Talvez tenhamos que parar um pouco e prestar atenção. 

   
Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f