Pular para o conteúdo principal

O fogo e as botas do gigante


Não tive muito ânimo de escrever por esses dias. Muito trabalho na vida real (o que é bom), muita polêmica na vida virtual (o que nem sempre é bom dependendo do acirramento e falta de argumentos dos debates). Uma gripe em função de tudo isso, mais cansaço e mais umidade. E para coroar a semana, vem o fogo.

Por ironia estava vendo o início da segunda temporada de O Conto da Aia. (Falei sobre o impacto deste livro em mim em "da fobia social às distopias") quando passei os olhos distraída nas redes sociais e vi uma imagem tenebrosa. Um prédio pegando fogo.

Não apenas um prédio comum, mas um museu que abrigava uma das maiores riquezas em memória das Américas. 

E para variar, nesse país que deixa até o símbolo máximo de sua paixão nacional, a taça Jules Rimet, conquistada em plena ditadura militar em 1970, ser cremada porque sua réplica estava em um cofre. E o original às mãos de quem a pegasse.

E fiquei lembrando da minha história com museus. Por sorte eu morava ao lado de um. Não me lembro se a primeira vez que entrei fui levada pelos meus pais. Creio que sim. Eles eram sábios na maestria de despertar a curiosidade intelectual de seus filhos. Mais uma armadilha do bem que me capturou.    

Na Rua Duque de Caxias, no Centro Histórico de Porto Alegre, ao lado do edifício onde eu morava fica o Museu Júlio de Castilhos, a primeira instituição museológica do estado.  

 Costumava visita-lo sozinha várias vezes. Gostava de ver os móveis e vestidos de época. Mas o que realmente me fascinava eram as botas do gigante!
 Pergunte a qualquer adulto da minha faixa etária o que associava ao Museu Júlio de Castilhos. Todos vão falar daquelas botas que eram imensas aos nossos olhos e alturas de crianças. Dizem que o cara media mais de 2,15 e foi parar em um circo como se fosse uma aberração. Era comum naquelas épocas de pouco conhecimento se encarar diversidades como algo para se olhar, rir e algum esperto ganhar dinheiro. Dizem que ele morreu de desgosto por isso. Pode ser que seja lenda, não sei. Mas ver como se dá tão pouca importância à memória e tesouros que não tem preço muito se assemelha à não dar importância aos sentimentos de outros.
No Rio de Janeiro, o Museu Nacional da URFJ ardeu em chamas. Agravadas pelo pouco aparelhamento dos bombeiros. Há anos se alertava para a falta de manutenção. A última obra pelo que li foi em 2009. Não houve interessados nas captações de recursos via Lei Rouanet. Ainda se pensa cultura em termos de gastos e não como um alto investimento no futuro. Escrevo sem muita preocupação com os links que corroboram o que falo, mas posso afirmar que li muito sobre o fato. O que preciso agora é mais desabafar. O fogo, o descaso, a desimportância da história e da memória corroem nosso futuro.  

E mais que nunca fica o alerta
Não deixe que esses bastardos te reduzam as cinzas. O Conto da Aia

Leia mais sobre MUSEUS aqui 



Nos siga também nas redes sociais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …