Pular para o conteúdo principal

Sites que desaparecem e a gente se sente orfã : Polyvore

 Com o advento da internet e dos maravilhosos sites e app que surgiram para facilitar nossa vida, muitos de nossos problemas acabaram.

Acabaram? Nem tanto assim. Nada é perene na internet. A imagem da nuvem que tudo guarda é talvez a melhor metáfora de uma época de liquidez extrema. Os meios de armazenamento vão mudando com uma velocidade que acompanha o aumento da velocidade com que navegamos.


Os disquetes caíram de uso, assim como os cds vão se tornando obsoletos e com eles nossas memórias em forma de imagens e lembranças. Talvez dentro de anos, sejamos um paradoxo: uma época em que tudo se registrou e quase nada se guardou. Sim, eu sei que a nuvem guarda, mas meio que sem critério. Os aplicativos antigos em que se podia organizar de forma quase automática, deram lugar à armazenamentos imensos, alguns pagos, mas que nada facilitam o acesso. Teremos nossos guardados em algum lugar na nuvem, talvez mais inacessível que os porões ou armários de antanho, que guardavam velhos álbuns amarelados, cheios de fotos impressas de pessoas cujos nomes já não lembramos. 

Me sinto assim nostálgica a cada site que saí do ar. Os fotologs da vida, os antigos geoticities, o orkut e seus grupos tão úteis que rede social nenhuma conseguiu reproduzir. O picasa que organizava fotos e que teimo em usar, mesmo cheio dos bugs de programas que não são mais atualizados. E o Polyvore
A Polyvore era um site de comércio social com tecnologia comunitária com sede em Mountain View , Califórnia . [2] A função moodboard virtual da empresa permitiu que os membros da comunidade adicionassem produtos em um índice de produto compartilhado e os usassem para criar colagens de imagens chamadas "Sets". [3] Eles também podem procurar por inspiração em outros usuários, compartilhar conjuntos com amigos e interagir com pessoas através de comentários e curtidas. [4] Devido à natureza visual da ferramenta, Polyvore foi usado principalmente para construir conjuntos nas áreas de decoração, beleza e moda. ...Em 5 de abril de 2018, a Polyvore anunciou que havia sido adquirida pela SSENSE e cessaria as operações imediatamente. Os usuários que desejam salvar os dados da sua conta foram direcionados para um formulário de solicitação no blog do Polyvore. (Wikipédia)

Usei demais o Polyvore para criar imagens para o blog, para simplesmente me divertir, para interagir com outras pessoas, para descontrair. Recentemente recebi uma mensagem para poder baixar a minha produção por lá e me lembrei do quanto era útil para criar imagens diferentes, juntando figuras e usando peças de cunho comercial.
Não apenas eu me sinto órfã. Várias pessoas tem escrito a respeito, algumas apontando alternativas ao uso do Polyvore.

Me ponho a pensar em como as coisas se sucedem de maneira tão rápida nesses nossos dias. Ao mesmo tempo em que parece que tudo podemos, as coisas se desmancham no ar, "como picolé ao sol" como diria o poeta que também, já não está conosco.

Somos passageiros. O que criamos é passageiro. Por mais que tentemos mante-los perenes como o fizeram os construtores de grandes obras como as pirâmides, os monumentos e templos, eles só atestam a nossa mortalidade. Que saibamos aproveitar nossos momentos por aqui.

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais 

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi