Pular para o conteúdo principal

Ideias bacanas (e baratas) para decorar festas juninas

Das Festas Juninas da minha infância, quando morava no interior e em uma de pátio grande, me lembro principalmente das simpatias. Talvez porque morasse com adolescentes "casadoiras", era a faca na bananeira e a agulha no fio de cabelo que me chamavam a atenção. O Santo Antônio nem era citado, mas era ele e sua fama de achar marido que motivavam essas e outras brincadeiras.

Tinha fogueira. Tinha comedoria. Tinha risada e muita alegria.

Bandeirolas fazem a festa
Talvez a festa mais tradicional desse país, que une pessoas de todas as regiões, é herança dos portugueses. As festas "joaninas" em homenagem à São João. E também à Santo Antônio (o casamenteiro) e São Pedro. Desde cedo aprendi que cada região tem as suas peculiaridades. Usava pilcha gaúcha nas festanças daqui. Essa coisa de chapéu de roça e falta de dentes não fazia parte da realidade das minhas festas de infância. Mas tinha cocada, pé de moleque e muita bandeira.

Gostava demais das festas no colégio. Pescaria, barraca de beijos e prisão. Quanta alegria naquelas crianças que se reuniam no pátio da escola e se empaturravam de pipoca! Aqui no RS tinha pinhão. Mas desse eu não gostava não. Uma vez no colégio, bem pequeninha, caí numa casca de pinhão e ralei o joelho. Nunca mais nem olhei para eles...

Ideias para festejar? Nem precisa gastar muito! Basta um toque de criatividade, mãos na massa e muita vontade de ser feliz. 

Um pouco de pipoca, um molde de papelão. Cola e fitas vermelhas e olha o clima para o Santo Antonio no ar...já serve até para o dia dos namorados. Achei gracinha mas vou confessar para vocês. Sou louca por pipoca. Não posso ver um pacote que como TUDO! Acho que não conseguiria fazer esses corações. Ia preferir comer antes...mas enfim, para quem não sofre dessa compulsão #ficaadica 

Amor e pipoca

DIY
Chita e prendedor. Clássico e sempre bonitinho. Aliás adoro esse desenho de prendedor de madeira. Nunca achei um que funcionasse melhor, com mais durabilidade e funcionalidade. E que de quebra desse para aproveitar em muitas ideias criativas. É o que chamo de #bomdesign  
Prendedor de chita
Pescaria não pode faltar. Achei tão fofos esses peixinhos de tecido!!! Esses são para enfeite, mas dá para aproveitar a ideia e fazer uns com ganchinhos que possam ser pescados de verdade. Os brindes? Guloseimas e/ou bilhetinhos com frases lindas já alegram o coração. 
Pescaria
 Mesa linda e alegre! E com reaproveitamento de potes, garrafas pet e tudo o mais que for possível. E restos de tecidos bem coloridos colados e cordões de basbantes para as bordas e laços! Mais sugestivo impossível. 
Muita chita para enfeitar
Flores fazem a festa! Sempre. E para dar o clima da data, nada como cones de papel e/ou tecido colorido. Se tiver em casa, reaproveite. Se for comprar, pesquise nos retalhos que saem mais em conta.  
Flores
Bandeiras mil! Muitas e muitas bandeirolas. Se não fizer mais nada para enfeitar, use bandeiras. Eu costumava recortar revistas velhas e colar em barbantes. Mas se quiser sofisticar mais, use tecidos. Ou ainda juta com recortes que fica super charmoso!
Bandeiras em juta
Lanternas iluminam!  Adorei esse efeito, aqui foi feito com papel cartão recortado com estiletes. Eu não usaria velinhas, sei lá, sou traumatizada desde que uma árvore de Natal pegou fogo com enfeites de velas. Uma lãmpada talvez, ou um material incombustível...mas que ficou charmoso, isso ficou. Dica: quando se inspirar em uma ideia procure olhar todas as possibilidades e veja se é viável à sua realidade. E nunca esqueça da segurança. 
Luminárias
Simpatias: Para mim indispensáveis! Veja AQUI algumas delas. Tem a da bananeira que já citei, tem o pão de Santo Antônio e tem as maldades que fazem com o coitado do Santo Antônio. Reza a lenda que se tem que colocar o santo de cabeça para baixo que ele vai trazer um amor para se desvirar. Pensando bem, como o amor vale qualquer coisa, vai que funcione, né...
Simpatia
Gostaram? Tem alguma ideia diferente ou costume bem regional para compartilhar? Conta para a gente aí em baixo! Vamos adorar saber!

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como