Pular para o conteúdo principal

Gosto não se discute! Não?

Gosto é gosto e é coisa pessoal. Afinal o que seria do amarelo se todos amassem o fúcsia, não é verdade?

Não, essa coisa de respeito ao gosto alheio parece cada dia mais distante nesses tempos nossos tão mais sectários onde clicar em um polegar para cima ou em uma carrinha brava é tão simples. 
E embora haja mais liberdade para que cada um expresse o seu estilo em sua casa ou negócio, ainda há algumas "normas" que definem o que é elegante do que é considerado kitsch


kitschque se caracteriza pelo exagero sentimentalista, melodramático ou sensacionalista, freq. com a predileção do gosto mediano ou majoritário, e pela pretensão de, fazendo uso de estereótipos e chavões inautênticos, encarnar valores da tradição cultural (diz-se de objeto ou manifestação de teor artístico ou estético)."literatura, pintura, decoração k." 
Fonte

Mas afinal, o que é esse tal de bom gosto?

Para mim o que distingue o “mau” gosto do bom gosto é a falta de conteúdo. É a falta de verdade. A Arquitetura não é diferente da vida da gente, brilho falso pode até agradar, mas não dura. Vira coisa datada como se vê tanto por aí. Um móvel, um revestimento, um ornamento que é moda uma temporada ou duas, mas não fica. É datado. Os clássicos, os estilos de verdade, permanecem. (Elenara Leitão)
E embora haja poucas dúvidas quanto ao acerto do uso de peças clássicos - e por isso são normalmente escolhidos para ambientes de uso público, sejam privados ou pertencentes aos Estados - há quem não goste delas por ene motivos. Já ouvi falar de gente que achava que o quadro tinha que combinar a cor com a mobília. Ou que um determinado estilo não é condizente com o seu gosto pessoal. 
Quando o ambiente é privado sou a favor de total liberdade. Cada um faz com o seu orçamento o que lhe dá mais prazer. Quando é privado mas de uso público, uma empresa, por exemplo, talvez seja interessante levar em conta outros componentes que passem a imagem do negócio. Uma firma de advogados em tons de rosa talvez fiquem bem no filme Legalmente Loira, mas talvez soe estranho para quem trabalha com clientes de perfil mais conservador.  
Fonte
Quando o prédio é público falamos de bens que pertencem ao povo. E por mais abstrata que essa palavra possa parecer, ela é custeada pelos impostos. E impostos todos sabemos a origem. E nesse caso sou bem mais rígida. Acho que deveriam ter normas para mudanças. E vou contar uma experiência pessoal para que entendam porque penso assim desde adolescente:

Morei em Brasilia nos anos 70. Meu pai trabalhava em um órgão estatal e fomos morar em um apartamento funcional. Para quem não sabe o que é isso, é um imóvel que pertence a um órgão público e que é posto à disposição de uma pessoa que está trabalhando para aquele órgão. Por um tempo determinado, leia-se. Mesmo na época da ditadura havia uma alternância de pessoas no poder. O apartamento onde fomos morar tinha uma decoração estilo nordeste brasileiro. Era muito interessante! Cadeiras de couro diferentes, uma mesa imensa com tampos de azulejo. Diferente do gosto sulista de quem assumiu o poder ali. Ordem de cima: tira tudo e decora de novo. Lembro que meus pais tentaram ficar com o que tinha ali, que era muito bom, não estava estragado e mesmo não sendo nosso gosto pessoal, era perfeitamente viável para quem ia morar ali por poucos anos. Conseguiram ficar com um pouco, mas como já tinha sido feita uma compra em uma loja local, os móveis de antes foram para um depósito(!). Isso incluiu eletrodomésticos. Tudo para o tal depósito. Anos fiquei pensando em como ele seria? Não aproveitariam de novo? Ficaria tudo lá mofando? Não existia liberdade de imprensa, ninguém podia fiscalizar de fora....

Então quando vejo hoje que se trocam os móveis, tapetes, enfeites simplesmente porque não são do gosto de quem não é o dono sozinho, não gosto. Quando se coloca um adendo nada a ver em um jardim tombado de um bem público, não gosto. Um bem público não pode ficar sujeito ao gosto pessoal de quem lhe habita. Ponto. E aí sim, discuto o gosto. E acho que se não houver regras que definam o que pode ou não ser modificado, elas devem ser feitas. Se existirem devem ser obedecidas.     

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

snapchat: arqsteinleitao 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Arquitetando o nosso dia e relembrando Niemeyer

  Arquitetura é uma voragem que seduz quem nela mergulha em seus mistérios e criações. Mais que uma profissão, para muitos, é mergulho em algo tão diferente que poderia se chamar de paixão. Talvez pensamentos de gente que cresceu em outras eras, onde a poesia ainda se misturava ao afazer arquitetônico. Não importa, sejamos mais comerciantes ou mais poetas, o arquitetar espaços para as pessoas e sociedades é um exercício particular muito bonito. E enriquecedor. E falar de arquitetura no Brasil em citar Oscar Niemeyer é meio impossível. Seja para falar a favor ou contra. O dia de seu aniversário fica marcado como o dia do Arquiteto e Urbanista .  Da estudante de 17 anos que andava pelos corredores do minhocão, como eram chamados os prédios curvos da UnB à arquiteta que ora vos escreve, em plena pandemia, muitas transformações.   Eu era daquelas que traçavam tratados contra o arquiteto famoso que era ,para mim, mais escultor que arquiteto. Tinha a empáfia dos mais jovens enquanto vivia mo