Pular para o conteúdo principal

Núcleo histórico das casas de enxaimel de Ivoti / RS

Quando passeamos por cidades turísticas como Gramado e Campos do Jordão, por exemplo, vemos aquelas simpáticas construções com madeira atravessada. Elas são, na maioria das vezes, um mero artificio de fachada. Muitas usam inclusive do recurso de pintura para aparentar algo que não são. Esses efeitos fakes são para lembrar da antiga técnica construtiva chamada de enxaimel que os imigrantes, especialmente os alemães, trouxeram em sua bagagem cultural quando vieram para o Brasil. 

Existem ainda sítios representativos autênticos dessa técnica. E pude visitar um desses locais em Ivoti (RS), no núcleo histórico de Feitoria Nova.
O maior aglomerado de casas na técnica construtiva enxaimel no Brasil, segundo levantamento e estudos da Fundação Nacional Pró-Memória, está na localidade da Feitoria Nova, em Ivoti. Ali, sete casas foram edificadas entre 1826 e 1950 e foram restauradas na década de 1990 e no ano de 2008, compondo espaços originais de habitação do início do século XIX. Na época de sua construção, as casas serviram como escola, funilaria e moradia. (Fonte)


Os imigrantes alemães começaram a vir para o Brasil no século XIX. Muitos saíram de regiões de conflitos e que passavam por problemas econômicos. Não eram tempos de globalização, as possibilidades de nunca mais retornar aos seus locais de origem eram imensas. Uma terra nova, com locais cheios de possibilidades, mas com quase tudo por fazer, recebeu levas de pessoas dispostas a fazer suas vidas.  Normal que trouxessem consigo suas lembranças e culturas. Os métodos construtivos também vieram na bagagem. E segundo o que li, mesmo algumas leis e costumes na terra de origem que ditavam economia de material, foram seguidos na nova terra, onde esse material era abundante.
O método construtivo enxaimel é a denominação dada a uma especial construção da edificação a partir da estrutura de madeira que articulada horizontal, vertical e inclinadas formam um conjunto rígido e acabado, pronto para, então receber a cobertura e as vedações ou fechamento (paredes). A técnica era feita através do encaixe dos caibros de madeira, sem o uso de pregos. O preenchimento (parede) poderia ser feito com qualquer material (Pedras, madeira, bambu, vidro, tijolos...) (Fonte)
Não há, segundo o que pesquisei, uma unanimidade quanto à origem do método construtivo enxaimel. Aqui no Brasil ele é, em geral, atribuído aos alemães. E nas feitorias e linhas, onde se alojavam as pessoas que vinham das regiões que hoje compõem a Alemanha, as construções eram feitas dessa maneira. Embora alguns digam que essas casas eram feitas pelos seus habitantes, a técnica construtiva era um pouco mais complexa e deveria exigir uma mão de obra mais especializada. 

A técnica usada nas novas colônias eram bem mais enxuta em madeiramento que muitas das usadas na Europa. E embora hoje já se mapeie a sua existência, até para tentar manter o patrimônio, muitas já sofreram alterações. Até mesmo no complexo histórico já podemos ver as antigas telhas substituídas por outras mais modernas.


Fonte
Com o passar dos anos, muitas residências e edifícios, foram revestidos com reboco. Alguns atribuem à perseguição que os alemães sofriam durante as guerras mundiais. Minha mãe, filha de alemão, conta que a farmácia de seu pai sofria constantes ataques durante esses períodos. E na época da segunda grande guerra, o sobrenome alemão era suprimido nas correspondências que meus pais trocavam no seu namoro à distância.
Brasileiros, que durante o regime de Getúlio Vargas perseguiam e fizeram uma caça à bruxas com os imigrantes. Quem via casas enxaimel, logo denunciava como suspeito reduto de "quinta colunas" para os agentes federais. Estes tinham poderes para revistar as casas, confiscar bens, prender e destruir material "estrangeiro". Vizinhos sentiam "orgulho" e "dever cívico" de denunciar alemães nas redondezas. Como recurso para se protegerem, rebocaram a parte externa da casa. (Fonte)

De qualquer modo, é muito bonito ver um conjunto como esse mantido em boas condições. E como a cidade cresceu para outros lados, de mais fácil acesso à vida econômica, o sítio das casas enxaimel de Ivoti, conseguiu manter inclusive a sensação de escala pequena que acompanhou os antigos habitantes.

Já o parque de Nova Petrópolis tem uma réplica de antigas construções, algumas reconstruídas ali, caso da igrejinha. Embora o cuidado de reproduzir uma antiga aldeia, mostrando a origem da cultura local, é uma amostra do que seria a realidade.
Interessante mesmo é analisarmos como essas origens de um passado não tão distante se torna objeto de venda turística. Basta analisarmos o fachadismo existente nessas cidades. Com edifícios mais modernos tentando reproduzir, mesmo que de maneira bastante fake, a técnica de construção dos primeiros habitantes.
Algumas novas edificações até conseguem uma linguagem formal um pouco mais divertida, mesclando os telhados usados em climas bem mais íngremes que o nosso com telhados verdes que fazem referência ao costume dos jardins e janelas floridas, tão típicos dos colonos da serra gaucha.

Recomendo a leitura dos textos abaixo sobre o método construtivo enxaimel e seu uso aqui no Brasil em:



Fotos sem legenda : Arq Elenara Stein Leitão

Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…