Pular para o conteúdo principal

Núcleo histórico das casas de enxaimel de Ivoti / RS

Quando passeamos por cidades turísticas como Gramado e Campos do Jordão, por exemplo, vemos aquelas simpáticas construções com madeira atravessada. Elas são, na maioria das vezes, um mero artificio de fachada. Muitas usam inclusive do recurso de pintura para aparentar algo que não são. Esses efeitos fakes são para lembrar da antiga técnica construtiva chamada de enxaimel que os imigrantes, especialmente os alemães, trouxeram em sua bagagem cultural quando vieram para o Brasil. 

Existem ainda sítios representativos autênticos dessa técnica. E pude visitar um desses locais em Ivoti (RS), no núcleo histórico de Feitoria Nova.
O maior aglomerado de casas na técnica construtiva enxaimel no Brasil, segundo levantamento e estudos da Fundação Nacional Pró-Memória, está na localidade da Feitoria Nova, em Ivoti. Ali, sete casas foram edificadas entre 1826 e 1950 e foram restauradas na década de 1990 e no ano de 2008, compondo espaços originais de habitação do início do século XIX. Na época de sua construção, as casas serviram como escola, funilaria e moradia. (Fonte)


Os imigrantes alemães começaram a vir para o Brasil no século XIX. Muitos saíram de regiões de conflitos e que passavam por problemas econômicos. Não eram tempos de globalização, as possibilidades de nunca mais retornar aos seus locais de origem eram imensas. Uma terra nova, com locais cheios de possibilidades, mas com quase tudo por fazer, recebeu levas de pessoas dispostas a fazer suas vidas.  Normal que trouxessem consigo suas lembranças e culturas. Os métodos construtivos também vieram na bagagem. E segundo o que li, mesmo algumas leis e costumes na terra de origem que ditavam economia de material, foram seguidos na nova terra, onde esse material era abundante.
O método construtivo enxaimel é a denominação dada a uma especial construção da edificação a partir da estrutura de madeira que articulada horizontal, vertical e inclinadas formam um conjunto rígido e acabado, pronto para, então receber a cobertura e as vedações ou fechamento (paredes). A técnica era feita através do encaixe dos caibros de madeira, sem o uso de pregos. O preenchimento (parede) poderia ser feito com qualquer material (Pedras, madeira, bambu, vidro, tijolos...) (Fonte)
Não há, segundo o que pesquisei, uma unanimidade quanto à origem do método construtivo enxaimel. Aqui no Brasil ele é, em geral, atribuído aos alemães. E nas feitorias e linhas, onde se alojavam as pessoas que vinham das regiões que hoje compõem a Alemanha, as construções eram feitas dessa maneira. Embora alguns digam que essas casas eram feitas pelos seus habitantes, a técnica construtiva era um pouco mais complexa e deveria exigir uma mão de obra mais especializada. 

A técnica usada nas novas colônias eram bem mais enxuta em madeiramento que muitas das usadas na Europa. E embora hoje já se mapeie a sua existência, até para tentar manter o patrimônio, muitas já sofreram alterações. Até mesmo no complexo histórico já podemos ver as antigas telhas substituídas por outras mais modernas.


Fonte
Com o passar dos anos, muitas residências e edifícios, foram revestidos com reboco. Alguns atribuem à perseguição que os alemães sofriam durante as guerras mundiais. Minha mãe, filha de alemão, conta que a farmácia de seu pai sofria constantes ataques durante esses períodos. E na época da segunda grande guerra, o sobrenome alemão era suprimido nas correspondências que meus pais trocavam no seu namoro à distância.
Brasileiros, que durante o regime de Getúlio Vargas perseguiam e fizeram uma caça à bruxas com os imigrantes. Quem via casas enxaimel, logo denunciava como suspeito reduto de "quinta colunas" para os agentes federais. Estes tinham poderes para revistar as casas, confiscar bens, prender e destruir material "estrangeiro". Vizinhos sentiam "orgulho" e "dever cívico" de denunciar alemães nas redondezas. Como recurso para se protegerem, rebocaram a parte externa da casa. (Fonte)

De qualquer modo, é muito bonito ver um conjunto como esse mantido em boas condições. E como a cidade cresceu para outros lados, de mais fácil acesso à vida econômica, o sítio das casas enxaimel de Ivoti, conseguiu manter inclusive a sensação de escala pequena que acompanhou os antigos habitantes.

Já o parque de Nova Petrópolis tem uma réplica de antigas construções, algumas reconstruídas ali, caso da igrejinha. Embora o cuidado de reproduzir uma antiga aldeia, mostrando a origem da cultura local, é uma amostra do que seria a realidade.
Interessante mesmo é analisarmos como essas origens de um passado não tão distante se torna objeto de venda turística. Basta analisarmos o fachadismo existente nessas cidades. Com edifícios mais modernos tentando reproduzir, mesmo que de maneira bastante fake, a técnica de construção dos primeiros habitantes.
Algumas novas edificações até conseguem uma linguagem formal um pouco mais divertida, mesclando os telhados usados em climas bem mais íngremes que o nosso com telhados verdes que fazem referência ao costume dos jardins e janelas floridas, tão típicos dos colonos da serra gaucha.

Recomendo a leitura dos textos abaixo sobre o método construtivo enxaimel e seu uso aqui no Brasil em:



Fotos sem legenda : Arq Elenara Stein Leitão

Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f