Pular para o conteúdo principal

Ideias para árvores de Natal

Nosso Natal começava no dia 6 de dezembro. Era hábito e costume naquela casa manter a cultura alemã que veio com a minha mãe. Ela, filha de pai alemão nato, e mãe de origem portuguesa, costumava fazer árvores imensas e deliciosos biscoitos de natal. 

A família de meu pai, de origem portuguesa (das grossas sobrancelhas e olhos ternos) e italiana (do Bello com dois elles, do rosto vermelho e do falar com as mãos) nem tinha tempo de ter esses luxos, já que meu avô tinha morrido aos 36 anos em uma revolução e deixado minha avó com quatro filhos para criar. Presentes? Coisa que meu pai desconhecia, embora rezasse para que viessem naquelas noites de dezembro ou em 6 de janeiro, dia de Reis. Acho que ainda não conhecia a música que eu cantava em pequena: 

Eu pensei que todo mundo
fosse filho de papai Noel
Bem assim felicidade eu pensei
que fosse uma brincadeira de papel
Mal sabia eu. naquela época, que Natal não era assim para todos. Não aquela festa de filha caçula de família classe média que se estabilizava.

Uma árvore imensa, um pinheiro cortado sem dó nem piedade. Devia ter quase três metros, sem imaginação infantil. Nossa sala de casa alugada tinha quase isso de pé direito! E ele majestoso, mal sabia que seria por poucos dias, coisa de um mês. Que no começo de janeiro ia ser desmanchado, despido de suas belezas e enfeites e jogado já meio morto em um canto qualquer para que o lixeiro o levasse. Nunca pensei o que faziam com ele. 

Só sei que enquanto reinava ali na nossa sala, era soberano. Ficava sobre caixas com pedras que o sustentavam, naquelas primeiras aulas práticas de estruturas efêmeras. Era enfeitado com bolas, com velas, com algodão que simulava a neve da terra de meu avô e que só fui conhecer lá na sua Alemanha. E cujo brilho no olhar que me despertou em sua magia, guardo até hoje na alma. Os alemães que acharam uma massada aquela nevasca em plena primavera não podiam entender o sorriso de criança que aquela brasileira tinha nos lábios. E que talvez tenha começado em noites quentes de dezembros tropicais.

Mas o pinheiro gigante que a gente teimava em chamar de pinheirinho (sem conotação pejorativa, era puro carinho) não reinava sozinho. Não! Ele fazia par com o presépio! Tão bonito! Cada ano diferente. Tinha areia, tinha água, tinha musgo! Tinha vida porque a cada dia os Reis Magos (Baltasar, Melchior e aquele outro, como era o nome mesmo? -Enquanto escrevo o sinal do wifi teima em cair e tenho que me valer da minha memória - ela teima em me gritar Joaquim. Mas não pode, um português de rei em Belém??? Ah, Google, como tornas nossa memória preguiçosa...) caminhavam em direção ao menino na gruta.

No dia 24, na véspera do Natal, a excitação daquela menina loira chegava ao auge. Fazia muito calor! Me vestiam com vestidos novos, meu pai me chamava para um estratégico passeio de carro - quem sabe um "Chica Bom" ou um picolé de abacaxi? E assim eu sempre perdia a chegada do Papai Noel. Uma vez ele veio nos visitar. Mas não podia ser aquele velhinho simpático dos anúncios. Aquele era magro, usava uma máscara e tinha uma vara de marmelo para assustar as crianças. Chorei muito. E não quis ver. Foi bom, ele nunca mais apareceu lá em casa.

Presentes. Muitos! Além de brinquedos, iam para a árvore todo o enxoval de verão. Fossem roupas, meias ou calcinhas. Não importava. Valia a quantidade. Eu, menorzinha, ganhava sempre mais que todos. Isso me enchia secretamente de vergonha.

Depois que cresci os Natais foram se simplificando. Apareceram os amigos secretos. A magia foi se dissolvendo. Até que eu me tornei Papai Noel. E nunca mais consegui recuperar aquela agitação dos tempos de outrora.
  
Já faz tempo que eu pedi
Mas o meu Papai Noel não vem
com certeza já morreu
ou então felicidade é brinquedo que não tem.
E o Joaquim era na verdade Gaspar (obrigada Google!)



Gostou? Conta para a gente a sua opinião.
Nos siga também nas redes sociais 

Twitter: @arqsteinleitao
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi