Pular para o conteúdo principal

GPS, mapas e falta de sinalização

Sinal trânsito

GPS. Tão simples. A gente coloca o endereço e lá vem uma voz de comando que vai dizendo para onde devemos ir. Nunca me acostumei com isso. Já tentei usar mas confesso que acho muito chato. O Tal do Waze me dá nos nervos também. Acabei por tirar do smartphone porque mais que me auxiliar, me incomodava. 

Ora, dirão alguns, arquiteto tem visão espacial mais elaborada. E é verdade. São poucas cidades que não consegui compreender de cara (BH uma delas). Então ainda sou fã de mapas. 

Mapas???? Sim, daqueles que a gente usava antigamente quando não havia tecnologia. Eu preciso ter a noção da trajetória que vou seguir dentro da minha cabeça antes de seguir em frente. E eles me auxiliam muito nisso. Hoje é lógico que troco os de papel pelo Google Maps. Faço a trajetória e ainda me dou ao trabalho de ver alternativas se aquele caminho não funcionar como espero. Coisas de arquiteta.

Tá, mas e se estiver em uma cidade estranha???? Faço o mesmo. E se não tiver mapa a mão? Pergunto em um ponto de táxi ou em um posto de combustível.

Porque estou falando nisso agora? Uma pela tristeza de pessoas indo parar em locais perigosos seguindo o GPS. Alguma perdendo a vida por isso. Culpa do GPS? Da tecnologia? Não. Não apenas. 

Vivemos em uma sociedade desigual e violenta. Mas mesmo em países considerados de primeiro mundo não creio ser saudável entrar em certos locais. Então convém ser cuidadoso. E aí entra a minha "noia" de não confiar 100% na tecnologia. Me reservo ao direito de pensar por mim mesma.

Mas para que mais pessoas pensem por si mesmas para achar ruas e caminhos é preciso algo básico: SINALIZAÇÃO!

Quem devia fazer a sinalização das cidades são pessoas que não moram nelas. As que moram subtendem que todos saibam os caminhos (palavras sábias de meu pai - Paulo de Oliveira Leitão)   
 Mapa de Porto Alegre
Quem já se perdeu em uma cidade por não encontrar nomes de ruas ou indicações de caminhos sabe do que estou falando. Hoje tive uma experiência dessas. Peguei uma estrada, obra da Copa, como caminho para o interior do estado. Nunca tinha feito isso. Auto estrada, economiza tempo em engarrafamentos. Imaginei que, nova, fosse bem sinalizada. Algo como: Saída para a BR 116 bem grande! Afinal deve ter sido pensada para facilitar a vida de todos. Especialmente dos turistas. Mas não. Não apenas perdi a saída, como me senti perdida. (E na hora sim, senti falta de ter um GPS).

Já estava me sentindo uma anta quando comentei com amigos e parentes. Todos relataram terem também feito a mesma coisa na primeira vez que a usaram. Um, inclusive, se perdeu a noite e teve que voltar à Porto Alegre para ir pela BR antiga.

Ou seja, algo básico que aprendi em urbanismo viário. Se muitos cometem o mesmo erro, tem algum erro de projeto.  

Então, antes que mais pessoas se percam ou pior, percam a vida, por errar o caminho, não vamos só culpar a tecnologia. Mas vamos tentar prevenir com um bom plano de sinalização?????


Leia também:

A comunicação para orientação do espaço urbano

Gostou? Conta para a gente a sua opinião.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n