Pular para o conteúdo principal

Nu masculino na arte ocidental - arte como fator de humanização

"Quando eu ando assim meio down.... "

E era bem assim que andava essa semana. E como já estava em Porto Alegre, paralelo 30, me restava o caminho certeiro para me sentir gente, para me humanizar. Abastecer minha alma. Além da dose extra de leituras (romances, livros técnicos e mais uma conta na Amazon) lá me fui eu para mais um almoço Clio. Dessa vez para um tema instigante: homem pelado.

Ops!!! Como assim Dona Arquiteta!!! Homem Pelado??? 

Pois sim, apesar de todas as nossas censuras culturais e pudores ainda existentes em pleno século XXI, a produção do nu artístico que vem retratando os corpos masculinos é bastante bonita e antiga. E para quem descrê dos pudores de hoje, recebi um aviso do You Tube de que muitos consideraram o vídeo da exposição sobre essa produção que aconteceu em Paris em 2013 como ofensivo. E ele é belíssimo, retratando um homem dos dias de hoje em poses de obras clássicas. De um bom gosto imenso. Enfim, deixei o link lá embaixo para quem quiser ver, com a devida advertência. 
“Discóbolo” do escultor Míron (século V a.C)
Fonte
De estátuas gregas privilegiando o movimento em épocas AC à fotos mimetizando a mesma pose em propagandas de poder, passando pelas obras clássicas que ornam igrejas, o almoço transcorreu com um panorama muito interessante sobre como o corpo masculino foi retratado, esculpido, fotografado e exposto no decorrer dos séculos.
Fotografia nu masculino século XX
Fonte
Em geral essas representações, pelo menos as que nos foram apresentadas e que são expostas em museus e praças do mundo afora, tem uma preocupação maior com a estética e modulação do corpo do que com o fator erótico. Isso talvez se deva à censura com que a exposição do corpo humano é vista pela sociedade ocidental. Muitas estátuas gregas receberam folhinhas de parreira para tapar a genitália exposta. Não muito tempo atrás o filme Laranja Mecânica recebeu bolinhas para tapar as partes pudendas (e eu fui uma que vi com as tais bolinhas no cinema - algo tão surreal que era muito mais obsceno que a nudez do ator). 

Mas Arte serve para isso. Para nos fazer refletir. Em tempos de redes sociais onde mulheres amamentando foram censuradas e onde a pornografia reina em navegações underground, é bastante pertinente encher os olhos com imagens belas, estudar como foram feitas e vistas pelos séculos de história. E ainda degustar um belo almoço.

"Coisas de magia, sei lá...."  (Fonte)


(AVISO: tanto o artigo como o vídeo contém cenas de nudez explícita.)
Veja AQUI um texto bem legal sobre o assunto. E AQUI um vídeo lindo sobre a Exposição que aconteceu no Museu d'Orsay em 2013, chamada de Masculin / Masculin. L'homme nu dans l'art de 1800 à nos jours
 “A Criação de Adão” (1508-1512)  de Michelangelo Buonarroti
Fonte

Corpos despidos: o nu masculino na Arte Ocidental

Palestra de Charles Lopes
A nudez masculina sempre esteve presente na história humana. Distintas culturas legaram-nos uma quantidade considerável de imagens de representações do homem. Na tradição da Arte Ocidental, estas figuras tiveram significativa importância, pois ao mesmo tempo em que conservam vestígios da antiguidade pagã, também são cruciais para o mito do Pecado Original no qual se situa no cerne da tradição judaico-cristã. É neste contexto que este Almoço Clio se insere: o prof. Me. Charles Lopes analisará esculturas, pinturas e fotografias que apresentam como temática o corpo masculino nu, e como ele vem sendo mostrado desde a Antiguidade até a cultura contemporânea. Gastronomia pela chef Carine Tigre.

Entrada Pêssego e copa com mix de folhas e redução de balsâmico
Entrada: Pêssego e copa com mix de folhas e redução de balsâmico
Entrada com um aroma dos Deuses (tudo a ver com o tema, né). Sou suspeita porque adoro copa. Para o meu gosto a redução de balsâmico estava muito forte. Mas como o tema era masculino, talvez fosse intencional.

Prato principal Ossobuco ao molho de pitanga com purê de mandioquinha
Prato principal: Ossobuco ao molho de pitanga com purê de mandioquinha
Ossobuco. Para a criatura aqui que evita comer carnes vermelhas foi um desafio e tanto encarar o prato principal. Ainda mais que era super bem servido. Mas como amo mandioquinha (também conhecida como batata baroa) misturei com o purê e deu para encarar. Estava bom sim. Mas ainda não é o que comeria por livre escolha. Mas fiz questão de fotografar o desafio vencido e que faz parte do meu propósito de não ser radical.   
A sobremesa estava divina! A massa escura, o creme de chocolate branco e a calda de frutas vermelhas estava no ponto exato. Repetiria se desse, com certeza.
Torta de chocolate branco com calda de frutas vermelhas
Sobremesa: Torta de chocolate branco com calda de frutas vermelhas
Fotos do almoço : Elenara Stein Leitão


Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi