Pular para o conteúdo principal

Nu masculino na arte ocidental - arte como fator de humanização

"Quando eu ando assim meio down.... "

E era bem assim que andava essa semana. E como já estava em Porto Alegre, paralelo 30, me restava o caminho certeiro para me sentir gente, para me humanizar. Abastecer minha alma. Além da dose extra de leituras (romances, livros técnicos e mais uma conta na Amazon) lá me fui eu para mais um almoço Clio. Dessa vez para um tema instigante: homem pelado.

Ops!!! Como assim Dona Arquiteta!!! Homem Pelado??? 

Pois sim, apesar de todas as nossas censuras culturais e pudores ainda existentes em pleno século XXI, a produção do nu artístico que vem retratando os corpos masculinos é bastante bonita e antiga. E para quem descrê dos pudores de hoje, recebi um aviso do You Tube de que muitos consideraram o vídeo da exposição sobre essa produção que aconteceu em Paris em 2013 como ofensivo. E ele é belíssimo, retratando um homem dos dias de hoje em poses de obras clássicas. De um bom gosto imenso. Enfim, deixei o link lá embaixo para quem quiser ver, com a devida advertência. 
“Discóbolo” do escultor Míron (século V a.C)
Fonte
De estátuas gregas privilegiando o movimento em épocas AC à fotos mimetizando a mesma pose em propagandas de poder, passando pelas obras clássicas que ornam igrejas, o almoço transcorreu com um panorama muito interessante sobre como o corpo masculino foi retratado, esculpido, fotografado e exposto no decorrer dos séculos.
Fotografia nu masculino século XX
Fonte
Em geral essas representações, pelo menos as que nos foram apresentadas e que são expostas em museus e praças do mundo afora, tem uma preocupação maior com a estética e modulação do corpo do que com o fator erótico. Isso talvez se deva à censura com que a exposição do corpo humano é vista pela sociedade ocidental. Muitas estátuas gregas receberam folhinhas de parreira para tapar a genitália exposta. Não muito tempo atrás o filme Laranja Mecânica recebeu bolinhas para tapar as partes pudendas (e eu fui uma que vi com as tais bolinhas no cinema - algo tão surreal que era muito mais obsceno que a nudez do ator). 

Mas Arte serve para isso. Para nos fazer refletir. Em tempos de redes sociais onde mulheres amamentando foram censuradas e onde a pornografia reina em navegações underground, é bastante pertinente encher os olhos com imagens belas, estudar como foram feitas e vistas pelos séculos de história. E ainda degustar um belo almoço.

"Coisas de magia, sei lá...."  (Fonte)


(AVISO: tanto o artigo como o vídeo contém cenas de nudez explícita.)
Veja AQUI um texto bem legal sobre o assunto. E AQUI um vídeo lindo sobre a Exposição que aconteceu no Museu d'Orsay em 2013, chamada de Masculin / Masculin. L'homme nu dans l'art de 1800 à nos jours
 “A Criação de Adão” (1508-1512)  de Michelangelo Buonarroti
Fonte

Corpos despidos: o nu masculino na Arte Ocidental

Palestra de Charles Lopes
A nudez masculina sempre esteve presente na história humana. Distintas culturas legaram-nos uma quantidade considerável de imagens de representações do homem. Na tradição da Arte Ocidental, estas figuras tiveram significativa importância, pois ao mesmo tempo em que conservam vestígios da antiguidade pagã, também são cruciais para o mito do Pecado Original no qual se situa no cerne da tradição judaico-cristã. É neste contexto que este Almoço Clio se insere: o prof. Me. Charles Lopes analisará esculturas, pinturas e fotografias que apresentam como temática o corpo masculino nu, e como ele vem sendo mostrado desde a Antiguidade até a cultura contemporânea. Gastronomia pela chef Carine Tigre.

Entrada Pêssego e copa com mix de folhas e redução de balsâmico
Entrada: Pêssego e copa com mix de folhas e redução de balsâmico
Entrada com um aroma dos Deuses (tudo a ver com o tema, né). Sou suspeita porque adoro copa. Para o meu gosto a redução de balsâmico estava muito forte. Mas como o tema era masculino, talvez fosse intencional.

Prato principal Ossobuco ao molho de pitanga com purê de mandioquinha
Prato principal: Ossobuco ao molho de pitanga com purê de mandioquinha
Ossobuco. Para a criatura aqui que evita comer carnes vermelhas foi um desafio e tanto encarar o prato principal. Ainda mais que era super bem servido. Mas como amo mandioquinha (também conhecida como batata baroa) misturei com o purê e deu para encarar. Estava bom sim. Mas ainda não é o que comeria por livre escolha. Mas fiz questão de fotografar o desafio vencido e que faz parte do meu propósito de não ser radical.   
A sobremesa estava divina! A massa escura, o creme de chocolate branco e a calda de frutas vermelhas estava no ponto exato. Repetiria se desse, com certeza.
Torta de chocolate branco com calda de frutas vermelhas
Sobremesa: Torta de chocolate branco com calda de frutas vermelhas
Fotos do almoço : Elenara Stein Leitão


Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

Círculo da Vida - arquitetura viva

Imagine uma série de construções que sigam o ciclo da natureza de vida, que possam crescer, florescer e fenecer como qualquer organismo vivo. É a ideia por trás da Arquitetura Viva ou botânica construtiva como alguns chamam. Falei sobre este conceito em Arquitetura Orgânica.
E enquanto pesquisa o site dos arquitetos do Obvious Avoid (falei sobre eles na postagem sobre ensinar crianças a pensar como arquitetos) encontrei essa proposta do Círculo da Vida que eles mesmos descrevem como "uma coleção de construções sustentáveis ​​feitas para celebrar a arte, a natureza e a ciência. "
Através de um centro de aprendizado a ser feito em uma floresta mexicana, as pessoas poderiam participar e compreender a natureza em todos os seus processos, tanto de vida como de morte. E onde o local não será apresentando como uma proposta fechada, mas como um processo em crescimento natural.
Os sete passos do ciclo proposto são:
Encontrar e recolher árvores caídasConfeccionar produtos de madeiraUsar p…