Pular para o conteúdo principal

Espaços para ler embalados por contos

Studio Clio - Histórias de Andersen
Contação de histórias
Contos. Tenho muito presente o meu fascínio por um livro ricamente ilustrado sobre os Contos de Andersen. Eram minha leitura predileta quando pequena. Tão pequena que liam para mim e eu não admitia que pulassem as páginas já que sabia de cor as histórias. Por isso me fascinou o tema do almoço Clio que falava justamente sobre Andersen: histórias no berço da Dinamarca.    

Quem visita a cidade de Odense, na ilha de Fusten, depara-se com um enorme culto a Hans Christian Andersen, autor de poemas, peças de teatro, diários de viagens, e, especialmente, de contos de fadas. Há estátuas valiosas espalhadas pela cidade, prestigiando histórias cujos personagens e temas se mostram tão sedutores quanto atuais, embora criados há mais de 200 anos. Neste Almoço Clio, a prof. Ana Maria Dischinger Marshall divide algumas destas narrativas que perpetuam no visitante o sentido profundo de mundo real que se alimenta do imaginário. 
A Dinamarca...esse país distante, sobre o qual já postei alguns exemplos de design e arquitetura (vejam AQUI). Ele se mistura com as imagens do meu livro predileto de infância: A Rainha das Neves. Para quem não sabe, Fronzen é baseado nesse livro, com obvias adaptações ao estilo Disney. Eu ainda continuo gostando mais do original de Andersen e aqui falo também sobre essa minha relação com os contos.

Essa magia que me remete à infância e me despertava tanta vontade de ler e reler me fez pensar nos ambientes de bibliotecas que recriem espaços propícios ao encontro com a leitura. E mais que ela, com a magia que os contos trazem. E minha fonte de inspiração de imagens não poderia ser outra que não bibliotecas públicas e centros culturais dinamarqueses.  Adivinhem se não fiquei morrendo de inveja...
Herning Public Library, Denmark
Herning Public Library, Dinamarca

HJØRRING central library by Bosch & Fjord
HJØRRING central library by Bosch & Fjord

Hjørring Public Library, Denmark
Hjørring Public Library, Dinamarca

Hjorring (Denmark) Public Library
Hjorring (Dinamarca) Public Library


Christiansfeld Public Library, Denmark
Christiansfeld Public Library, Dinamarca

Cultural Centre North-Western District, Copenhagen, Denmark
Cultural Centre North-Western District, Copenhagen, Dinamarca
Sim! Adoraria ter espaços como esses para que as crianças de hoje pudessem viajar na imaginação dos contos. Sim, eles existem também aqui no Brasil, embora talvez não com o número e a acessibilidade à todos como gostaríamos. Mas não importa o local, importa sim que a leitura permaneça, que existam pessoas que contem histórias às outras, que a imaginação seja instigada e levada à crer que sonhar e delirar também são uma ante sala da Arte. Essa frase em tudo é polêmica, mas ela me ficou bem marcada nesse almoço onde foi relatado sobre a história do pai de Andersen e me passou que ele também foi um fator fundamental na habilidade do filho em resgatar e recontar com um tom de sarcasmo e ironia suas histórias. Uma das mais representativas talvez seja a Roupa Nova do Imperador. Todos algum dia já se deram conta de que o "Rei está NU!", mas poucos talvez tenham tido a liberdade de não ter nada a perder e com isso não terem o medo de dizer o que realmente pensam. Parece simples, mas no nosso mundo de adultos, isso se torna cada vez mais raro. 

Simplicidade. Olhar o mundo como ele é e transmitir quais valores se quer preservar. Cada época com seus contos. Cada autor com o seu estilo. Bom refletir sobre isso.

Se quiserem saber mais sobre o autor, recomendo a visita ao Museu Andersen em Odensen.

Studio Clio - Livros de Andersen
Livros de Andersen
A gastronomia ficou por conta de Carine Tigre

 Entrada Smørrebrød com pasta de gorgonzola e fios de beterraba
Entrada
Smørrebrød com pasta de gorgonzola e fios de beterraba

Prato principal Frango ao molho de laranja e arroz de amêndoas
Prato principal:
Frango ao molho de laranja e arroz de amêndoas

Sobremesa Frugtkage (bolo de frutas secas) com chantilly
Sobremesa :
Frugtkage (bolo de frutas secas) com chantilly
Fontes das fotos : Pinterest e acervo pessoal de Elenara Stein Leitão

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 


Siga-nos nas redes sociais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b