Pular para o conteúdo principal

Cooperativas Habitacionais Uruguaias - um bela experiência para conhecer

Museu da Casa Brasileira - São Paulo - SP (foto Elenara Leitão)
O bom de viajar é encontrar pessoas e locais interessantes (nessa ordem). E de quebra ainda aprender sobre o que se gosta. Como o Universo conspira a favor das energias que a gente emite eis que, no primeiro encontro ao vivo dos integrantes da Synarqs, fomos visitar o Museu da Casa Brasileira em São Paulo e vejam a exposição que encontramos!    
Museu da Casa Brasileira - São Paulo - SP - (foto Elenara Leitão)
Uma amostra sobre as cooperativas habitacionais no Uruguai. País aliás que cada vez mais me encanta. Com certeza ou quase, seria minha segunda opção de moradia permanente, se um dia resolvesse deixar o Brasil (que continua sendo a primeira). 

Eu já conhecia algo da arquitetura uruguaia do tempo da graduação, onde a influência de Eladio Dieste se fazia sentir em Porto Alegre. Exemplo famoso é o prédio da Ceasa com as suas abóbodas em tijolo armado

Além disso colegas uruguaios me mostraram o quanto a formação em conforto ambiental é importante no currículo das escolas de arquitetura do país vizinho.
Arquitetos da Synarqs na exposição de Cooperativas Habitacionais Uruguaias
Mas confesso que desconhecia a importância das cooperativas habitacionais uruguaias. Fiquei realmente encantada com a exposição que recomendo para quem gosta de arquitetura, especialmente para estudantes. 

Sempre fui uma entusiasta do sistema cooperativo como forma de união entre pessoas com um objetivo comum. Usar este sistema para projetar e construir habitações não é tão comum no Brasil. Falei sobre uma experiência de arquitetura solidária e cooperativa aqui de Porto Alegre, realizada por um arquiteto uruguaio. Uma experiência mais restrita é verdade. Sei que existem vários outros exemplos, mas desconheço as realidades de facilidades ou entraves ao modelo. Li que existe um estudo mais aprofundado sobre o tema no artigo Cooperativismo habitacional na América Latina.       
Maquete na exposição de Cooperativas Habitacionais Uruguaias
Segundo a exposição, o movimento no Uruguai surgiu da iniciativa de um grupo de profissionais que conseguiu realizar uma sintonia entre o problema e a solução, e isto em uma época de crise econômica do país. Uma das tantas, aliás, por que já passaram as nações neste continente. 
"A partir do trabalho dessa equipe foi desenvolvida a base legislativa que gerou a Lei Nacional de Habitação Uruguaia (Lei Nacional de Vivenda) de 1968, uma conquista da classe operária organizada com experiência em trabalho coletivo, apoiada por uma geração de arquitetos com sólida formação técnica e comprometida com a melhora da qualidade de vida da população".(Fonte)
Durante o período militar a experiência ficou meio que hibernando, mas ressurgiu com maior força com a democracia. E vemos isso na exposição. E eles mostraram separadamente a produção das cooperativas onde havia uma poupança por parte do trabalhador e nas de cunho mais social.

exposição de Cooperativas Habitacionais Uruguaias
O mais interessante desse sistema é que há uma processo de cogestão, com participação em vários aspectos, inclusive no projeto arquitetônico. E o resultado se nota em prédios mais vivos. Nada contra a criação exclusiva do arquiteto, mas tudo a favor do diálogo. E tudo contra os conjuntos habitacionais que caem no colo das pessoas, com uma mesmice de fazer dó e sem soluções que contemplem as necessidade dos usuários. Sem contar que, participando das decisões, as pessoas se apropriam mais dos espaços. E isso é fantástico na Arquitetura. 
 
Se quiserem saber mais aqui uma entrevista com o Engenheiro e Professor uruguaio Fernando de Torres sobre a experiência de viver em uma cooperativa habitacional no Uruguai.
Arquitetos da Synarqs no MCB
Primeiro Encontro presencial dos Arquitetos da Synarqs 
E além da ótima exposição, recomendo o almoço no restaurante do MCB. Um ambiente super agradável, comida deliciosa, atendimento atencioso. Sem contar que passear e comer embaixo de árvores em pleno centro da capital paulista faz com que a gente entre em um estado de comunhão com a vida. Muito bom em todos os aspectos! 


Fotos : Elenara Stein Leitão

Comentários

  1. De fato foi muita sorte, recomendo a exposição para qualquer pessoa com interesse no setor, mas o encontro presencial, e a tarde profícua foram ainda melhores que as expectativas!

    Oscar

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida! Aliás, estar com vocês é uma das alegrias que a Vida me proporciona! E que agradeço sempre. Beijos Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …