Pular para o conteúdo principal

O vestido da posse e a sua casa: o que podem ter em comum?

Impressionante como as mulheres tendem a ser julgadas sempre pela aparência. Mesmo quando ocupam o cargo mais alto da nação. Impressionante como as próprias mulheres participam desse julgamento estético como se fosse primordial. 

Assistindo a posse da Dilma, é obvio que as mulheres em geral tenham uma natural curiosidade pela cor e estilo do vestido. Eu tive. Mas daí a transformar isso em um assunto foco como vi e (pasma!) por jornalistas que deveriam informar e debater assuntos mais relevantes... E mesmo que discutissem moda que, sim, é assunto relevante, porque indústria que movimenta milhões, deveriam informar quem assinou o traje e o que motivou a escolha. 

E sim, adoraria se a renda usada no traje fosse produto de um coletivo ou artesanato nacional que mostrasse o potencial do trabalhador brasileiro para o mundo. E sustentável de preferência. Demagogia? Não, pura propaganda de uma visão de governo. Uma boa fonte de pesquisa para jornalistas de plantão. 

Sempre defendi que as mulheres e homens que comandam a nação e ocupam cargos relevantes devam escolher estilistas nacionais. É um momento de holofote mundial e nada mais natural que vender a sua indústria. Ou querem coisa mais ridícula que uma primeira dama americana usando um modelo francês (Jackie O. Kennedy fazia isso...e não, as mulheres nunca foram presidentas nos EUA. Talvez Hilary, quem sabe) ou uma primeira dama ou presidenta brasileira vestindo um modelo americano, chinês ou o que o valha.

Nacionalismo é coisa do século passado? Estamos em uma época globalizada? História para boi dormir (ou para a vaca tossir). Moda é economia. E business nunca sai da moda. Em tempo a estilista do vestido da posse é Juliana Pereira. Abaixo uma de suas criações para a louça de um café. E já se nota a influência da renda.   
Fonte
Sim, porque mais que discutir se a presidenta é um padrão de beleza (o que não me parece ser exigido dos seus pares masculinos - e nem poderia, porque o que se espera é competência - ou a falta dela, para quem não concorda com as suas ideias e/ou atos), os comunicadores de plantão poderiam pelo menos falar sobre a escolha da renda e porque a Presidenta e a esposa do Vice Presidente estavam com trajes rendados. 

Há uma tendência que vem de um tempo atrás do uso da renda na moda e na decoração. Já falava disso em 2013, quando ligava a renda a um tempo de delicadeza.  

Delicadeza....talvez seja um forma de recompensar esses tempos mais cheios de rancor que vivemos na vida real....


Fonte
Como esse não é um blog político, embora a blogueira tenha posição e bem definida, não vou debater economia, segurança e nem educação - mormente tenha gostado muito do lema proposto ( herança pedetista, origem partidária da atual presidenta) de incrementar a educação (embora não saiba muito bem como isso vai acontecer na prática). Assim vou falar mais da escolha da renda e o que ela significa na vida cotidiana de nós, os que curtimos casa e adoramos enfeitá-la.
Fonte
A renda continua sim sendo tendência. Mas cautela! É preciso parcimônia no uso para que a nossa casa não fique parecendo um quarto de princesa. A ideia é usar a renda em detalhes e de modo harmonioso.
Fonte
Gosto do efeito da renda em contraste com móveis mais rústicos, ou mesmo com materiais reciclados.
Fonte
Outra forma bem moderna é usar os desenhos delicados em impressoras 3D por exemplo, gerando formatos inusitados em materiais mais tecnológicos. 
Fonte
Fonte
Escolher revestimentos que remetam às rendas delicadas pode ser outra escolha. Um lavabo fica muito elegante com elas. E adesivos podem gerar louças ou elementos de adorno muito bonitos. 
Fonte
Uma cadeira como essa, em contraste com uma decoração mais clean, pode dar um toque inusitado.

Fonte
Fonte
E finalmente voltando à moda, usar a renda como acessório me agrada demais. principalmente se for tecida à mão. 

E mais uma vez ressaltando, a indumentária que uma política usa em uma solenidade marcante é sinalizadora de algum recado, óbvio. Mas não é determinante para o futuro de uma nação. Não vi ninguém criticando a gravata rosa do Ministro da Fazenda, por exemplo. Seria um sinal de que o seu foco será um futuro auspicioso, um sinal de que sua linha está adquirindo uma tonalidade avermelhada, mas não por aí??? Ninguém faz isso porque seria ridículo. Tão ridículo quanto quando fazem com as mulheres. #Ficaadica   


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n