Pular para o conteúdo principal

Pintando azulejos com sugestões via web

Adoro contar boas experiências de trabalhos em nuvem e dando pitacos pela web. E cada vez que me deparo com os engarrafamentos das grandes cidades fico pensando que deva ser uma prática cada vez mais usada, mesmo quando o profissional e cliente moram na mesma cidade. Especialmente as grandes. Imaginem então quando se faz esse tipo de relacionamento com amigos que moram longe!


A Sam do A Vida como a Vida quer me pediu um auxílio para definir algumas mudanças na sua casa nova. Por sorte tive a oportunidade de ir a São Paulo e conhecer ao vivo o seu apartamento. Que é super agradável, tem áreas grandes e boas mas que necessita aqueles toques de personalização que a gente gosta de dar. Tanto a Sam como o Gui tem experiência em obras (afinal se conheceram quando cursavam o técnico de edificações!). 

Eles estão sentindo os espaços novos, se permitindo vivenciar o que funciona e o que realmente precisam. E estão esperando a caçula, Manu, crescer mais um pouco para encarar obras maiores. Nesse meio tempo vamos trocando ideias via messenger do Facebook e emails (sim, eles ainda funcionam bem, especialmente nas conversas que a gente quer arquivar e manter um histórico. Eu uso muito o Gmail para isso, tenho pastas para clientes e projetos - e é um meio fácil de acessar informações, não abro mão ainda). E usamos o Instagram nos marcando e usando tags (#arquitetandoideias e #arqsteinleitao ) para salientar as ideias que achamos interessante. Outro meio em nuvem que funciona é ter uma pasta no Pinterest e ali armazenar tudo o que nos interesse em imagens. A grande vantagem desse App é que ele não apenas armazena as imagens, mas também os links de onde foram tiradas. Eu acho super importante saber a origem para poder não apenas dar os devidos créditos, mas pesquisar o como são feitas e o conceito das soluções.  

Mas algumas intervenções puderam ser feitas desde já. Um exemplo bacana foi quando as Tintas Coral ofereceram a possibilidade de testar uma das novidades da marca: usar as novas cores da Wandepoxy Base Água que é uma tinta para renovar azulejos e pisos de banheiros e cozinhas, ou seja, uma alternativa para quem quer mudar esses ambientes sem quebra-quebra. (Adoro isso de não ter quebra- quebra - veja aqui uma outra experiência em uma cozinha).

Imediatamente começamos a conversar, já que a Sam me colocou como auxiliar no processo. E sim, arquitetos, cliente e fornecedores formam uma cadeia de conversas e possibilidades. E quanto mais for explorada, maiores as chances de um projeto sair ao gosto de quem vai morar.

O fornecedor entra não apenas com a oferta de produtos, mas com uma série de serviços como assessoria técnica de indicar as melhores soluções para os ambientes e as informações técnicas necessárias sobre o material, sua correta aplicação.

Por exemplo, para o quarto da Manu, a Coral indicou um dos novos lançamentos: o Coral Acabamento de Seda que é uma tinta acrílica com excelente cobertura e acabamento sofisticado, toque acetinado e é sem cheiro. As cores são lindas e podem ser acessadas AQUI.

Como eu tinha dúvidas sobre o uso da Coral Wandepoxy, principalmente dentro das áreas molhadas (sei que essas tintas tem que ser muito bem aplicadas sob pena de descascar) eles me forneceram uma série de informações técnicas e algumas instruções importantes para a aplicação:

  • - Fazer uma limpeza profunda da superfície, tirando resquícios de sabonetes, xampus, e afins;
  • - Ter atenção especial ao rejunte, que tem de estar em perfeitas condições para não ter infiltração de água;
  • - Após a limpeza, não usar a área e deixar secar por 3 dias;
  • - Sempre aplicar o produto na vertical (e não no piso);
  • - Após a aplicação, aguardar cinco dias para cura do produto. 

Sugestões de cores para a Sam e o Gui - usando imagens da Web e cores da paleta da Coral (app na web)

Começamos então intensa troca de mensagens via Face. A ideia original era fazer um hangout (do Google+) para podermos falar e ver os ambientes, mas por problemas de nossas agendas, não deu. Mesmo assim deu para trocarmos fotos do local e comecei a sugerir esquemas de cores. A principio a ideia era usar nos banheiros mesmo.



Mas, como a vida é dinâmica e devemos interagir com ela e suas necessidades mais prementes, a Sam e família viram que a sua prioridade de alteração era o que ela chamou de o coração da casa, a cozinha conjugada com a sala. E com razão. Eles amam cozinhar, realizar as suas conversas de cozinha e ver as delicias de #2nerds na cozinha. Logo, aquele espaço com azulejos claros e porcelanatos também em tom de marfim ou bege não está deteriorado. Mas não tem nada a ver com eles! E isso incomoda quem mora. Assim a decisão foi testar a tinta nos azulejos da cozinha. E é um teste e tanto porque além de cobrir os azulejos, checar a resistência ao uso e limpeza, tem que resistir bem ao calor do sol da tarde que bate na cozinha toda envidraçada.... Sugestões de cor? Bingo! Tínhamos o mesmo entendimento: tom de cinza que escurecesse um pouco e harmonizasse com o granito existente. E do lado da arquiteta uma proposta desde que vi o ambiente de ousar em um estilo industrial usando algum tijolo a vista em algum local do ambiente. 

 
Cozinha original com azulejos e porcelanato claro e a Sam recobrindo os armários com papel adesivado

 Sim, mas qual cinza????? Quem já olhou uma paleta de cores de tintas, já sabe o drama. São inúmeros, puxando para todos os tons! Aí entram os arquitetos. Fiz uma seleção com várias nuances para que pudessem escolher.   
Propostas dos tons de cinza usando o App Coral Projetos
Aí outro impasse. Quando um gosta de um tom e o outro de outro. Como fazer? A Sam ficou curiosa se isso acontece com todo mundo. Sim, é super comum! Sem dúvida vou ter que falar um dia sobre como lidamos com isso (uma boa dose de psicologia é importante). 

Escolhida a cor - Cinza Relva - restava esperar o tempo em que haveria tempo para o casal se dedicar à pintura. Sim! Eles pintaram! E tem já uma bela experiência nesse campo, inclusive em atos voluntários. Mas se você não tem tanta experiência, mas quer tentar, corre para o Google e para as próprias linhas das empresas que dão valiosas dicas.



Testes de recobrimento da tinta. Sempre é bom fazer antes para testar o tom e a aderência

E eu aqui super curiosa! E eis que a cozinha surge super bonita. 


E o melhor, segundo a Sam e o Gui a cobertura da tinta é excelente, em madeira, metal, azulejo e até fórmica! Sim, eles gostaram tanto que pintaram os azulejos, as portas dos armários que precisavam de uma renovação (tanto que a Sam já tinha usado papel adesivado neles), as quinas de alumínio que evitam que as paredes se quebrem nos cantos (mas não são bonitas...) e até a porta do elevador!

Porta do elevador
Gosto dessas histórias da vida real porque além da interação bacana com as pessoas, a gente sempre aprende com o que dá certo e mesmo com o que não dá tão certo. No caso, o tempo foi longo, mas serviu para que se pensasse bem e consolidasse as escolhas. Já estou vendo a cozinha com toques de tijolo a vista, com luminárias coloridas e com uma mesa de madeira e cadeiras alegres....


E espero que a Sam e toda a família estejam felizes e tenham gostado da experiência. Eu gostei muito!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi