Pular para o conteúdo principal

Hidratar é elegante. Principalmente para adultos médios

Já tinha falado AQUI que ia assistir um evento sobre hidratação no Rio, em um local lindo e com gente maravilhosa que faz parte do time do Viva Positivamente. 

Eu achava que ia ser bom, mas vocês não tem noção de como foi maravilhosa a palestra que ouvi dessas duas feras daqui de baixo. Sabem pessoas que transmitem verdade? Que sabem conjugar trabalho e humanidade? Pois é. Tanto o José Rubens D’ Elia como o Flávio Canto deram um show de simpatia, de informações e de dicas não apenas de hidratação, mas de foco e capacidade de superar os momentos de aparente derrota.
O local, um quiosque no Leme no Rio de Janeiro, com todo o carinho e competência que o pessoal da Coca Cola costuma brindar os blogueiros era apropriado para se falar de hidratação e motivação. O clima do dia ajudou bastante também. Quente e úmido. A gente sentia a necessidade beber líquidos. Eu aproveitei e bebi muita água. E um pouco de isotônico também. Estes últimos são excelentes para repor micronutrientes para quem pratica esportes que requeiram treinos longos.
Mas e pessoas normais? Assim como eu, quase idosa. Não mais! Aprendi com o José Rubens que as pessoas na faixa entre 45 e 65 são classificados hoje como adultos médios! Amei isso. Já estou adotando. Enfim pessoas normais, ou quase, se é que existem arquitetos (e blogueiros ao mesmo tempo) que possam se enquadrar nessa categoria. Pessoas assim, que fazem uma atividade física que não se chama de vigorosa, necessitam sim de muita água. E a recomendação é de ter um copo ao lado para que se possa ir tomando goles de tempos em tempos. Existem aplicativos que avisam o tempo de beber água. Eu tinha um desses muito tempo atrás, mas perdi. Mas o meu corpo já assimilou e já pede uma boa hidratação.
E porque um blog de arquitetura se interessa por isso? Porque arquiteto nenhum consegue criar e executar se não estiver com a saúde em dia. Cheio de pique e motivação. E o Dr José Rubens nos deu umas dicas de exercícios bem rápidos para treinar o foco e "desistressar". Tem um nome, mas confesso que não me lembro (juro que vou colocar os links dos outros blogueiros a medida que forem escrevendo e alguém deve recordar o nome certo.

Enfim: uma das técnicas era erguer a cabeça, ajustar o corpo e manter a coluna ereta, crescendo a cabeça. A que eu mais gostei foi a do foco. Olhar fixamente para um ponto, sentado ou em pé. Marcar o ponto inicial como UM. E tentar se manter assim, em meditação silenciosa, por um minuto pelo menos. A cada distração, pensamento que passa pela cabeça, movimento do corpo e mesmo olhos, passar do um para o DOIS. E sucessivamente. Parece fácil, mas ao final de um minuto se percebe o quanto se está tenso ou desfocado. O legal é ir repetindo esse exercício de tempos em tempos e tentar melhorar, se mantendo o mais próximo do UM.
Entre informações sobre a importância da hidratação em todas as pessoas e principalmente em atletas, desfrutamos de um local maravilhoso. E fomos brindados com delícias de entradas. Antes de passar ao que o Flávio Canto nos falou, vou mostrar rapidamente o quanto passamos bem.
 Entrada com variados acepipes
 Caldinho de batata baroa que amo!
Isotônico. Mas preste atenção, o ideal é tomar junto a um treino pesado e não junto ao almoço. Aliás, no almoço o ideal é não tomar líquidos, ou se for indispensável, um leve e uns 15 minutos após as refeições. Mas se correr, andar de bike, fizer trilhas, é a bebida ideal.
 Risoto de queijo (delicioso!!!). A carne vermelha eu pulei.
 Sagu com creme, que parece que tem o nome de tapioca ou que o seja. Para gaúchos é sagu mesmo. Muito bom.

E para arrematar: brigadeiro de colher. Brigadeiro porque estava no Rio. Todos sabem que no RS o nome oficial é negrinho mesmo. E tem sim branquinho o de chocolate branco.
O final do papo foi com o Flávio Canto que particularmente me encantou pelo trabalho que desenvolve no Instituto Reação, onde como ele mesmo falou se tenta mudar o mundo, mudando mundos. Tenho um grande respeito por quem compartilha seu saber com quem menos tem em termos de oportunidade. E o esporte é um imenso canal de difusão de disciplina, de conhecimento, de formação. E mais do que falar em vitórias ele, medalhista olímpico, falou de momentos em que ela não veio. Os momentos de derrota e como reagiu, como levantou, como foi em frente. Como ajudou também outros atletas a fazerem o mesmo.

E acho esse depoimento super importante porque nem sempre os jovens, e mesmo os adultos médios, ou idosos, sabem reagir na derrota. Tem muitos que desistem quando poderiam aprender e ir em frente, mais fortes. As derrotas, os erros, as coisas que não fazemos direito as vezes, desde que saibamos aprender com elas são bons professores de vida. Até para que saibamos analisar o que nos levou a elas, e a mudar a rota ou a aprender como fazer de um limão uma limonada (ou em bom português como fazer adubo se transformar em ouro).

Assim, hidratação, motivação, persistência. Mas principalmente um sonho na cabeça e energia para trabalhá-lo. E muito amor pelo que se faz. 

________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

E antes tarde do que nunca, lembretes da importância da hidratação (via Samantha Shiraishi relembrando a palestra do José  Rubens D'Elia ):

Se hidratar é importante em vários momentos: 

- Estudando, já que o desempenho em tarefas mentais pode ser negativamente influenciado pelo calor e pela desidratação.

- Dirigindo, pois a desidratação desencadeada pelo uso do ar-condicionado pode causar dor de cabeça, cansaço e perda de concentração, o que afeta a agilidade mental. Consumir bebidas não alcoólicas com mais frequência pode ajudar a reduzir esses sintomas.

- Exercitando-se, pois a desidratação também pode afetar o desempenho no exercício aeróbico, especialmente em climas moderados ou quentes, além de prejudicar parcialmente o desempenho mental.

- Trabalhando, já que o aumento de carga de trabalho, estresse, deslocamentos, ar condicionado e ambientes quentes podem afetar nossa saúde e aumentar a perda de água
.
______________________________________________________________
______________________________________________________________

Fotos: Elenara Stein Leitão 


     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n