Pular para o conteúdo principal

Saberes locais são fonte de sabedoria - até que ponto a escola os respeita?



Eu ia falar sobre projetos de escolas para homenagear o dia do professor (15/10). Reuni alguns projetos bem interessantes para pesquisar mais a fundo, como essa escola para áreas rurais na Colômbia - a M3. Ela é uma escola em módulos, super adaptável às condições do país, com alta resistência aos desastres naturais e de fácil manutenção. Concebida em módulos, estrutura em bambu, com uma montagem fácil, é um edifício que pode responder aos desafios de proporcionar um bom local para a educação.
 

Mas a educação é bem mais que um prédio, por mais bonito, sustentável e criativo que seja. Não importa se é educação básica ou mesmo o ensino da arquitetura, ou outro saber, o ato de educar sempre será para mim o ensinar a olhar o mundo com seus próprios olhos e mestre, para mim, é o que planta vontades, o que fomenta, o que instiga e desperta em cada um a vontade da busca. E da busca do contraditório, das inúmeras versões, da base e da síntese que pode ressignificar o presente e alicerçar o futuro. E por isso fiquei muito fascinada vendo esse vídeo ESCOLARIZANDO O MUNDO:que " faz um chamado por um "diálogo profundo" entre as culturas, sugerindo que nós temos, ao menos, tanto a aprender quanto a ensinar, e que essas sociedades sustentáveis ancestrais podem ser portadoras do conhecimento que é vital para nossa própria sobrevivência no próximo milênio".

Ele é instigante e sugiro a quem for vê-lo (leva uma hora, mas vale a pena) que se disponha a ver um outro ponto de vista. Ele sugere que repensemos nós, ocidentais, criados com o foco na escola como transformadora e meio de asceção social, até que ponto elas podem estar impondo um modelo de cultura e valores que coloquem em segundo ou terceiro plano culturas diferentes. E tudo isso com a melhor das intenções. Uma frase me impactou: "Quem perdeu a sua história, perdeu tudo". E é verdade. Nossa história, nossa raiz, o que nos forma como pessoas, sociedades, países, consolida nossas práticas e nos faz conviver com as pessoas e o mundo de forma mais consciente e de certa forma, com mais sabedoria. 

E mesmo na Arquitetura notamos isso. O saber tecnologico de hoje nem sempre substitui o saber de técnicas que foram se consolidando com o passar dos anos, pela prática e pelo conhecimento do ambiente e costumes da região. O entrelaçamento desses saberes, ao contrário, pode nos gerar obras mais sustentaveis, mais inteligentes, mais verdadeiras. Há um questionamento no video sobre se trocamos SABEDORIA por CONHECIMENTO e mais modernamente por INFORMAÇÃO.  

E pensar criticamente sobre o significado dessas palavras pode nos fazer pensar qual o rumo que queremos de nossas escolas. Locais para crescer? Locais para realmente aprender o significado da vida e do que fazemos ou vamos fazer dela e do nosso papel no mundo e meio ambiente. Aprender a pensar e a conciliar esse tripé e talvez inverte-lo fazendo com que as informações nos levem ao conhecimento e este à sabedoria.  




Nas semicoisas das coisas
Outras versões da verdade
Do outro lado do espelho
(Paulinho Moska)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que