Pular para o conteúdo principal

Verdejando e amarelando

Dia da pátria. Sempre me lembra verde e amarelo. Interessante que verdejante tem uma conotação positiva, algo que cresce, que se projeta para cima. Já amarelando tende para o medroso, algo que se esconde, que não se mostra. De repente me passou que vivemos nesse eterno dilema: entre a promessa de ser uma potência - o tão chamado Brasil do futuro que por anos aprendi a suspirar e imaginar quando viria. E o sentimento meio de vira lata, tipo do que nada dá certo porque somos enfim brasileiros e aqui tudo é mal feito, é mau acabado, é tipo assim coisa de terceiro mundo.

Mas temos tanta coisa bacana e sempre admirei tanto esse país que me aproximo mais do lado verdejante. 

Fiquei aqui pesquisando nossas cores e achei tantas referências bacanas que tive que dividir aqui. Em geral gosto mais da mistura do verde e amarelo no exterior, usando a vegetação como contraponto de pinturas mais alegres. Mas também no interior essa combinação pode dar um clima todo alegre. Esses tons mais vivos eu recomendo mais em casas de veraneio porque são bastante expressivos. A gente tem que se conscientizar que podem cansar no dia a dia.
Mas de repente uma mistura de tons fortes pode também ficar bem bacana desde que bem dosado.
Outra maneira de usar nas nossas casas é usar em móveis, como elementos pontuais. Marcam e não cansam.
Já os tons mais suaves dos verdes e amarelos combinam com ambientes mais formais. Fazem um belo contraponto e aquecem o ambiente.
Uma das nossas características mais bacanas para mim é a generosidade de receber pessoas. Abrimos as portas, abrimos nossas casas e desde sempre somos uma saudável mistura de raças, de religiões, de culturas. Isso nos enriquece. Nosso lado macunaimico de assimilar esse imenso calos, transforma-lo e reinventa-lo em algo nosso me encanta.
Vemos isso em nossas ruas e renomados pensadores nos citam como uma sociedade que pode contribuir muito com a melhoria do mundo. Para gáudio dos verdejantes e imenso arrepio dos amarelados.

Enfim, somos um pais potencialmente rico, especialmente daquilo que teimamos em não valorizar tanto: em cultura. Afinal, em que reside a nossa brasilidade? Para você? O que seria isso?
Estaria em nossa alegria, em nossas cores, em nossa capacidade transformadora. Ou estaria em nosso modo meio caipira de ser, uma coisa meio infantil e conservadora? 

Se você conseguir definir, compartilha com a gente. Porque cá entre nós, o que para mim afirma nossa nacionalidade é um modo intrigante de ser. Sem definição e sem formas muito rigidamente definidas. 
 
Somos um país em construção. E por isso mesmo somos criativos. Ainda somos uma sociedade aberta. Tomara saibamos valorizar isso.

Achei as fotos no Google e Pinterest e não consegui pegar os links da autoria. Se alguém se sentir prejudicado, me passe as referências que coloco a autoria. Ou se quiser que seja retirada, também providencio.

Comentários

  1. A minha pátria é como se não fosse, é íntima
    Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
    É minha pátria. Por isso, no exílio
    Assistindo dormir meu filho
    Choro de saudades de minha pátria.

    Se me perguntarem o que é a minha pátria direi:
    Não sei. De fato, não sei
    Como, por que e quando a minha pátria
    Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
    Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
    Em longas lágrimas amargas.
    Vontade de beijar os olhos de minha pátria
    De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...
    Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
    De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
    E sem meias pátria minha
    Tão pobrinha!

    Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho
    Pátria, eu semente que nasci do vento
    Eu que não vou e não venho, eu que permaneço
    Em contato com a dor do tempo, eu elemento
    De ligação entre a ação o pensamento
    Eu fio invisível no espaço de todo adeus
    Eu, o sem Deus!

    Tenho-te no entanto em mim como um gemido
    De flor; tenho-te como um amor morrido
    A quem se jurou; tenho-te como uma fé
    Sem dogma; tenho-te em tudo em que não me sinto a jeito
    Nesta sala estrangeira com lareira
    E sem pé-direito.

    Ah, pátria minha, lembra-me uma noite no Maine, Nova Inglaterra
    Quando tudo passou a ser infinito e nada terra
    E eu vi alfa e beta de Centauro escalarem o monte até o céu
    Muitos me surpreenderam parado no campo sem luz
    À espera de ver surgir a Cruz do Sul
    Que eu sabia, mas amanheceu...

    Fonte de mel, bicho triste, pátria minha
    Amada, idolatrada, salve, salve!
    Que mais doce esperança acorrentada
    O não poder dizer-te: aguarda...
    Não tardo!

    Quero rever-te, pátria minha, e para
    Rever-te me esqueci de tudo
    Fui cego, estropiado, surdo, mudo
    Vi minha humilde morte cara a cara
    Rasguei poemas, mulheres, horizontes
    Fiquei simples, sem fontes.

    Pátria minha... A minha pátria não é florão, nem ostenta
    Lábaro não; a minha pátria é desolação
    De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
    E praia branca; a minha pátria é o grande rio secular
    Que bebe nuvem, come terra
    E urina mar.

    Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
    Uma quentura, um querer bem, um bem
    Um libertas quae sera tamem
    Que um dia traduzi num exame escrito:
    "Liberta que serás também"
    E repito!

    Ponho no vento o ouvido e escuto a brisa
    Que brinca em teus cabelos e te alisa
    Pátria minha, e perfuma o teu chão...
    Que vontade de adormecer-me
    Entre teus doces montes, pátria minha
    Atento à fome em tuas entranhas
    E ao batuque em teu coração.

    Não te direi o nome, pátria minha
    Teu nome é pátria amada, é patriazinha
    Não rima com mãe gentil
    Vives em mim como uma filha, que és
    Uma ilha de ternura: a Ilha
    Brasil, talvez.

    Agora chamarei a amiga cotovia
    E pedirei que peça ao rouxinol do dia
    Que peça ao sabiá
    Para levar-te presto este avigrama:
    "Pátria minha, saudades de quem te ama...
    Vinicius de Moraes."

    ResponderExcluir
  2. Grande poetinha, escrevia em seus tempos de diplomata a saudade da terra amada, tantas vezes posta de escanteio por tantos que dela quem direitos mas se negam aos deveres de cidadania. Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b