Pular para o conteúdo principal

O que 1978 tem para nos ensinar

Cortina verde plantas
Nova novela global passando em 1978. Alvo certeiro para as jovens quase idosas que eram recém mulheres naquela época. Confesso que a nostalgia me bateu. Saudades de uma eu mais jovem. Andei passeando pelas fotos antigas e, por incrível que pareça, as roupas que usava na época nem estavam tão defasadas para os dias de hoje. Bocas de sino, macacão jeans....

Comecei a pensar no que podemos resgatar das nossas casas da época. E uma coisa salta aos olhos: muito verde! Mesmo antes das chamadas paredes verdes, nossas casas eram verdadeiras florestas de vasos, samambaias, os xaxins que ainda não tinham sido proibidos e sempre seguros por correntes e suportes de ferro. Sim, éramos bem adeptos da natureza nos anos 70.

Nossas roupas eram customizadas. Bem no início dos anos 70, as bocas de sino eram feitas de pedaços de outras calças, com retalhos de preferência de cor e jeito diferente da calça. Nossas mães em geral faziam em casa. E nós mesmas éramos prendadas, a gente bordava camisetas hering que eram recortadas e enfeitadas com rendas e milhões de detalhes que só a imaginação ousava alcançar. Imagine se a decoração não seguia essa criatividade toda....

Jeans anos 70
Outra coisa bacana era a influência hippie. Vinha da década de 60 e caía como uma luva nos orçamentos apertados dos jovens casais e das repúblicas de estudantes. Os jovens de hoje acham o máximo usar paletes? Ora! Caixotes já eram usados, almofadas faziam as vezes de sofás e cabeceiras eram feitas de longos panos de batik ou tecidos vindos das viagens que alguns mais ousados faziam pelos Andes ou pela Índia. Éramos místicos, filosofos e rebeldes. Nas roupas e nas casas. Pelo menos as dos jovens.
Hippie batik
Outra onda maneira eram os moveis revestidos de carpete. Isso mesmo, de tapete! As vezes toda uma parede que se transformava em móvel. Era bem prático quando a madeira não era tão nobre e ainda não haviam essas tintas que transformam qualquer pinho em madeira mais classuda. 
Interior anos 70
E quem disse que cantos não eram aproveitados? Os projetos usavam detalhes em madeira maciça e curvas.
interior banho anos 70
Não foram anos particularmente elegantes. As roupas subiram e desceram. A gente usava botas imensas com shorts e casacões imensos. E meias arrastão. Cabelos cacheados. Longas noites em discotecas. Lurex em meias soquete usadas com sandálias altas.Plataformas. Imensas! Chapinhas ? Nem pensar, cabelos eram esticados com toucas (pergunte para sua mãe ou tia como era esse processo...). Toda festa tinha que ter um globo espelhado. E luz negra.
 Cozinha anos 70
Gehry fazia sua casa na Califórnia. Lelé construía seus primeiros hospitais da rede Sarah. Alguns livros já falavam de auto construção e de economia de energia (para arrepio dos professores da faculdade que achavam um acinte alguém se meter a fazer arquitetura sem ser arquiteto). Talvez na onda das crises do início dos anos 70, onde pela primeira vez se falava em escassez de petróleo. 

Estudantes de arquitetura enterravam simbolicamente Le Corbusier e a Arquitetura Moderna e começavam a falar em Venturi. Pós Modernismo. Ainda não se votava para presidente no Brasil. Nem para governador se bem me lembro. No urbanismo a experiência de Lages era estudada e pela primeira vez se falava em participação popular no urbanismo, a Força do Povo. E se fazia isso na prática ao nosso lado, em SC.

As lições dos anos 70? Ainda muito vívidas em minha memória para fazer um balanço isento. Para mim eram anos frenéticos. Eram anos de inocência. Eram anos de esperança. Como sempre são quando a gente tem vinte anos. 

Fotos: Google e Pinterest

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b