Pular para o conteúdo principal

O que 1978 tem para nos ensinar

Cortina verde plantas
Nova novela global passando em 1978. Alvo certeiro para as jovens quase idosas que eram recém mulheres naquela época. Confesso que a nostalgia me bateu. Saudades de uma eu mais jovem. Andei passeando pelas fotos antigas e, por incrível que pareça, as roupas que usava na época nem estavam tão defasadas para os dias de hoje. Bocas de sino, macacão jeans....

Comecei a pensar no que podemos resgatar das nossas casas da época. E uma coisa salta aos olhos: muito verde! Mesmo antes das chamadas paredes verdes, nossas casas eram verdadeiras florestas de vasos, samambaias, os xaxins que ainda não tinham sido proibidos e sempre seguros por correntes e suportes de ferro. Sim, éramos bem adeptos da natureza nos anos 70.

Nossas roupas eram customizadas. Bem no início dos anos 70, as bocas de sino eram feitas de pedaços de outras calças, com retalhos de preferência de cor e jeito diferente da calça. Nossas mães em geral faziam em casa. E nós mesmas éramos prendadas, a gente bordava camisetas hering que eram recortadas e enfeitadas com rendas e milhões de detalhes que só a imaginação ousava alcançar. Imagine se a decoração não seguia essa criatividade toda....

Jeans anos 70
Outra coisa bacana era a influência hippie. Vinha da década de 60 e caía como uma luva nos orçamentos apertados dos jovens casais e das repúblicas de estudantes. Os jovens de hoje acham o máximo usar paletes? Ora! Caixotes já eram usados, almofadas faziam as vezes de sofás e cabeceiras eram feitas de longos panos de batik ou tecidos vindos das viagens que alguns mais ousados faziam pelos Andes ou pela Índia. Éramos místicos, filosofos e rebeldes. Nas roupas e nas casas. Pelo menos as dos jovens.
Hippie batik
Outra onda maneira eram os moveis revestidos de carpete. Isso mesmo, de tapete! As vezes toda uma parede que se transformava em móvel. Era bem prático quando a madeira não era tão nobre e ainda não haviam essas tintas que transformam qualquer pinho em madeira mais classuda. 
Interior anos 70
E quem disse que cantos não eram aproveitados? Os projetos usavam detalhes em madeira maciça e curvas.
interior banho anos 70
Não foram anos particularmente elegantes. As roupas subiram e desceram. A gente usava botas imensas com shorts e casacões imensos. E meias arrastão. Cabelos cacheados. Longas noites em discotecas. Lurex em meias soquete usadas com sandálias altas.Plataformas. Imensas! Chapinhas ? Nem pensar, cabelos eram esticados com toucas (pergunte para sua mãe ou tia como era esse processo...). Toda festa tinha que ter um globo espelhado. E luz negra.
 Cozinha anos 70
Gehry fazia sua casa na Califórnia. Lelé construía seus primeiros hospitais da rede Sarah. Alguns livros já falavam de auto construção e de economia de energia (para arrepio dos professores da faculdade que achavam um acinte alguém se meter a fazer arquitetura sem ser arquiteto). Talvez na onda das crises do início dos anos 70, onde pela primeira vez se falava em escassez de petróleo. 

Estudantes de arquitetura enterravam simbolicamente Le Corbusier e a Arquitetura Moderna e começavam a falar em Venturi. Pós Modernismo. Ainda não se votava para presidente no Brasil. Nem para governador se bem me lembro. No urbanismo a experiência de Lages era estudada e pela primeira vez se falava em participação popular no urbanismo, a Força do Povo. E se fazia isso na prática ao nosso lado, em SC.

As lições dos anos 70? Ainda muito vívidas em minha memória para fazer um balanço isento. Para mim eram anos frenéticos. Eram anos de inocência. Eram anos de esperança. Como sempre são quando a gente tem vinte anos. 

Fotos: Google e Pinterest

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…