Pular para o conteúdo principal

Museu que utiliza reciclagem e reutilização de materiais

Esses dias andei passeando pela poesia medieval da Andaluzia e agora me deparo com este projeto: Museu das Águas. Onde? Lanjaron, Granada na comunidade autônoma da Andaluzia, na Espanha.   
Ele me chamou a atenção primeiramente pela forma. Aliás, a forma é a maneira primeira que a Arquitetura usa como ferramenta de comunicação com as pessoas. A forma não é um fim em si, ou não deveria ser, mas sim uma maneira de impactar, chamar a atenção, passar o recado que a edificação encerra.

 
Um museu sempre fala do resgate da história, mesmo que ela seja presente e do meio ambiente. Um museu nos tira do momento cotidiano e nos leva para um mundo de possibilidades. Sempre. 


Um museu das águas que utiliza de reciclagem e reutiliza elementos do ambiente em que se encontra, não apenas economiza recursos, mas passa uma mensagem de preservação. E o uso de elementos que remetem aos sentidos da gente, como o aroma das flores de laranjeiro e o som das águas, se complementam com o uso de sombras e luzes para criar uma atmosfera de contemplação e pertencimento.  


O local? O pátio de um antigo matadouro que recebe uma nova e instigante construção em madeira. Um local de morte que se transforma em local de vida com o apelo aos sentidos humanos. Uma transformação simbólica de esperança e renovação. Preservação.

 

Preservação inclusive dos antigos espaços que recebem uma mínima intervenção que expõem suas antigas entranhas e estruturas. Toras de eucalipto caídos são dispostas em variados tamanhos formando com a água um cenário mágico.

 
O Museu se estrutura em torno dos caminhos da água. Vários encaminhamentos mostram fluxo e refluxo e encaminham para uma aproximação empática com esse elemento tão precioso para nós.






E a proposta foi complementada com um trabalho cooperado de empresas privadas e população local, gerando uma ação comunitária e que pretende formar uma coesão social na comunidade ao mesmo tempo em que servem de marco para divulgação da história local. 


Projeto do Arquiteto Juan Domingo Santos

Fotografias: Fernando Alda 

Fonte 

Outros projetos que podem te interessar:
Museu das àguas de Porto Alegre
Pavilhao da água

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b