Pular para o conteúdo principal

Escolha sim, rigidez não. Todo exagero é nocivo

Não como porco nem carne vermelha e não tomo refrigerantes. Ponto final. 

Muitos que me conhecem já sabem de minhas opções e quando me convidam para um almoço e janta já oferecem outras opções. 

Fiz essas escolhas de vida uns anos atrás e foram baseadas em várias razões:
  • Porcos eram tabu na nossa casa. Meu avô, médico alemão, proibia suas filhas de comerem essa carne, creio que porque, naquela época, era difícil o controle sanitário. Já li também que os alemães se afeiçoavam aos bichinhos e nunca comiam os que criavam, eram como mascotes. Não sei se é verdade, mas eles são meigos mesmo. Sempre digo que parente não! 
  • Carnes vermelhas porque nunca gostei do sangue nelas. Sim, como carne branca e algumas coisas feitas de carne que nem seriam recomendáveis como salsichão e salsichas (de frango! rsss). Ou seja, minhas escolhas foram mais baseadas em gosto pessoal do que em ideologias gastronômicas.
  • Os refrigerantes optei por não tomar porque exagerava no consumo. Não bebia água, bebia coca. E todo exagero é nocivo. E aí chego ao motivo da postagem de hoje: exageros.
Quando nossas escolhas deixam de ser escolhas e se tornam imposições é hora de parar um pouco e rever os conceitos. Falo isso porque fui a um almoço cultural onde o prato principal era ....porco. 
Porco no almoço Clio
Confesso que já tinha comido carnes vermelhas e até pato nesses eventos, mas porco...pensei sinceramente em não comer para ficar fiel ao velho hábito. Mas quando o prato foi colocado na frente, meus olhos foram mais gulosos e me deu uma vontade sincera de comer aquilo. E comi com o maior prazer. Porque se tem uma coisa que aprendi é que, quando se toma uma decisão, por menor que seja, deve ser curtida e bem usufruída. Afinal vida é para ser bem vivida. E com prazer.  

"Se o inimigo é mais forte que você, coma-o" (Sônia Hirsch - contando um episódio semelhante em seu livro Paixão emagrece, amor engorda )

Com os refrigerantes não é diferente. Ainda escolho beber um bom copo d'água, um suco natural ou um excelente vinho. Mas não veto com veemência, com postura xiita, beber um refri bem gelado se me der vontade. Já me reeduquei, já aprendi a me conhecer e posso agora sim escolher o que me agrada mais no momento. Assim, escolha sim, rigidez não!
Aliás essa devia ser uma máxima nas nossas vidas. Aprender a apreciar as coisas com a moderação da falta de exageros, das paralisações que determinadas ideias e soluções que acabam nos engessando a vida.
Acho super válido se fazer escolhas de consumo baseado em princípios que achamos corretos - eu dou prioridade para produtos nacionais se geram empregos aqui. É uma forma minha de pensar. Muita gente faz assim com produtos que para eles não se enquadrem em determinadas formas de conduta. Também acho válido. Desde que não queiram impor para mim e nem eu para eles. Dá para perceber a diferença, não? Escolhas sim, patrulhamento não.
E porque estou aqui mostrando essas fotos de Cocas vintage e reaproveitamento de embalagens ? Porque acho lindos! Já falei aqui sobre isso, sobre colecionar símbolos em Junte todo mundo.  
Nada mais símbolo de um mundo globalizado que as marcas que se encontra em todo lugar, do mais luxuoso ao mais simples e pobre. Coca é uma delas. Uma das mais poderosas. Uma das que mais geram imagens e produtos reciclados. Uma das que mais que o produto, vendem ideias e conceitos. E tão forte é isso, que mesmo os que não bebem o produto usualmente como eu, se encantam com os produtos gerados com a sua imagem. Sem exageros, é obvio. 
Veja mais imagens em http://br.pinterest.com/arqsteinleitao/coke/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi