Pular para o conteúdo principal

Desenho a mão livre - ferramenta essencial do arquiteto

Muitos estudantes perguntam sobre o curso de arquitetura, o que podem antecipar em saber para entrar na faculdade já com um cabedal de conhecimento que lhe facilite o aprendizado. Já expliquei a rotina de um arquiteto para estudantes e falei aqui sobre 10 lições para aprender arquitetura.   
Fonte
Mas se tivesse que escolher uma prioridade, o que aprender primeiro? Teoria, prática, CADs? Essa madrugada uma jovem perguntava em uma lista de arquitetura. Minha resposta? 

Treine o olhar. Comece pelas peças de tua casa. Desenhe a mão livre o teu quarto, procure perceber a escala/tamanho das coisas sem usar réguas. A verdadeira ferramenta do arquiteto se chama percepção espacial. Faça isso pelas ruas, olhe, sinta, perceba. Treine o cérebro. Desenhe a mão livre. Muito. Sente na rua e desenhe. Viaje.
Fonte
Grandes arquitetos fizeram seu repertório dessa forma - através da observação, de viagens pelo mundo, de um caderno companheiro, ou folhas soltas onde desenhavam. Suas mentes eram ensinadas a reconhecer as relações de espaço na vida real. Uma de minhas primeiras lições na faculdade de arquitetura foi desenhar minha casa, a mão livre, sem medir. Dela passei ao edifício, depois à cidade. Nesses nossos tempos de computação e programas CADs a nos auxiliar, urge treinar a mão, urge treinar o cérebro para que possamos realmente desfrutar dessas ferramentas que fazem quase tudo, mas não o principal. Elas não projetam por nós. A concepção real nasce dentro de nós, da nossa capacidade de ver o que não existe. Ainda. 

Fonte
E lendo um texto chamado Drawing Hand in the Age of Computers fica mais evidente a necessidade dos desenhos a mão nessa era de computadores. Ali eles fizeram uma interessante relação, mostrando duas etapas do processo projetual: Concepção representada por desenhos e a realização da obra, já com fotos da edificação pronta. Um desses exemplos é mostrado abaixo. 
Fonte
Acima um croqui representando a intenção do projeto feito por Brad Cloepfil. A obra é o "Sokol Blosser Winery Tasting Room", nos EUA. A comparação entre os traços livres que expressam o conteúdo que se pretende alcançar e a obra pronta mostra o quanto se aproximam. Experimente sentar em frente ao computador sem ter a ideia clara em sua cabeça do quer fazer, para ver o quanto o seu projeto demora a fluir. Ou se flui perde em densidade e certezas. Rascunhar livremente permite que as ideias balancem em nossas mentes, que possamos brincar e construí-las lá naquele espaço que só nós percebemos.



Fonte
Portanto, se eu posso dar um conselho seria: compre um caderno de desenhos, pode ser pequeno, se cerque de lápis e borrachas e saia pelo mundo a desenhá-lo. Quando viajar fotografe menos e desenhe mais. Não se importe se ficam belos e nem tente mostrá-los ao mundo. São seus. São seu meio de exercitar sua percepção espacial. 


Veja mais sketches de arquitetos aqui

Sketches of Frank Gehry 

Comentários

  1. Queria deixar uma dica também sobre isso. muitas cidades, principalmente as capitais, mas qlq um pode montar em sua cidade tb (o face ajuda mto nisso) é o grupo de Urban Sketchers (desenhistas urbanos, traduzindo literalmente) que se reunem em partes específicas para cada um elaborar um desenho, croquis com qualquer tecnica ou material (aquarela, lapis, canetinha, bic, pastel, etc) de graça e as vezes tb se organizam para fazer roteiros, passando por varios pontos.
    É bem legal pois ajuda no traço, a ver o serviço dos outros que pode complementar o seu, trocar informações, ver mais sobre sua cidade, angulos diferentes... e geralmente é de fim de semana que organizam. Existe também grupos nacionais e eventualmente os mais profissionais convidam para workshops (pagos e as vezes gratuitos), organizam viagens, mas aí cabe a cada um ver se participa. Fica de dica ou sugestão de tópico pra post.

    ResponderExcluir
  2. Excelente dica Lilian! Adorei e já vou colocar na pauta. É super importante essa troca de experiências e a gente aprende muito com isso. Super obrigada, abraços Elenara

    ResponderExcluir
  3. Elenara, encontrei seu blog procurando dicas de desenho. Fiz faculdade de direito e agora, passados os anos, iniciei uma nova faculdade Design de Interiores e estou apanhando muito em desenho a mão livre. Amei tuas dicas de desenho a mão, e gostaria sinceramente desenhar. Estou buscando na internet informações para que eu possa aprender e treinar desenho a mão livre. Obrigada pelo incentivo que deste aqui.

    ResponderExcluir
  4. Vera Lucia!
    Que bacana! Tão bom saber de pessoas que buscam sempre aprendera mais e mais. Há vários livros e tutoriais ensinando desenhar. A mão. Já falei de alguns aqui no blog e estou torcendo para que sigas no teu aprendizado- sempre sabendo que o sucesso vem para quem persevera e treina. Adorei teu comentário. Abraços e sucesso! Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Arquitetando o nosso dia e relembrando Niemeyer

  Arquitetura é uma voragem que seduz quem nela mergulha em seus mistérios e criações. Mais que uma profissão, para muitos, é mergulho em algo tão diferente que poderia se chamar de paixão. Talvez pensamentos de gente que cresceu em outras eras, onde a poesia ainda se misturava ao afazer arquitetônico. Não importa, sejamos mais comerciantes ou mais poetas, o arquitetar espaços para as pessoas e sociedades é um exercício particular muito bonito. E enriquecedor. E falar de arquitetura no Brasil em citar Oscar Niemeyer é meio impossível. Seja para falar a favor ou contra. O dia de seu aniversário fica marcado como o dia do Arquiteto e Urbanista .  Da estudante de 17 anos que andava pelos corredores do minhocão, como eram chamados os prédios curvos da UnB à arquiteta que ora vos escreve, em plena pandemia, muitas transformações.   Eu era daquelas que traçavam tratados contra o arquiteto famoso que era ,para mim, mais escultor que arquiteto. Tinha a empáfia dos mais jovens enquanto vivia mo