Pular para o conteúdo principal

Telhado e parede verde - o retorno ao óbvio

Fonte
Fonte
Já falamos aqui no blog sobre telhados verdes e paredes verdes. Suas vantagens e maneiras de usa-los. Por isso gostei do texto do Ezio Rinaldi, que coloco na íntegra abaixo, com autorização do autor. Ele fala, com muito bom senso, que o uso de vegetação não é ideia nova e que é uma questão de retornar às boas práticas de tempos de ontem.

Fonte
Outra boa ideia é o que está propondo o Movimento 90. Uma união multi profissional propondo a proliferação de paredes verdes nas cidades, aproveitando empenas e paredes verticais para cobrir de verde as cidades. Um exemplo está sendo feito em São Paulo, com o apoio financeiro de empresas. Uma ideia a ser imitada. Vejam abaixo um vídeo da proposta. 





Movimento 90º from vapor324 on Vimeo.

Telhados verdes - O retorno ao óbvio 

 Ezio Moura Rinaldi



Civilizações antigas já se serviam desta técnica simplesmente porque tornava o ambiente mais fresco e suportável. Com o desenvolvimento das tecnologias, abandonou-se esta técnica substituindo-a por sistemas de ar condicionado e muitas outras alternativas que consomem energia.

Com a expansão das cidades, o uso desordenado do solo, a concentração de carros e, conseqüentemente, a utilização necessária de asfaltos de pavimentação, estas mesmas cidades tornaram-se quentes e impermeáveis às chuvas, aumentando a temperatura média em alguns graus Celsius, o que aumenta a evaporação e resulta no efeito estufa. Esta mesma cidade sofre com enchentes, esteriliza o meio ambiente expulsando a bio-diversividade e mantendo apenas aquelas espécies que podem sobreviver dos restos humanos, tais como ratos, pombos, e outros que proliferam doenças nocivas ao próprio ser humano.

O panorama se torna cada vez mais complexo e difícil de corrigir, pois além disso tudo ainda é necessário levar alimentos a toda esta população. Estes mesmos alimentos são produzidos em locais distantes, requerendo refrigeração, transporte e uma enorme infra estrutura. Não bastasse tudo isso as grandes cidades tornaram-se fábricas de CO2 e outros poluentes e não há filtro que funcione para limpar o ar e, devido a isso, vivemos respirando sujeira. Mas o pior é que já atingimos a barreira de 400ppm de CO2 no ar, e isso vai levar a um aumento da temperatura global em 2 a 6ºC, o que será uma calamidade.

A natureza “estudou” durante milênios talvez milhões de anos quais as soluções mais eficientes para manter o equilíbrio dinâmico entre estes atores e teve sucesso. Prova disso é a incrível capacidade que ela, a natureza, tem de se recuperar das nossas interferências, fazendo brotar um pé de tomate no meio do concreto. Ou seja, se a natureza tiver a menor possibilidade de trazer o equilíbrio de volta ela o fará, mesmo que nós humanos não queiramos. O menor descuido e lá estará outra planta no lugar do tomate que arrancamos porque estava deixando feio o nosso muro ou calçada. 




Tão inteligentes somos que, em vez de nos servir de um processo testado e consagrado de equilíbrio, preferimos, ao custo de nossa saúde, lutar contra. Se em vez de colocar amianto sobre nossas cabeças colocássemos um gramado, ou talvez uma horta, por mais simples que seja, teríamos a natureza a nosso favor, limpando o ar, convertendo o nosso CO2 em oxigênio, contendo as águas da chuva, fornecendo alimento para os pássaros que irão competir com os pombos, diminuindo sua incidência e a conseqüente proliferação de doenças, e ainda reduzindo o calor em nossos lares e na cidade como um todo.



Porque não se faz isso então?

É tão obvio que mesmo uma criança consegue perceber seus benefícios apesar de não ter a cátedra necessária para entender o processo em sua totalidade.

Será que não temos tecnologia suficiente para fazer isso, e assim nos retraímos?

Certamente não, pois existem tecnologias que permitem fazer isso. Tecnologias que, além de estanquear a água da chuva dentro do jardim suspenso, ainda é resistente à ação das raízes das plantas e é feito à base pneus recuperados (aqueles mesmos pneus velhos e carecas que jogamos nos rios ou nos poucos jardins mal cuidados que ainda temos, para servir de criadouro de mais doenças que vão assolar a nossa saúde).

Esta mesma tecnologia faz uma barreira de apenas 0,5 mm de espessura, não requer processos complexos para aplicar e por ser tão fina e leve permite fazer telhados verdes com baixa carga morta. Esta tecnologia permite sim fazer telhados verdes com baixo custo, alta performance e ainda reusa a pneus velhos e perigosos.

Substituindo-se um telhado padrão por uma laje e aplicando-se esta tecnologia, pode-se construir um jardim suspenso onde as crianças podem conviver com a natureza, onde podemos plantar aquela alface “orgânica” que pagamos tão caro no supermercado, ou ainda temperos que podemos dar aos nossos vizinhos tornando a nossa convivência mais saborosa em todos os aspectos. E estaremos diminuindo as enchentes, retirando CO2 do nosso ar, fixando a fuligem em um substrato que poderá ser naturalmente convertida em terra útil.

Se ainda não estivermos convencidos, podemos lembrar que a evaporação desta água retida no jardim baixa a temperatura em nossa casa, tornando nosso viver algo mais agradável, e morar passa a ser de novo uma ação de família, pois muitas crianças vão querer aprender a plantar, cuidar do jardim, tornando-se futuros biólogos, naturalistas e defensores do meio ambiente.

Que não seja por falta de tecnologia! Ela existe. Veja em www.comoveda.com.br. Também não é por falta de vontade política, pois muitas cidades já oferecem redução de IPTU para quem tiver telhado verde; não é por falta de recursos financeiros, pois o BNDES fornece os subsídios para tal.

O que falta então?



Coragem, bom senso e cidadania. O que falta é olhar para nossos filhos com o amor que olhamos e lembrar o tipo de ambiente que estamos deixando para eles. Que tipo de mundo eles vão herdar de nós. Pensar que eles vão nos ver como a geração que emporcalhou o futuro deles. Que tomou deles o direito de ver um beija-flor ao vivo (para o que basta um jardim e um potinho com água doce). Não é tão difícil, nem é tão caro. E você mesmo poderá aproveitar tudo isso. Poderá curtir seu fim de tarde em um local fresco, gostoso, perfumado. Você ganhará uma área de lazer e bioterapia em sua casa, em seu condomínio. Afinal, para que serve uma cobertura de cimento em seu prédio se ela não te traz nada além de despesas? Você passará a olhar pela janela e ver muita área verde em sua volta. E não precisará mais sair da cidade e morar longe, gastando mais combustível, poluindo mais e sofrendo de stress só de pensar nas viagens diárias.

E você que projeta, cria, constrói; você que é arquiteto e que está preocupado com o impacto ambiental da sua obra, não esqueça que melhor do que aproveitar a energia elétrica de forma eficiente em um edifício inteligente é não precisar usá-la é deixar que a natureza faça isso. Melhor que coletar energia através de um painel solar para depois transformar em créditos para subsidiar a agricultura, é dar à natureza a chance de usar esta mesma energia de forma muito mais eficiente para produzir infinitos benefícios que nem podemos enumerar.

Precisamos mudar o mundo, precisamos mudar nossa cultura, precisamos deixar um legado de oportunidades para nossos filhos, e isso requer coragem, determinação, e acima de tudo humildade. Somos parte da natureza vamos trazê-la para nossos lares.

Vamos convidar a mãe natureza para morar com a gente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi