Pular para o conteúdo principal

Telhado e parede verde - o retorno ao óbvio

Fonte
Fonte
Já falamos aqui no blog sobre telhados verdes e paredes verdes. Suas vantagens e maneiras de usa-los. Por isso gostei do texto do Ezio Rinaldi, que coloco na íntegra abaixo, com autorização do autor. Ele fala, com muito bom senso, que o uso de vegetação não é ideia nova e que é uma questão de retornar às boas práticas de tempos de ontem.

Fonte
Outra boa ideia é o que está propondo o Movimento 90. Uma união multi profissional propondo a proliferação de paredes verdes nas cidades, aproveitando empenas e paredes verticais para cobrir de verde as cidades. Um exemplo está sendo feito em São Paulo, com o apoio financeiro de empresas. Uma ideia a ser imitada. Vejam abaixo um vídeo da proposta. 





Movimento 90º from vapor324 on Vimeo.

Telhados verdes - O retorno ao óbvio 

 Ezio Moura Rinaldi



Civilizações antigas já se serviam desta técnica simplesmente porque tornava o ambiente mais fresco e suportável. Com o desenvolvimento das tecnologias, abandonou-se esta técnica substituindo-a por sistemas de ar condicionado e muitas outras alternativas que consomem energia.

Com a expansão das cidades, o uso desordenado do solo, a concentração de carros e, conseqüentemente, a utilização necessária de asfaltos de pavimentação, estas mesmas cidades tornaram-se quentes e impermeáveis às chuvas, aumentando a temperatura média em alguns graus Celsius, o que aumenta a evaporação e resulta no efeito estufa. Esta mesma cidade sofre com enchentes, esteriliza o meio ambiente expulsando a bio-diversividade e mantendo apenas aquelas espécies que podem sobreviver dos restos humanos, tais como ratos, pombos, e outros que proliferam doenças nocivas ao próprio ser humano.

O panorama se torna cada vez mais complexo e difícil de corrigir, pois além disso tudo ainda é necessário levar alimentos a toda esta população. Estes mesmos alimentos são produzidos em locais distantes, requerendo refrigeração, transporte e uma enorme infra estrutura. Não bastasse tudo isso as grandes cidades tornaram-se fábricas de CO2 e outros poluentes e não há filtro que funcione para limpar o ar e, devido a isso, vivemos respirando sujeira. Mas o pior é que já atingimos a barreira de 400ppm de CO2 no ar, e isso vai levar a um aumento da temperatura global em 2 a 6ºC, o que será uma calamidade.

A natureza “estudou” durante milênios talvez milhões de anos quais as soluções mais eficientes para manter o equilíbrio dinâmico entre estes atores e teve sucesso. Prova disso é a incrível capacidade que ela, a natureza, tem de se recuperar das nossas interferências, fazendo brotar um pé de tomate no meio do concreto. Ou seja, se a natureza tiver a menor possibilidade de trazer o equilíbrio de volta ela o fará, mesmo que nós humanos não queiramos. O menor descuido e lá estará outra planta no lugar do tomate que arrancamos porque estava deixando feio o nosso muro ou calçada. 




Tão inteligentes somos que, em vez de nos servir de um processo testado e consagrado de equilíbrio, preferimos, ao custo de nossa saúde, lutar contra. Se em vez de colocar amianto sobre nossas cabeças colocássemos um gramado, ou talvez uma horta, por mais simples que seja, teríamos a natureza a nosso favor, limpando o ar, convertendo o nosso CO2 em oxigênio, contendo as águas da chuva, fornecendo alimento para os pássaros que irão competir com os pombos, diminuindo sua incidência e a conseqüente proliferação de doenças, e ainda reduzindo o calor em nossos lares e na cidade como um todo.



Porque não se faz isso então?

É tão obvio que mesmo uma criança consegue perceber seus benefícios apesar de não ter a cátedra necessária para entender o processo em sua totalidade.

Será que não temos tecnologia suficiente para fazer isso, e assim nos retraímos?

Certamente não, pois existem tecnologias que permitem fazer isso. Tecnologias que, além de estanquear a água da chuva dentro do jardim suspenso, ainda é resistente à ação das raízes das plantas e é feito à base pneus recuperados (aqueles mesmos pneus velhos e carecas que jogamos nos rios ou nos poucos jardins mal cuidados que ainda temos, para servir de criadouro de mais doenças que vão assolar a nossa saúde).

Esta mesma tecnologia faz uma barreira de apenas 0,5 mm de espessura, não requer processos complexos para aplicar e por ser tão fina e leve permite fazer telhados verdes com baixa carga morta. Esta tecnologia permite sim fazer telhados verdes com baixo custo, alta performance e ainda reusa a pneus velhos e perigosos.

Substituindo-se um telhado padrão por uma laje e aplicando-se esta tecnologia, pode-se construir um jardim suspenso onde as crianças podem conviver com a natureza, onde podemos plantar aquela alface “orgânica” que pagamos tão caro no supermercado, ou ainda temperos que podemos dar aos nossos vizinhos tornando a nossa convivência mais saborosa em todos os aspectos. E estaremos diminuindo as enchentes, retirando CO2 do nosso ar, fixando a fuligem em um substrato que poderá ser naturalmente convertida em terra útil.

Se ainda não estivermos convencidos, podemos lembrar que a evaporação desta água retida no jardim baixa a temperatura em nossa casa, tornando nosso viver algo mais agradável, e morar passa a ser de novo uma ação de família, pois muitas crianças vão querer aprender a plantar, cuidar do jardim, tornando-se futuros biólogos, naturalistas e defensores do meio ambiente.

Que não seja por falta de tecnologia! Ela existe. Veja em www.comoveda.com.br. Também não é por falta de vontade política, pois muitas cidades já oferecem redução de IPTU para quem tiver telhado verde; não é por falta de recursos financeiros, pois o BNDES fornece os subsídios para tal.

O que falta então?



Coragem, bom senso e cidadania. O que falta é olhar para nossos filhos com o amor que olhamos e lembrar o tipo de ambiente que estamos deixando para eles. Que tipo de mundo eles vão herdar de nós. Pensar que eles vão nos ver como a geração que emporcalhou o futuro deles. Que tomou deles o direito de ver um beija-flor ao vivo (para o que basta um jardim e um potinho com água doce). Não é tão difícil, nem é tão caro. E você mesmo poderá aproveitar tudo isso. Poderá curtir seu fim de tarde em um local fresco, gostoso, perfumado. Você ganhará uma área de lazer e bioterapia em sua casa, em seu condomínio. Afinal, para que serve uma cobertura de cimento em seu prédio se ela não te traz nada além de despesas? Você passará a olhar pela janela e ver muita área verde em sua volta. E não precisará mais sair da cidade e morar longe, gastando mais combustível, poluindo mais e sofrendo de stress só de pensar nas viagens diárias.

E você que projeta, cria, constrói; você que é arquiteto e que está preocupado com o impacto ambiental da sua obra, não esqueça que melhor do que aproveitar a energia elétrica de forma eficiente em um edifício inteligente é não precisar usá-la é deixar que a natureza faça isso. Melhor que coletar energia através de um painel solar para depois transformar em créditos para subsidiar a agricultura, é dar à natureza a chance de usar esta mesma energia de forma muito mais eficiente para produzir infinitos benefícios que nem podemos enumerar.

Precisamos mudar o mundo, precisamos mudar nossa cultura, precisamos deixar um legado de oportunidades para nossos filhos, e isso requer coragem, determinação, e acima de tudo humildade. Somos parte da natureza vamos trazê-la para nossos lares.

Vamos convidar a mãe natureza para morar com a gente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…