Pular para o conteúdo principal

Dia Internacional da Tolerância

Hoje é um dia de pensar não apenas na Arquitetura, mas pensar em como há tanta intolerância nos cercando. E justamente porque no dia 16 de novembro é o dia em que a ONU declarou como sendo o Dia Internacional da Tolerância. 
 "Do ponto de vista da sociedade, a tolerância é a capacidade de uma pessoa ou grupo social de aceitar outra pessoa ou grupo social, que tem uma atitude diferente das que são a norma no seu próprio grupo. Numa concepção moderna é também a atitude pessoal e comunitária de aceitar valores diferentes daqueles adotados pelo grupo de pertença original." Wikipédia
Embora a palavra tolerância já me soe como uma coisa ambígua, com um significado de que posso tolerar algo e não verdadeiramente compreender ou tentar me colocar no lugar de outro para entender o que eles pensa, sente, tenta expressar, não vou me deter em questões semânticas. A mensagem desse dia é muito maior.

Pessoas se isolam em grupos, tribos, ideias, religiões, partidos políticos, torcidas de futebol e se tornam algumas vezes extremamente rígidas. Toda rigidez é uma proximidade da morte. Nada é igual eternamente. A vida é mutável, a vida é estrada, a vida é ter a capacidade de reinvenção dia a dia. Nada contra ter posições firmes. Eu as tenho e as defendo. Mas vejam bem, defender com argumentos, não com agressões. Tem gente que usa da ironia para ofender. Usa de palavras de baixo calão para ferir. Estamos nós, sociedade, muito extremados algumas vezes.   
A discriminação se faz presente nessa época de atitudes politicamente corretas de formas variadas. Em piadas sem graça, em agressões verbais ou físicas, em perseguição em forma de bullying
1 - Todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, consciência e religião (Artigo 18);

2 - Todos têm direito à liberdade de opinião e expressão (Artigo 19)

3 - A educação deve promover a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações, grupos raciais e religiosos (Artigo 26) - Declaração Universal dos Direitos Humanos - Fonte


Talvez muitas dessas atitudes sejam por uma espécie de vácuo de ideais, uma transição na sociedade que estejamos atravessando. Uma das causas pode ser a extrema exposição a que todos estamos sendo vítimas e agentes. Ao mesmo tempo estamos sós, escrevendo em nossas casas, em nossos celulares, em nossos tablets, numa aparente conversa de dentro para dentro, mas estamos jorrando nosso eu para fora, expondo ao vento, ao ar e de uma tal maneira que nunca mais seremos donos de nossas ideias. Elas podem ser pegas, ser deturpadas, ser qualquer coisa. Pessoas se matam por terem exposto um pouco de sua intimidade sem pensar nas consequências. Antigamente, escrever num diário podia ser um motivo de risadas se fosse pego em mãos erradas. Eu mesma tive essa experiência quando leram o meu, em voz alta, para amigos comuns. Chorei dias. Semanas até. Mas era um circulo pequeno e caiu no esquecimento. Menos dentro de mim. Nem quero imaginar se isso fosse parar em um rede social da vida.

Essa transição talvez faça com que muitas pessoas se protejam entrando no seio de grupos. Esse é um comportamento social clássico. E se sintam fortes para entender que são melhores que outros que não estejam nesses grupos. O que essas pessoas muitas vezes não percebem é que se tornam muito semelhantes aos que destratam. O que vale nas pessoas é o que são, não o que dizem que são. Não existem gurus ou deuses, apenas os que colocamos em pedestais. Grandes pensadores foram homens iguais a nós, com as mesmas mesquinharias e grandezas. O que alguém pensou, escreveu e se tornou moda ou razão em uma época da humanidade pode não ser em todo verdade nos dias de hoje. Manter um distanciamento critico sempre é salutar. Até para não machucar quem não merece, os que sempre tem que colher as laranjas.

Em suma. Falta muito bom senso em muitas posições. Falta muito senso critico para não sair espalhando qualquer coisa que se ajuste às nossas convicções, sem checar a veracidade. Falta muita prática em muita teoria por aí. E principalmente falta tentar ver com outros olhos, mesmo que seja para reafirmar a sua verdade. Seja na vida pública ou privada. Me lembro um exercício que um terapeuta fazia com casais em crise. Cada um tinha que assumir o papel do outro e usar os argumentos do outro. Já testaram? É salutar.    

"Vamos lembrar que a tolerância começa com cada um de nós, todos os dias” Ban Ki-moon
  Autor : Elenara Leitão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que