Pular para o conteúdo principal

Coberturas Vivas - Sugestões para PDE de São Paulo

São Paulo sofre com a impermeabilização extremada de seu solo que, somada ao importe da água para consumo desde outras bacias hidrográficas, entre outros fatores, contribui para as enchentes nas quais os habitantes da cidade são vítimas constantemente.

Ora, a bacia hidrográfica paulistana, com tantos rios soterrados e superfície quase que totalmente impermeabilizada, ainda precisa lidar com o volume alheio de água importada, e precipitações que tem se apresentado cada vez mais fortes, e com características inéditas. Neste contexto é impossível lidar com o problema depois que o volume precipitado já alcançou o sistema de captação, mesmo que se multiplicassem os piscinões existentes. É preciso combater o problema antes (incluso ainda no âmbito particular), por um lado reduzindo o uso da água tratada, por outro absorvendo, retardando, e potencializando a evaporação da água precipitada.
FONTE
Objetivando mitigar este problema, muitas cidades tem elaborado leis preservando parcelas de solo permeáveis, e adotando incentivos para a adoção da solução de coberturas vivas, que além do seu papel na retenção da água precipitada, ainda oferece outras benesses, contribuindo no sequestro de carbono, e purificando o ar; impedindo a reflexão dos raios infravermelhos, agravante do efeito estufa; aumentando a umidade relativa do ar, em decorrência da evapotranspiração; amenizando a temperatura nas ilhas de calor; contribuindo na estética urbana com o visual paisagístico; retendo partículas do ar prejudiciais à respiração; e reduzindo o volume de água a ser drenada, minorando as enchentes urbanas.

Como demonstram os estudos elaborados a partir de prototipagem desenvolvida por ambientalistas da Divisão de Sanitária e Meio Ambiente do Instituto de Engenharia de São Paulo, uma cobertura viva com 55cm de altura pode reter até 52% do volume da água precipitada, retardando o início de seu escoamento em até 20 minutos, e levando este a cabo somente após 3 horas, com óbvios efeitos em relação às enchentes que invariavelmente acontecem, sempre que a precipitação excede a capacidade de escoo do nosso sistema.

Tramitam na Câmara de São Paulo projetos de lei tratando do assunto, que merecem mais atenção do Poder Público, ora por obrigar esta solução em detrimento de outras também ecológicas e importantes para o futuro da nossa cidade (como as coberturas de captação de energia solar, ou de eficiência passiva), ora por não exigir que estas áreas de solo criado se dêem em adição aos percentuais já obrigatórios para o solo existente, tornando o intento inócuo.

Em São Paulo, a adoção sistemática desta solução pela administração ofereceria novas áreas qualificadas, retalhos verdes na tessitura urbana que formariam um passivo positivo, capaz de ser alinhavado auxiliando na criação de uma nova camada de uso. Teria ainda efeito potencializado, se esta se utilizar de reuso e reciclagem de resíduos (especialmente com o recurso dos Equipamentos Móveis de Recuperação Urbana) na produção em parceria com a iniciativa privada de elementos pré-fabricados, não somente para seu próprio uso, mas também ofertados para a população em geral, com uma relação de custo benefício ambiental excelente, posto não só que hoje já existe produção paulistana baseada em reciclagem para todos os componentes necessários (até mesmo impermeabilizantes feitos a partir de pneus reciclados), como também que o incremento na atividade de reciclagem absorve mão de obra pouco qualificada, ainda gerando frutos de ordem cultural.


Fonte- Pinterest

A aplicação da solução em novas edificações pode se dar apenas a partir da obrigação legal, mas é na requalificação dos imóveis existentes que estão os maiores benefícios para a população, uma vez que a facilitação e incentivo pelo Poder Público, apoiado em legislação pró-ativa, também poderia instrumentar a inserção destas edificações na legalidade, interrompendo o perigoso processo de adensamento decorrente da expansão vertical na auto-construção, que é típica na cidade.

O esforço na direção do solo criado em pequenas parcelas isoladas pode parecer pouco efetivo, mas é preciso avançar na conscientização de que o problema é tão coletivo quanto sua solução.



Texto da SYNARQS com sugestões para a cidade de São Paulo mas que podem ser analisadas por e para outras cidades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…