Pular para o conteúdo principal

Sala de jantar para classe C - entrevista

Fui entrevistada pela jornalista Frances Baras para a revista Móbile Lojista sobre Salas de Jantar e Copas para classe C. Seguem as perguntas e respostas e a matéria que saiu revista 

  • Quais são os móveis imprescindíveis para compor a sala de jantar e a copa ideal? O que é fundamental pensar em termos de funcionalidade/beleza/conforto/espaço?
Falamos de um público que compra apartamentos cada dia mais compactos. E alguns com um agravante: são feitos com um tipo de estrutura que não permite quebra de paredes. Ou seja, não podemos usar mão de um dos grandes trunfos para aumentar um espaço: descompartimentalizar. Logo, recursos como usar as tão em moda cozinhas americanas não funcionam em todos os casos. Onde ele é possível, temos um ganho de espaço e a união dos conceitos de sala de jantar e copa com um ganho considerável em espaço. Mas onde ele não for viável, ainda seria interessante pensar em sala de jantar tradicional com cadeiras e um aparador imprescindível para apoio da mesa.

Uma característica que temos que levar em conta nessa nova classe C, que ascende no poder de consumo, é analisar como se dá o seu comportamento de compra. Ela tem um foco em produtos que sejam duráveis, já que não vão trocar com muita frequência, mas como sua aspiração é mais de inclusão que de diferenciação, o enfoque será em produtos com design mais elaborado, mas já estabelecido em outros setores mais abonados.

As compras não são feitas por impulso, mas por necessidade. Então móveis bonitos, funcionais, confortáveis, duráveis serão analisados e escolhidos. Embora o preço seja importante, ele não está à frente da qualidade. E outro fator que tende a se tornar cada dia mais elegível, móveis com sustentabilidade. Certificados e materiais verdes devem ganhar cada dia mais visibilidade na hora da escolha. Desde que sejam acessíveis ao bolso. 


Outro fato a ser levado em consideração é a multifuncionalidade. Móveis que possam exercer várias funções. Os espaços menores e o uso do trabalho em casa, via informática, faz com que mesas virem escritórios, que devem logo ser retransformadas em mesas e assim por diante.

  • Na sua avaliação, como as empresas fabricantes destes móveis em série evoluíram pensando nestes aspectos (funcionalidade/beleza/espaço) nos últimos anos?
Como o enfoque da qualidade passou a ser mais importante a cada ano, o cuidado com os materiais, acabamento e design também se tornou mais apurado por parte das empresas. Dos meros módulos que podiam ser componíveis, já que os espaços iam sendo montados de acordo com o orçamento doméstico e de algum aproveitamento de ideias externas, o projeto do produto passou a ser um dado importante. O design mais elaborado, mas sem esquecer as peculiaridades culturais e regionais conta ponto na hora da escolha. Falar uma linguagem que já esteja sendo usada pelas classes mais altas, mas sem imita-las. Redesenhar tendências com uma cultura mais brasileira pode ser um grande diferencial. E ganha quem apostar em projetistas nacionais que espelhem essa realidade.
  • Quais os materiais mais utilizados na fabricação destes móveis à venda no varejo?
Muitos dos móveis hoje no mercado usam materiais iguais ou semelhantes aos usados em móveis mais caros. Mas com um diferencial: são usados de maneira a baratear o produto final sem que ele perca muito em qualidade. Os móveis são em geral menores, mais estreitos, mais baixos (até em função dos espaços também). Lâminas usadas são mais finas, acabamentos usam as mesmas tonalidades mudando não a resistência, mas o preço. Há uma demanda por ferragens modernas que permitam gavetas deslizantes e multifunções. A tal história da qualidade em um preço acessível.
  • É possível falar em evolução do design nos lançamentos das indústrias de móveis seriados nos últimos anos, em razão das características e maior potencial de consumo da nova classe C?
Não sei se evolução seria a palavra chave já nesse momento. Ainda não vejo um verdadeiro projeto de produto sendo feito especificamente para essa parcela da população. Com algumas honrosas exceções. Um estudo detalhado das aspirações, necessidade e cultura dessa camada poderiam gerar produtos realmente inovadores que seriam não apenas acessíveis economicamente, mas também inovadores e criativos.

Como profissional que trabalha em interiores e reformas, acompanho o antes, o durante e o depois da escolha e compra dos móveis. E noto que nem todas as empresas dão a devida atenção para o pós venda. Estamos falando de um público emergente, mas bastante informado e exigente em serviços e atendimento. Não adianta fazer um produto bonito, mas que peque no acabamento ou montagem. Não adianta focar em preço e condições, se o cliente se sente abandonado após a compra se houver algum problema. Enfoque na produção para evitar retrabalho e eficiente atendimento pós venda são itens que podem ser um diferencial importante. E para o profissional de interiores, que já atende essa parcela da população, é um grande argumento de vendas.




Quer ler a matéria que saiu na revista? Está super interessante e além de mim, tem opinião da colega Arquiteta Kaisa Isabel Santos. Veja AQUI




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…