Pular para o conteúdo principal

Arquitetura e o usuário

Fala-se muito em satisfação do cliente e hoje mesmo li um texto sobre isso : "Quem precisa de um ofurô" onde uma jornalista questiona exatamente ao que é oferecido ao cliente final do mercado imobiliário e o quanto este é ainda pouco exigente em relação ao que importa em suas residências! Já estudava isso no mestrado em 1998! E me lembro que na época fazia a seguinte reflexão em uma lista de arquitetura. (A palavra "user" se refere ao usuário final e o "owner" é quem paga o arquiteto, o investidor.)   

Quem paga a conta é, em última análise, nós, sociedade, que pagamos os desperdícios, os retrabalhos em construção civil, principalmente os que não são medidos como, por exemplo, quando os usuários reformam as suas habitações para torná-las moráveis. E note que não estou falando em personalização, mas para contornar erros de projeto que poderiam ter sido evitados se o foco do projetista fosse a satisfação do "user" e não a do "owner".  
Mas para focar mais, quem paga a conta final é o "user" desconhecido que compra do nosso "owner". Se este último nos passou boas informações, o nosso projeto, acrescido de nosso bom senso e da nossa ética enquanto profissionais, deve estar de acordo com as necessidades do "user". E aí teremos edificações econômicas, adequadas ao nosso clima, entorno, cultura, etc, etc. Aquelas coisas que todo arquiteto sabe (ou deveria saber). Mas e se o nosso "owner" não conseguiu prospectar bem o seu mercado e nos oferece um programa de necessidades mínimo, é nosso dever para com o nosso "owner" nos adequarmos ou seriamos profissionais mais éticos com o nosso "owner" se lhe oferecêssemos soluções que se adequassem às necessidades de seus "users" ? Ou seja, quem nos paga o projeto espera de nós boas soluções para o seu mercado. Ou não ? E não somos todos solidários (inclusive perante o código de defesa do consumidor) nesta transação ? Somos nós que traçamos o projeto, que é considerado o vilão em falhas do processo construtivo, somos nós que especificamos os produtos, não deveríamos ter uma voz mais atuante junto ao nosso "owner" ? E quando projetamos não devemos esquecer que a equipe de produção deve receber um projeto em condições de construtibilidade, bem detalhado, um bom projeto de execução. Nesse ponto de vista, esta equipe é nosso cliente (não achei a definição americana apropriada), deve receber toda a nossa atenção, pois do seu bom rendimento vai resultar um bom produto para o nosso "owner", que normalmente é um cara que não gosta de desperdiçar o seu dinheiro - e por isso chora na hora de nos remunerar...

Não esquecendo que quem para nós é "user", para o nosso "owner" é "owner". E segundo a velha máxima capitalista: "cliente sempre tem razão".

E repare que eu não falei em personalização de apartamentos, mas em reparos de erros de projeto, baseados naqueles requisitos de desempenho que são aceitos como "exigências" do usuário em vários locais do mundo (adaptação à utilização, conforto, etc, etc). Estes erros são apontados em várias pesquisas de APO como causas de insatisfação do usuário e que, algumas vezes, são repetidos pelo arquiteto n vezes por puro desconhecimento. Culpa dele ? Talvez. Culpa maior de um sistema que nos leva a querer satisfazer acima de tudo ao nosso cliente pagante e a nos contentarmos em sermos uma pecinha muito pequena de uma cultura construtiva que vai perpetuando a ideia, baseada também em renomados autores, que a maior parcela de falhas na construção decorrem do projeto arquitetônico. E quem o faz ? Como querer então que a sociedade nos respeite como profissionais que trarão soluções aos seus problemas, se formos somente profissionais preocupados com o resultado imediato para o nosso cliente pagante ? É nesse sentido que eu vejo que para nos inserirmos em um processo moderno na construção temos sim que ter a preocupação com quem é o usuário que vai ocupar o que projetamos, até para podermos projetar melhores produtos para o incorporador. Note que eu não estou dizendo que financiemos pesquisas de APO, isto é função do incorporador. Estou dizendo que devemos tomar mais contato com a obra concluída, com os usuários finais, conversar com quem conversa com eles (diretores de obra, mestres, até mesmo corretores) até para que saibamos quais soluções construtivas podem ser as melhores. 


E se isso já era realidade no século passado, imagine agora onde ainda discutimos e percebemos que muitos projetos não se adequam às necessidades do usuário. Por isso super pertinente esse livro que o Oscar Muller me passou como dica e que já está na minha lista de desejos.

"O livro Arquitetura sob o olhar do usuário, escrito pelos professores da Faculdade de Arquitetura da Universidade Tecnológica de Delft (Holanda), Theo J. M. van der Voordt e Herman B. R. van Wegen, esclarece a importância da Arquitetura centrada no usuário, sob uma perspectiva histórica, dos mais diferentes tipos de edifícios, como prédios empresarias, hospitais e moradias, entre outros. Permite a arquitetos, docentes, pesquisadores e estudantes o aprendizado de uma Arquitetura voltada às necessidades do ser humano, sem se distanciar do olhar estético. "
Interessante não ???? Veja mais sobre o livro AQUI
Quer ler um pouco do livro? Clique AQUI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi