Pular para o conteúdo principal

Poluição urbana é caso de saúde pública


Cities

Cities por lenarastein 

Li uma entrevista do Professor Paulo Saldiva sobre os problemas causados pela poluição urbana. Que eles são grandes, todos sabemos, mas ao olhar em forma de números nos assustamos mais ainda porque eles vem aumentando ano a ano. E são fruto de nossas escolhas como sociedade.
Um dado estarrecedor é que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição urbana é a causa da morte de mais de 1 milhão de pessoas/ano no mundo. Sendo que idosos, crianças, gestantes, pessoas que tem problemas cardíacos e/ou respiratórios e camadas mais pobres que são mais expostas são os maiores atingidos.

Duas causas foram apontadas pelo Dr Saldiva como agravantes do problema: o caráter segregador da ocupação do solo nas metrópoles e a falta de políticas públicas que privilegiem o transporte público.É só ficarmos no meio de uma engarrafamento, tão comum em nossas cidades, para sentirmos isso. 

Abaixo coloco um infográfico que mostra claramente como uma sociedade que privilegia o transporte individual contribui para os engarrafamentos constantes. É só ver o espaço que ocupam carro, ônibus e bicicletas para transportar o mesmo número de pessoas. Além de comparações de custo de combustível e peso/morto deslocado. Tudo bem, a economia tem as suas razões que sabemos bem nem sempre são compatíveis com crescimentos mais saudáveis. Indústrias automobilísticas geram empregos e impostos. Muitos empregos e impostos. E isso sensibiliza as decisões políticas.Mas temos que estar atentos para outros dados porque, segundo a entrevista, o problema em saúde pública gerado pela poluição também é considerável: 
"Aproximadamente 12% das internações respiratórias em São Paulo são atribuíveis à poluição do ar. Um em cada dez infartos do miocárdio são o produto da associação entre tráfego e poluição. Os níveis atuais de poluição do ar respondem por 4 mil mortes prematuras ao ano na cidade de São Paulo. Trata-se, portanto, de um tema de saúde pública."

Além de políticas públicas que privilegiem um transporte público eficiente e de qualidade, outras medidas foram apontadas pelo professor como o "aumento da cobertura vegetal – que funciona como fator de redução de poluição –, medidas de readensamento urbano nas regiões centrais das cidades e políticas de incentivo aos combustíveis menos poluentes."

Vejam a íntegra da entrevista AQUI.

Algumas outras coisas podem ser feitas, na figura acima, algumas dicas para nos proteger da poluição que nós causamos em nossas cidades e que tanto nos faz mal.   

Na figura abaixo, um infográfico interativo que ajuda a comparar dados de mobilidade de capitais brasileiras. Nele se pode ver indicadores que mostram a posição que nossas cidades ocupam em estrutura cicloviária e menos mortes no trânsito, por exemplo. Isso é bom para fiscalizarmos e exigirmos mais atitudes de nossos governantes.  

E que outras atitudes podemos tomar?  Exigir políticas de mobilidade urbana eficientes, exigir políticas de prevenção à poluição do ar, de ruídos, visual. 

E nós? Refletir o que de nossas atitudes e escolhas diárias está contribuindo para agravar o problema. Usar o carro diariamente e individualmente agrava. Cortar árvores agrava. Sujar a cidade agrava (aquele papel ou batom usado jogado da janela do carro, polui sim, além de mostrar publicamente que você é uma pessoa que não é civilizada, não importa o dinheiro que tenha). Ser desrespeitoso no trânsito, nas ruas, na convivência urbana agrava. E muito. Buzinar na frente de um hospital é selvagem. Passar um sinal vermelho ou dobrar onde não pode não faz de você um cara esperto. Ao contrário, revela o quanto é burro e sem educação para viver em sociedade. Cidades saudáveis se fazem com pessoas civilizadas e inteligentes. Sejam governantes ou cidadãos. Façamos a nossa parte. 


 Fonte
Fonte

Fonte

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi