Pular para o conteúdo principal

Carlos Magno, cordel e escondidinho com linguiça

 
Carlos Magno
Vou aproveitar o mote de um desafio do instagram que estou fazendo esse mês, o fmsphotoday   e mostrar para vocês uma das coisas que me faço para me divertir. 

De vez em quando vou a uma atividade cultural no Studio Clio. É muito divertido, a gente aprende bastante, come e bebe bem e de quebra ainda acaba conhecendo gente bacana e interessante. Quer mais?

Esse último foi sobre  Carlos Magno.

" A figura de Carlos Magno, o “imperador da barba florida” projetou-se na memória do Ocidente. Modelo do rex cristianissimus, do líder cruzado e do santo guerreiro, foi lembrado em crônicas, anais, textos hagiográficos, canções de gesta e novelas de cavalaria. Do antigo Reino dos Francos à Península Ibérica, e de lá para o Brasil, a memória carolíngia foi alimentada por romancistas e cantadores, e suas façanhas são apreciadas e difundidas nas cavalhadas, na literatura de cordel e neste Banquete Clio, que será conduzido pelo medievalista prof. Dr. José Rivair Macedo"

Império de Carlos Magno
O assunto já parecia bem interessante, mas a palestra superou todas as expectativas. Eu já tinha lido bastante sobre Carlos Magno e sua importância na história mundial, mas nunca tinha me dado conta o quanto a sua memória tinha perdurado em forma de tradição oral, passada de boca a boca, e contada e vibrada como se fosse um folhetim atual para quem as ouvia. As canções e livros foram passando de pais a pais e pararam acá em terras ultramarinas. 

E comecei a lembrar de coisas que tinha vivido, ouvindo as palavras do professor Rivair. 

Cavalhada
Uma vez, quando tinha uns dez anos, fomos ao interior do Rio Grande do Sul, em uma cidade serrana, ver uma cavalhada. Esses embates entre mouros e cristãos que reproduzem as lutas dos cruzados, um dos aspectos da memória de Carlos Magno que foi lembrada na palestra. E por coincidência hoje no rádio escuto uma música muito conhecida dos gaúchos que fala da tradição da bombacha e me dou conta que ela fala dessas lutas também, para ressaltar a origem moura do traje típico gaúcho. Ouçam a música AQUI.

Livros do Acervo de Paulo de Oliveira Leitão
As canções de gesta e as histórias dos 12 pares de França acabaram por perpetuar a memória desse imperador, fazendo com que ele sobreviva e ganhe novos significados em tempos e locais que o personagem histórico jamais poderia imaginar. Eram uma das histórias prediletas de Antônio Conselheiro, de Canudos. E foram influenciar a formação dos revoltosos de Contestado. Vejam nesse artigo Carlos Magno e o Contestado.  

Essa revolta do Contestado é um acontecimento relativamente pouco falado para o público em geral. 

Aconteceu no início do século XX em Santa Catarina e foi marcado pelos chamados monges barbudos (dizia-se que existiam mais de um que apareciam sob o nome de José Maria) e pelo uso do avião no combate aos revoltosos. Esse assunto tem para mim um significado especial porque meu pai teve uma vez uma ideia de fazer um documentário sobre o assunto. E isso muito antes do filme do Silvio Back.  Em função disso temos aqui em casa uma boa literatura sobre o conflito.


Carlos Magno
E para terminar a brilhante palestra ouvimos uma canção do CD Carlos Magno em Cantoria e que não consegui achar em vídeo ou áudio para colocar aqui.    

Uma vez ouvi que uma pessoa só morre de verdade quando não é mais lembrada. Os heróis são de certa maneira imortais justo porque continuam a povoar nossas mentes, nossa história e nossas ações com seus feitos e mitos. Vejam um delicioso estudo feito sobre esse tema em uma turma de 6 série que resultou em desenhos e poemas sobre o Sistema Feudal Europeu e o Cordel 




Satisfeita a mente, passamos ao banquete. Uma mesa com oito pessoas, até aquele momento desconhecidas, mas que ao final da noite já eram velhas amigas, conversando, rindo e altamente satisfeitas.

Gastronomia de Leonardo Magni e Liliana Andriola.

Cardápio
Coquetel de boas-vindas

Coxinha da asa cozida lentamente no vinho tinto
Falafel recheado com vatapá
Escondidinho de mandioquinha com ragú de linguicinha italiana (uma palavra especial: esse acepipe era dos Deuses!!!!!) e por isso mereceu um realce no título, e nem deu tempo de fotografar...

Entrada
Moqueca medieval com pão de aveia e uvas passas
Bordeaux Blanc Bellevie Chateau Franc Couplet
Região: Bordeaux, França


Prato principal
Codorna braseada com molho de morcella, purê de ervilha e farofa de ervas e castanhas
Saint Emilion Chateau Bellegrave
Região: Bordeaux, França


Sobremesa
Cartola de figo com sorvete de rapadura
Espumante Ponto Nero Brut
Região: Serra Gaucha, Brasil



Studio Clio

E você? O que faz para se divertir? Conta aqui prá gente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …