Pular para o conteúdo principal

Banquete na Torre de Babel

Fonte
O que fazer em uma quinta a noite de janeiro em Porto Alegre? 

Conhecer um pouco mais a Babilônia, sua escrita e seu cotidiano. E tudo isso regado a bons vinhos, excelente comida e ainda conhecendo pessoas cultas e interessantes. 

Como? 

Indo a um Banquete Clio.

Quando se fala em Babilônia logo nos vem a mente os jardins suspensos. Ao lado uma representação do que se imagina que tenham sido. Mas não foi sobre eles que a Dra. Kátia Pozzer nos falou e sim sobre a escrita e de como se formavam os verbos ou palavras a partir de outras. Algo assim como pegar os símbolos de boca e mão e gerar o verbo - rezar ou orar. E uma das mais lindas, o que seria a descrição de um chefe de cozinha: aquele que torna uma comida bonita. Perfeito!
E através dessa descrição nos passava um pouco da cultura daquele povo. 

Porta de Ishtar
Eu sou uma apaixonada por História, principalmente a história do cotidiano, de como a gente pode sentir que se formavam as sociedades, como elas viviam, o que valorizavam. Não consigo conceber estudar uma obra ou uma cidade sem a situar na sua cultura e no seu tempo.

Uma relação muito interessante que ouvi lá é que as portas (e Babilônia tinha várias) representavam para as cidades mesopotâmicas o mesmo que a Ágora para as gregas. Era o ponto de reunião, o compartilhamento. E eram majestosas ! Os povos desse local inventaram a técnica do tijolo esmaltado (a origem dos azulejos que veio até nós brasileiros via Portugal que o herdou dos árabes que habitaram as regiões próximas). 


Zigurate inspirou a sobremesa
As construções mais conhecidas para nós são os zigurates. Montanhas de tijolos, com uma imensa escadaria, que levava a um templo na parte superior. Esses prédios tinham como objetivo aproximar homens e deuses, tornar possível a que esses últimos pudessem descer com maior facilidade para cuidar dos humanos.

A comida era refinada, a base de grãos e existem muitas indicações de receitas da época. Vimos imagens de conjuntos de mesa, inclusive uma panela coador, já que muitas de suas comidas exigiam que se tirasse o caldo. Sua bebida básica era a cerveja. E o vinho era um alimento nobre e representado pela simbologia do bem viver. 

Impressionante o apuro dos objetos, dos afrescos em alto relevo. Uma civilização fantasticamente sofisticada.

Palestrante - Dra. Kátia Pozzer Cidades Mesopotâmicas - História e Representações

E após a palestra fomos brindados com um banquete maravilhoso, cujas fotos e descrição coloquei abaixo.      


Gastronomia - Leonardo Magni e Liliana Andriola.

Cardápio

Coquetel de boas-vindas | Portal de Ishtar

Espetinho de tâmara e bacon
Tostada de queijo de cabra e maçã confitada
Espetinho de porco, repolho e cebola cristal

Entrada | Salada Assíria

Salada de grãos, peixe branco curado, avelãs e frutas secas com vinagrete de romã
Harmonização: Riesling Trocken Anselmann | Vinícola: Anselmann – Pfalz, Alemanha

Prato principal | Risoto Babilônia

Risoto de camembert com uvas frescas, amêndoas e lascas de cordeiro
Harmonização: Rejadorada Roble | Vinícola: Bodega Rejadorada – Toro, Espanha

Sobremesa | Delícias de Nínive
Crocante de mel, sorvete de iogurte com passas de pera Harmonização: Espumante Joaquim Blanc de Noir Brut | Vinícola: Villa Francioni – São Joaquim, Brasil


E uma das coisas mais bacanas desses encontros é a oportunidade de conhecer pessoas fantásticas já que as mesas são de dez lugares. Ontem fui sozinha e ao final da sobremesa já tinha conversado e descoberto dicas ótimas que compartilho com vocês:

  • Um site de História que uma professora usa para auxiliar as aulas com vídeos e artigos muito bons -  http://www.historiadigital.org/ 
  • A existência de um Museu Egipcio em Curitiba  
  • Uma coleção de arqueologia, inclusive egípcia, no Museu Nacional do RJ
  • Relatos de viagens ao Parque Nacional da Serra da Capivara, um paraíso para quem quer conhecer a real história rupestre do Brasil. 
  • Uma indicação de livro:  A CARNE E O SANGUE - A imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos um romance histórico sobre os personagens da história brasileira
E fica aqui uma pergunta: Aprender História não deveria sempre ser uma atividade lúdica, algo que desperte todos os sentidos? Não precisa ser um banquete sempre, mas usar recursos que despertem a curiosidade, o interesse, o se sentir dentro dos acontecimentos?


Fontes das fotos http://marciag-arte.blogspot.com.br/2010/04/arte-mesopotamica.html
http://rlpsiqueira.blogspot.com.br/2010/05/porta-de-ishtar.html
Fotos do banquete Elenara Stein Leitão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi