Pular para o conteúdo principal

O Plano dos bebês brancos - atitudes sustentáveis


E antes que vocês achem esse nome politicamente incorreto, ele vem de uma movimento de jovens holandeses na década de 60, os Provos, que acreditavam na ação comunitária e libertária como uma maneira de mexer e mudar o statos quo. O nome pelo que vi na internet, veio em contraponto às galinhas azuis (maneira como eram conhecidos os policiais holandeses). Eles começaram espalhando galinhas brancas. E depois vieram outras ações "brancas". Uma delas se espalhou pelo mundo, não bem como eles imaginavam, mas hoje se vem bicicletas à disposição de muitas pessoas mediantes uma pequena taxa ou inscrição. O que eles imaginavam era um pouco (bem) diferente nos planos brancos. Veja AQUI


Enfim, o Rafael Renehr é um médico, super gente fina, que acredita em ações concretas e comunitárias para sensibilizar e transformar o mundo. E com o nascimento do Conrado, seu segundo filho, ele está propondo as ações abaixo, que achei fantásticas e quis compartilhar com vocês porque:


_ Estamos comemorando o Natal. Que é : O nascimento de uma criança. E se a gente fizer essa comemoração com algumas das ações propostas pelo Rafael ? O que acham ? E adoraria se contassem aqui, nos seus blogs, por e-mail o que vocês fizeram para que esse nascimento fosse um hino ao crescimento de todos nós. 




O Plano dos Bebês Brancos (uma homenagem ao nascimento do Conrado)

Levando em conta que o nascimento de um bebê quase sempre é uma festa (mas sempre é um evento digno de nota), que mexe com a vida da família, amigos e muitas vezes vizinhos, pensamos em aproveitar este momento para mobilizar essa pequena multidão em direção a algo proveitoso para o bem de todos.

Cada vez que um bebê nascer, e como prova de que este bebê é bem-vindo e que a comunidade em torno dele está preparada para recebê-lo, nutri-lo e ajudá-lo a desenvolver de forma sustentável, os pais, a família, os vizinhos e amigos devem formar uma equipe que deverá, no menor tempo possível, concluir as seguintes tarefas:

1. Plantar uma árvore e dar a ela o nome do recém-nascido

2. Escrever uma canção em homenagem ao bebê ou então, pelo menos, cantar uma canção para o bebê, em alto e bom som - esta vai ser, por alguns anos, "a música do bebê"

3. Fazer a doação de uma ou mais horas de trabalho comunitário - por pessoa - para ajudar o bairro ou localidade a se desenvolver de forma equânime e sustentável - o trabalho pode ser algo como manutenção de uma praça ou parque, ensinar algo em uma escola do bairro, de forma voluntária, ajudar a preparar uma festa comunitária ou ainda bolar uma iniciativa do tipo “cachorro-quente nas tardinhas de sexta”, na pracinha do bairro, para as crianças que estão por lá brincando - cada pessoa que espontaneamente fizer algo nas próximas semanas e dedicar ao bebê, deve comunicar aos pais para que estes possam registrar o ato e, um dia, comunicar ao bebê o que foi feito na comunidade em homenagem à sua chegada

4. Pelo menos 5 pessoas ligadas ao bebê precisam sair do conforto e da inércia e se dedicar a aprender algo novo. Isso pode ser algo como fotografar, cozinhar ou até mesmo - porque não - aprender a trocar fraldas ou dar banho em bebês. Estas pessoas deverão então escrever uma cartinha ao bebê, contando como foi a experiência de ter aprendido algo novo. O bebê guardará as cartinhas para ler quando for maior. Elas serão a prova de que o ser humano sempre pode aprender mais, bastando para isso um bom estímulo


Toda vez que esse ritual se repetir, a cada novo nascimento, estaremos cantando em coro a convivialidade e o pedaço em nós que nos faz humanos. 

Este "plano" é open-source, pode ser replicado por qualquer família ou grupo de amigos, foi inspirado no coletivo PROVO, de Amsterdam e foi preparado especialmente para o encontro do grupo Amadores de Palavras, em homenagem ao meu filho recém-nascido, Conrado.

Quem é Rafael Reinehr - autor dessas palavras aí de cima

Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n