Pular para o conteúdo principal

S.O.S Monumento - uma saga contra as pichações

SOS Monumento
Acabei de ler o livro S.O.S. Monumento - causas e soluções da restauradora Alice Prati. É uma verdadeira saga a história de cinco anos de pesquisa sobre a degradação de monumentos públicos, suas causas e possíveis soluções, relatadas numa linguagem emocionante e cheia de paixão. 


Antes de mais nada cabe esclarecer que não trabalho com patrimônio histórico e o que conheço sobre essa área vem da época da faculdade quando auxiliei colegas que acabaram se especializando nessa área. Mas sou uma moradora da cidade (Porto Alegre) , sou arquiteta e por isso mesmo tenho uma visão um pouco mais acostumada a trabalhar com espaços e arte. E digo com certeza, pessoal e profissional, que a leitura desse livro, que nos relata a experiência de um trabalho de conservação e conscientização de monumentos públicos, é muito interessante. E mais, indispensável para que entendamos melhor o porque nosso ambiente cultural não é tratado com carinho e cuidados. 


Me lembro bem da época em que os fatos relatados aconteceram. O SOS Monumento foi uma parceria entre o atelier de Alice Prati, empresas privadas e poder público para não apenas limpar, mas através dessa limpeza questionar e conscientizar a população para a importância da conservação do patrimônio da cidade. 
Código: 2167 - MEIO AMBIENTE - 17/11/2005 Secretaria Municipal do Meio Ambiente estabelece nova parceria com o Atelier de Restaurações Alice Prati para recuperar o Monumento ao Expedicionário, localizado no Parque Farroupilha. Foto: Ricardo Stricher / PMPA
     
Vários monumentos da cidade de Porto Alegre foram higienizados e isso provocou manchetes e polêmicas. Não vou entrar nessa seara, ela é descrita no livro também. O que me chama a atenção, como pesquisadora, é o relato de como as coisas se passaram, com minúcias de detalhes e informações, e como se processou uma pesquisa não formal (ou melhor dizendo não acadêmica) do que leva pessoas, ou bandos de pessoas, a picharem obras que deveriam ser consideradas seu patrimônio pessoal, sua herança cultural, sua história. Esse não academicismo faz com que a leitura seja muito mais gostosa porque através dela vivenciamos fatos reais, acontecimentos que nos fazem rir alguns, nos preocupam outros, mas todos expressão da vida real.

Código: 9904 - MEIO AMBIENTE - 13/02/2007 Programa SOS Monumento, parceria da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) com o Atelier Alice Prati de Restaurações, realiza uma vigília de 24 horas na Praça Itália, ao lado do Shopping Foto: Octacilio Dias / PMPA



Os técnicos passaram noites ao lado dos monumentos, numa vigília que nos é relatada com humor e ternura e nos faz sentir o que se passa nas noites da capital, aos pés de nossos heróis... São cinco anos de  trabalhos, alguns sob as luzes das manchetes e condecorações. Outros mais reclusos, como uma necessidade de um olhar mais íntimo e reflexivo. 
Código: 5813 - EDUCAÇÃO - 22/08/2006 Projeto "Conscientização pela preservação do patrimônio e grafitagem como forma de manifestação artística" Local: Escola Municipal de Educação Básica Liberato Salzano Vieira da Cunha Na foto: Artista Alice Prati, integrante do projeto SOS Monumento Foto: Ivo Gonçalves / PMPA
E o lado mais importante ao meu ver. Além das limpezas, houve palestras em escolas em um trabalho de educação e aprendizado conjunto. Debates com alunos, nem sempre propensos a escutar, mas que resultaram em uma rica experiência sobre o comportamento de uma camada da população mais jovem. E há no livro uma extensa caracterização de quem são os pichadores, como se comportam e o que poderia ser feito para minimizar esse problema que tanto prejudica nossas obras urbanas.


Tudo isso é relatado numa linguagem coloquial, muito bem escrita, com paixão, com alguns extremos às vezes, mas sempre mostrando de forma clara como o trabalho se processou, que soluções trouxe como contribuição, e que mostra que algo precisa ser feito urgentemente para que a cultura não seja relegada a um plano secundário na ordem de importância das coisas urbanas.   


Se as (boas) soluções apontadas vão ser implementadas ou não, não sei.   Mas que a leitura desse livro contribui para o debate urbano e merece estar na biblioteca de quem se interessa por arte e cidadania, isso sim posso garantir. Mostra que nem sempre as soluções precisam ser caras e nem precisam ser feitas apenas pelo poder público. É uma obra que se expõe sem medo. Como devem ser as sagas.


Quer saber mais ? Veja AQUI


E eu vou complementar com uma frase que li num jornal local:


"Não existem pessoas irrecuperáveis. Existem métodos inadequados de tratamento" 


Maria Ribeiro da Silva Tavares - Assistente social - 100 anos ainda trabalhando com apenados em Porto Alegre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que