Pular para o conteúdo principal

S.O.S Monumento - uma saga contra as pichações

SOS Monumento
Acabei de ler o livro S.O.S. Monumento - causas e soluções da restauradora Alice Prati. É uma verdadeira saga a história de cinco anos de pesquisa sobre a degradação de monumentos públicos, suas causas e possíveis soluções, relatadas numa linguagem emocionante e cheia de paixão. 


Antes de mais nada cabe esclarecer que não trabalho com patrimônio histórico e o que conheço sobre essa área vem da época da faculdade quando auxiliei colegas que acabaram se especializando nessa área. Mas sou uma moradora da cidade (Porto Alegre) , sou arquiteta e por isso mesmo tenho uma visão um pouco mais acostumada a trabalhar com espaços e arte. E digo com certeza, pessoal e profissional, que a leitura desse livro, que nos relata a experiência de um trabalho de conservação e conscientização de monumentos públicos, é muito interessante. E mais, indispensável para que entendamos melhor o porque nosso ambiente cultural não é tratado com carinho e cuidados. 


Me lembro bem da época em que os fatos relatados aconteceram. O SOS Monumento foi uma parceria entre o atelier de Alice Prati, empresas privadas e poder público para não apenas limpar, mas através dessa limpeza questionar e conscientizar a população para a importância da conservação do patrimônio da cidade. 
Código: 2167 - MEIO AMBIENTE - 17/11/2005 Secretaria Municipal do Meio Ambiente estabelece nova parceria com o Atelier de Restaurações Alice Prati para recuperar o Monumento ao Expedicionário, localizado no Parque Farroupilha. Foto: Ricardo Stricher / PMPA
     
Vários monumentos da cidade de Porto Alegre foram higienizados e isso provocou manchetes e polêmicas. Não vou entrar nessa seara, ela é descrita no livro também. O que me chama a atenção, como pesquisadora, é o relato de como as coisas se passaram, com minúcias de detalhes e informações, e como se processou uma pesquisa não formal (ou melhor dizendo não acadêmica) do que leva pessoas, ou bandos de pessoas, a picharem obras que deveriam ser consideradas seu patrimônio pessoal, sua herança cultural, sua história. Esse não academicismo faz com que a leitura seja muito mais gostosa porque através dela vivenciamos fatos reais, acontecimentos que nos fazem rir alguns, nos preocupam outros, mas todos expressão da vida real.

Código: 9904 - MEIO AMBIENTE - 13/02/2007 Programa SOS Monumento, parceria da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) com o Atelier Alice Prati de Restaurações, realiza uma vigília de 24 horas na Praça Itália, ao lado do Shopping Foto: Octacilio Dias / PMPA



Os técnicos passaram noites ao lado dos monumentos, numa vigília que nos é relatada com humor e ternura e nos faz sentir o que se passa nas noites da capital, aos pés de nossos heróis... São cinco anos de  trabalhos, alguns sob as luzes das manchetes e condecorações. Outros mais reclusos, como uma necessidade de um olhar mais íntimo e reflexivo. 
Código: 5813 - EDUCAÇÃO - 22/08/2006 Projeto "Conscientização pela preservação do patrimônio e grafitagem como forma de manifestação artística" Local: Escola Municipal de Educação Básica Liberato Salzano Vieira da Cunha Na foto: Artista Alice Prati, integrante do projeto SOS Monumento Foto: Ivo Gonçalves / PMPA
E o lado mais importante ao meu ver. Além das limpezas, houve palestras em escolas em um trabalho de educação e aprendizado conjunto. Debates com alunos, nem sempre propensos a escutar, mas que resultaram em uma rica experiência sobre o comportamento de uma camada da população mais jovem. E há no livro uma extensa caracterização de quem são os pichadores, como se comportam e o que poderia ser feito para minimizar esse problema que tanto prejudica nossas obras urbanas.


Tudo isso é relatado numa linguagem coloquial, muito bem escrita, com paixão, com alguns extremos às vezes, mas sempre mostrando de forma clara como o trabalho se processou, que soluções trouxe como contribuição, e que mostra que algo precisa ser feito urgentemente para que a cultura não seja relegada a um plano secundário na ordem de importância das coisas urbanas.   


Se as (boas) soluções apontadas vão ser implementadas ou não, não sei.   Mas que a leitura desse livro contribui para o debate urbano e merece estar na biblioteca de quem se interessa por arte e cidadania, isso sim posso garantir. Mostra que nem sempre as soluções precisam ser caras e nem precisam ser feitas apenas pelo poder público. É uma obra que se expõe sem medo. Como devem ser as sagas.


Quer saber mais ? Veja AQUI


E eu vou complementar com uma frase que li num jornal local:


"Não existem pessoas irrecuperáveis. Existem métodos inadequados de tratamento" 


Maria Ribeiro da Silva Tavares - Assistente social - 100 anos ainda trabalhando com apenados em Porto Alegre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n