Pular para o conteúdo principal

Como você projeta ?


Estou relendo o livro Das coisas nascem coisas de Bruno Murari (lembrança feliz do LD Paulo Oliveira ). É um livro que fala sobre metodologia de projeto. E uma coisa é básica em qualquer método que se use para conceber um produto, um espaço, uma ideia. Conhecer. Esmiuçar. Ir na âmago da questão (essa eu tirei do fundo bau).

Sabe o artista que vai interpretar um papel. Ele faz laboratório (ou deveria fazer). Ele aprende o que o personagem faz, ele procura viver no meio de gente que faz o que o personagem faz. E quanto mais ele souber como o personagem age, mais perfeito vai ficar a sua atuação. Conhecer e estudar também faz parte do talento. Lógico que quem tem mais talento talvez possa dar uma resposta mais genial, mais criativa, mais sublime, mas talento sem estudo e aprofundamento também pode produzir coisas que não tenham lá muita utilidade prática...

Pois projetar espaços, micro ou macro, e/ou objeto que vão compor esses espaços exige muito conhecimento. Uma das grandes lições que tive na escola de Arquitetura foi com os meus erros. Normalmente eles são grandes professores porque marcam a gente. Me lembro de duas coisas que projetei mal prá caramba em um projeto da graduação: lavanderia e estacionamento. E na ocasião eu passava longe de um tanque e não sabia dirigir. Aliás foi bem essa pergunta que um professor me fez: Tu não dirige não é mesmo? E nunca me esqueci disso. Para projetar algo tem que se saber como esse algo funciona. Simples ? Nem sempre. Nem sempre temos tempo para aprofundar o tanto que se precisa. Nem sempre entendemos que a nossa experiência de espaço é a mesma do cliente. As vezes corremos o risco de tentar partir para a solução sem esmiuçar o problema e sem analisar todas as suas variantes. E levar em conta os famosos condicionantes. Que são exatamente aquilo que te limita. Orientação solar, tipos  de material disponíveis  orçamento do cliente, plano diretor, códigos de obra, da Anvisa, normas técnicas e mais uma gama de coisas que todo bom projetista sabe que tem que levar em conta e nem sempre o cliente está a par. Mas para isso mesmo que nos contratou, não é verdade ?

Para mim o projeto parte muito dessas etapas: conhecimento e condicionantes. E o bolo da cereja, a diferença da solução parte do que chamo de bagagem. Bagagem é o que acumulei de experiência, erros e acertos, coisas que vejo e pesquiso, viagens, livros, revistas, internet, conversas, anos de prática profissional e personalidade própria (minha maneira de ver e conceber o mundo). E por isso cada profissional tem a sua resposta, o seu custo e o seu valor de honorários. 

E você, como concebe seus projetos ?   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …