Pular para o conteúdo principal

Como você projeta ?


Estou relendo o livro Das coisas nascem coisas de Bruno Murari (lembrança feliz do LD Paulo Oliveira ). É um livro que fala sobre metodologia de projeto. E uma coisa é básica em qualquer método que se use para conceber um produto, um espaço, uma ideia. Conhecer. Esmiuçar. Ir na âmago da questão (essa eu tirei do fundo bau).

Sabe o artista que vai interpretar um papel. Ele faz laboratório (ou deveria fazer). Ele aprende o que o personagem faz, ele procura viver no meio de gente que faz o que o personagem faz. E quanto mais ele souber como o personagem age, mais perfeito vai ficar a sua atuação. Conhecer e estudar também faz parte do talento. Lógico que quem tem mais talento talvez possa dar uma resposta mais genial, mais criativa, mais sublime, mas talento sem estudo e aprofundamento também pode produzir coisas que não tenham lá muita utilidade prática...

Pois projetar espaços, micro ou macro, e/ou objeto que vão compor esses espaços exige muito conhecimento. Uma das grandes lições que tive na escola de Arquitetura foi com os meus erros. Normalmente eles são grandes professores porque marcam a gente. Me lembro de duas coisas que projetei mal prá caramba em um projeto da graduação: lavanderia e estacionamento. E na ocasião eu passava longe de um tanque e não sabia dirigir. Aliás foi bem essa pergunta que um professor me fez: Tu não dirige não é mesmo? E nunca me esqueci disso. Para projetar algo tem que se saber como esse algo funciona. Simples ? Nem sempre. Nem sempre temos tempo para aprofundar o tanto que se precisa. Nem sempre entendemos que a nossa experiência de espaço é a mesma do cliente. As vezes corremos o risco de tentar partir para a solução sem esmiuçar o problema e sem analisar todas as suas variantes. E levar em conta os famosos condicionantes. Que são exatamente aquilo que te limita. Orientação solar, tipos  de material disponíveis  orçamento do cliente, plano diretor, códigos de obra, da Anvisa, normas técnicas e mais uma gama de coisas que todo bom projetista sabe que tem que levar em conta e nem sempre o cliente está a par. Mas para isso mesmo que nos contratou, não é verdade ?

Para mim o projeto parte muito dessas etapas: conhecimento e condicionantes. E o bolo da cereja, a diferença da solução parte do que chamo de bagagem. Bagagem é o que acumulei de experiência, erros e acertos, coisas que vejo e pesquiso, viagens, livros, revistas, internet, conversas, anos de prática profissional e personalidade própria (minha maneira de ver e conceber o mundo). E por isso cada profissional tem a sua resposta, o seu custo e o seu valor de honorários. 

E você, como concebe seus projetos ?   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...”
Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll
Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer.
Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver.
De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes.

Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam objetos…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…