Pular para o conteúdo principal

Casa Sustentável e o exemplo da leitura

Foto Arq. Elenara Stein Leitão
Esse ano aconteceu uma exposição muito legal em São Paulo, a Casa Sustentável. Ali se mostravam as diferenças que as casas, e o modo de vida que a gente leva nelas, vem sofrendo de acordo com as décadas e a tecnologia que vai avançando. E também como usar a casa de maneira mais sustentável. A Samantha do blog A Vida como a Vida quer fez uma reportagem bem legal sobre ela, contando como foi a visita e promovendo um  sorteio de dois livros para quem comentasse como fazia na sua casa e na sua vida para promover a sustentabilidade caseira. Vários comentários legais mostram como as pessoas tem hábitos bons e que podem ser copiados no dia a dia. Vale a pena dar uma passada lá (veja no link acima) e conferir. Abaixo coloco o meu comentário:

... Aqui em casa a gente cresceu com noção de economia : se economiza luz e água antes de isso virar um hábito sustentável. Se usava a folha de trás das propagandas e papéis usados porque o pai sempre fez isso e dizia que era importante, assim como os lápis até o fim. A gente reciclava roupas, trocava de carro a cada 10 anos (!) e nunca fomos ensinados a curtir um consumismo desenfreado. Diria que meus pais já eram ecológicos desde pequeninhos...
E qual não foi minha alegria quando a Sam Shiraishi conseguiu, junto aos patrocinadores, livros para todos que participaram dos comentários. Achei muito delicado e semana passada eles chegaram, e vieram junto com uma cartinha muito carinhosa. É lógico que fui ler antes de dar. E adorei.

O professor Sassá fala das embalagens, de como elas são feitas e o que fazer com elas após usa-las. Me lembrei que usava caixas de fósforos vazias para fazer meus móveis de boneca. Naquela época, anos 60, se usava muito fósforo para acender o fogão, e sobravam muitas caixinhas. Fazia cadeiras, sofás, nossa, acho que desenvolvi minha vontade de mexer com interiores por ali. E as caixas de sapatos ! Eram usadas para lindos ninhos de Páscoa ! Todas enfeitadas com papel crepom e o que mais a nossa imaginação inventasse, ficavam esperando que o coelhinho a recheasse com balinhas, ovos pintados, ovos de açúcar....

E uma Casa, Mil Olhares me despertou a memória afetiva de lembrar como eram minhas casas, como eram seus espaços e o que foi mudando em nossas vidas...Isso vai render um post em separado porque as memórias...e as recordações são muitas.

E termino com as meninas para quem quero dar os livros. E essa foto mostra o quanto elas aprenderam a gostar de leitura. Natália em uma cadeira aqui de casa, lendo e a pequena Livia, então com uns três anos, ficou muito triste porque não sabia ler. Ponderamos com ela que Natália também não sabia com a idade dela e que ela iria aprender também. Ficou feliz, e o que fez ? Pegou um livro e ficou imitando a pose ( e o exemplo) da prima, já se preparando para quando as letras fizessem sentido...

Obrigada Sam pelo carinho, as gurias vão adorar com certeza. Como eu


Elenara Leitão

Comentários

  1. Foi muito bom conhecer seus textos, seu blog, suas idéias... Tal qual você, cresci em uma família, que aprendeu desde sempre a viver de forma sustentável. Da minha infância guardo a lembrança da minha mãe costurando folhas de papel de pão para que fossem usados para rabiscos e bilhetes caseiros. Ela também usava as embalagens dos sabonetes para perfumar nossas gavetas, e a água da geladeira descongelada era aproveitada para a faxina da cozinha. Assim, cresci com muita consciência contra o desperdício e aproveitando tudo. Esse hábito cultivo com prazer, especialmente no meu trabalho. Mas um fato em especial me chamou a atenção na sua postagem: os móveis feitos com caixinhas de fósforo! Aquela madeirinha fininha podia ser cortada e colada.. Quantos armarinhos, caminhas e mesas eu fiz para as minhas bonecas! Também acho que “meus objetos criativos” começaram ali.. Um bj e tudo de bom, Solange

    ResponderExcluir
  2. Como é gratificante ler comentários como os teus e ver como nossos pais nos ensinaram, pelo exemplo, conceitos que guardamos e seguimos hoje. E fiquei encantada que tivemos a mesma iniciação nas caixinhas de fósforos...era tão fascinante criar aquelas mobílias, cheguei a enxergar pelas tuas palavras. Que bacana !
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi