Pular para o conteúdo principal

Dia sem carro - um hábito

Dia para se conscientizar da necessidade de diminuir o uso do transporte individual nas cidades, o 22 de setembro, deve ser acima de tudo uma reflexão das alternativas existentes. Sim porque para se deixar o carro em casa é preciso que se tenha um meio de locomoção viável e seguro, seja coletivo seja individual. Para usar as bicicletas é preciso a construção de ciclovias seguras que não rivalizem com as vias de carros e portanto não ponham em perigo a vida das pessoas. 


Porto Alegre, dentro da realidade brasileira, é uma cidade razoavelmente bem servida de transporte público, mas ainda falta muito para que as pessoas se acostumem a deixar seus carros em casa. 


Eu pessoalmente aplaudo a iniciativa, mas eu a pratico bem mais do que apenas em um dia. Se não tenho absoluta necessidade, não tiro meu carro da garagem. E uso as pernas. 

Atualizando, leio nos jornais que está tendo inicio a construção de uma ciclovia em Porto Alegre. E na rota de uma importante universidade que gera um trafego imenso em horas de pico (ou rush). Acho muito bacana. Antes tarde do que nunca. Mas devo confessar que nunca aprendi a andar de bike (ninguém é perfeito...)


As nossas politicas urbanas quase sempre tem privilegiado grandes avenidas, viadutos e o adensamento populacional. E o transporte coletivo fica em segundo plano. Talvez o que nos salve ainda seja no futuro a cura pela doença. Com tanto carro nas ruas, tem horas que já nem dá para andar neles. E estacionar então ! Em alguns locais ainda contamos com parquímetros, mas em outros é expressamente proibido estacionar para que o fluxo ande...


Soluções ? Pensar n vezes antes de tirar o carro da garagem,usa-lo de maneira racional, dar caronas, andar de ônibus, de lotação (aqueles micro ônibus que são mais confortáveis que os ônibus e que servem uma população acostumada ao carro particular). E repensar aquela história de que carro é status e tem que ser trocado a cada ano. Carro é transporte. E cada vez mais é luxo.  

Comentários

  1. Tem dias que vamos a pe no shopping... estamos fazendo isso cada vez mais na verdade, ate por que agora o tempo deixa a gente caminhar nas ruas né.
    Mas ainda nao consigo viver quase completamente sem carro.
    beijos
    PS: cliquei mais hoje... depois me avisa se ta dando certo.

    ResponderExcluir
  2. Eu também tenho procurado ir ao Tottal aqui pertinho sem carro, e de quebra ainda passo na Gonçalo de Carvalho.
    Pequenas ações como essas já ajudam. Se todos fizessem seria já uma ajuda.
    Vou conferir, cada vez que passo no teu estou clicando

    beijos
    Elenara

    ResponderExcluir
  3. Amiga,

    Sou uma caminhante ativa, mas aqui em SP estou evitando ruas de tráfego intenso de automóveis depois de quase ter sido atropelada (atravessando a faixa de pedestres).

    Um Lindo Dia!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Tem que mudar urgente essa mentalidade voltada para o carro e educar a população para que aprendam que o pedestre sempre tem prioridade. E se possível na única forma que obedecem, no bolso.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Eu tive que segurar o carro.Eu devia estar invisível.
    E você está certa.O pessoal só vai obedecer se houver um prejuízo financeiro.O problema depois é a falta de fiscalização.

    Vamos vivendo.

    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que