Pular para o conteúdo principal

NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Esse é um texto de 2000. Será que está atual ainda ?


NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Arquiteto André Huyer

Exceto nós, arquitetos. Este é nosso maior problema para o exercício da profissão. Como sobreviver fazendo algo que ninguém se interessa? Ninguém se importa? Ninguém conhece? Atendendo às encomendas de nossos clientes,
quantos trabalhos resultarão dignos de serem publicados em revistas ou exposições de arquitetura? Mas, porque só há duas ou três revistas de 
arquitetura no Brasil? E quantas exposições de arquitetura ocorrem regularmente no Brasil, fora a Premiação Anual do IAB do Rio de Janeiro?

Simples: somente arquitetos gostam de arquitetura. Se as pessoas que não são arquitetos apreciassem arquitetura, teríamos muito mais revistas e
exposições! Não me refiro a revistas de decoração disfarçadas de arquitetura. Você conhece algum leitor de "Projeto Design” ou de "Arquitetura e Urbanismo"que não seja arquiteto?

Este desinteresse do leigo pela arquitetura talvez possa ser explicado pelo
desconhecimento generalizado do que seja arquitetura. Quantas vezes por dia
os arquitetos são chamados de engenheiros? Ou de decoradores? Já querer que o leigo saiba quais as atribuições profissionais do arquiteto, bem, aí
realmente é querer demais. Mesmo porque tem muito arquiteto que também
desconhece, e vai correndo chamar um engenheiro se tiver uma obra para
encarar. Por que não procura um colega arquiteto se não tiver segurança de
tocar uma obra?

E por aí prosperam os equívocos. Você vai à uma repartição pública, e lá está: "Assessoria de Engenharia'; "Departamento de Engenharia'; "Setor de Engenharia'; etc. Eles por acaso fazem barragens? Fazem pontes? Fazem
estradas? Fazem túneis ou portos? Não. Fazem projetos arquitetônicos, fazem
edificações/fazem layouts de interiores. Mas a maioria é chamado de departamento de engenharia, poucos são os departamentos de arquitetura.

Bem, daí quando tem um concurso para quadro de pessoal, adivinhem ...claro,
só tem vaga para engenheiro, como o concurso que o BRDE está fazendo agora. Ou, quando tem vaga para arquiteto, os engenheiros ainda têm o dobro do nosso número de vagas - como no concurso do Ministério Público, ano passado.

Mas a cultura que nos desfavorece não termina aí. Se o enfoque é positivo/o
termo empregado é "serviços de engenharia" (lei das licitações 6888/93). Se
o enfoque é negativo, aí são "barreiras arquitetônicas”;as grandes vilãs nas
normas técnicas de acessibilidade. Por que não barreiras de engenharia ou de
decoração?

Então, enquanto o público ainda tiver a expectativa de que façamos engenharia predial decorativa, pouco nos resta. Questões caras para nós,
como entorno urbano, coerência, modernismo x pós-modernismo, visão de
conjunto, etc., só nos trarão angústias, frente ao desinteresse e repulsa
dos nossos clientes.

Só que temos nossa parcela de culpa pela perpetuação deste estado das
coisas. Primeiro que, nós arquitetos, não damos a devida importância à
"conquista do mercado'; Qual a promoção mais temerária que uma entidade de
classe pode querer promover? Um curso de marketing? A frequência é mínima,
se não for nula. Cursos e eventos que tratam de questões profissionais congêneres idem.Já outros cursos/de assuntos até banais para qualquer arquiteto, ou o extremo oposto, excessivamente específicos, sempre há pencas de arquitetos para se aprofundarem (ou afundarem), em matérias que pouco retorno prático trarão. Segundo, a falta de auto-estima pela carreira.Quantos colegas trabalham em departamentos de engenharia, que
muitas vezes nem engenheiro tem, e nunca fizeram nada para, pelo menos,
mudar o nome na placa de identificação na porta? E quantas vezes nos chamam de engenheiros e não corrigimos os interlocutores?

Para que os outros gostem de arquitetura, é preciso que nós, arquitetos,
além de gostarmos de arquitetura, também tenhamos orgulho de sermos
arquitetos.


O que eu sinto na realidade é que o interesse por Arquitetura tem crescido bastante,e que existe espaço para muita gente falar sobre espaços, haja vista o número de blogs de leigos sobre o assunto. E eu acho isso muito bom. Mas ainda existe uma lacuna para a crítica sobre a produção arquitetônica nesse pais. Uma crítica construtiva, que auxilie o aprimoramento da profissão e principalmente dos espaços públicos e privados em que habitamos. 

Comentários

  1. Olá Elenara!
    Ontem fui visitar a Feira do Livro em Ribeirão e vi uma exposição de algumas réplicas arquitetônicas, mas teve uma que me encantou, “Taj Mahal”, que obra linda!
    Tenha uma abençoada semana!

    Convido para que veja e comente o meu Armelau no http://jefhcardoso.blogspot.com/

    “Que a escrita me sirva como arma contra o silêncio em vida, pois terei a morte inteira para silenciar um dia” (Jefhcardoso)

    ResponderExcluir
  2. Feiras de livro são sempre um local muito legal para a gente garimpar coisas boas para ler. Volte sempre
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Ah Elenara, eu super concordo com o André... Eu não sabia nada, nada vezes nada de arquitetura antes de estudar design de interiores. Hoje, com muito orgulho, corrijo quando me chamam de "arquiteta" pois eu sei que não sou e sei a distância que tenho para um arquiteto.
    AMO arquitetura, amo mesmo, pois é o "espaço" onde eu trabalho (ou deveria...). Mas realmente, o que tem de blog e de site por aí é de leigo falando de decoração, e não de arquitetura, da boa, de qualidade, que dá prazer de ver. Enfim, como entusiasta que sou, espero que um dia as pessoas percebam a TOTAL diferença entre um bom urbanismo, uma bela fachada e uma decoração.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu também, Maria Alice....

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Elenara, boa tarde !!!
    Toda mudança cultural é lenta e com relação a arquitetura não é diferente, mas penso que a situação melhorou nesses 10 anos.
    Nesse aspecto, programas da TV a cabo e a expansão do mercado editorial tem papel relevante.
    Talvez o público das revistas específicas da área continue restrito, mas revistas como a Wish, com apelo mais amplo, tem dado destaque a projetos tanto do Brasil quanto do exterior.
    Uma coisa que tem me chamado muito a atenção é a falta de qualidade dos sites de arquitetos. Ainda ontem visitei o site de uma arquiteta bem conhecida no mercado que não tinha telefone nem endereço para contato.
    Essa falta de visão em marketing prejudica o indivíduo e por extensão a categoria.
    Há muito chão a ser percorrido.

    ResponderExcluir
  6. Tens razão. E acabo de me dar conta que nem o meu tem. No tempo em que me graduei não tínhamos essa visão de Arquitetura no mercado, e acabamos esquecendo alguns itens básicos como esse. Boa dica. Obrigada

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…