Pular para o conteúdo principal

NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Esse é um texto de 2000. Será que está atual ainda ?


NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Arquiteto André Huyer

Exceto nós, arquitetos. Este é nosso maior problema para o exercício da profissão. Como sobreviver fazendo algo que ninguém se interessa? Ninguém se importa? Ninguém conhece? Atendendo às encomendas de nossos clientes,
quantos trabalhos resultarão dignos de serem publicados em revistas ou exposições de arquitetura? Mas, porque só há duas ou três revistas de 
arquitetura no Brasil? E quantas exposições de arquitetura ocorrem regularmente no Brasil, fora a Premiação Anual do IAB do Rio de Janeiro?

Simples: somente arquitetos gostam de arquitetura. Se as pessoas que não são arquitetos apreciassem arquitetura, teríamos muito mais revistas e
exposições! Não me refiro a revistas de decoração disfarçadas de arquitetura. Você conhece algum leitor de "Projeto Design” ou de "Arquitetura e Urbanismo"que não seja arquiteto?

Este desinteresse do leigo pela arquitetura talvez possa ser explicado pelo
desconhecimento generalizado do que seja arquitetura. Quantas vezes por dia
os arquitetos são chamados de engenheiros? Ou de decoradores? Já querer que o leigo saiba quais as atribuições profissionais do arquiteto, bem, aí
realmente é querer demais. Mesmo porque tem muito arquiteto que também
desconhece, e vai correndo chamar um engenheiro se tiver uma obra para
encarar. Por que não procura um colega arquiteto se não tiver segurança de
tocar uma obra?

E por aí prosperam os equívocos. Você vai à uma repartição pública, e lá está: "Assessoria de Engenharia'; "Departamento de Engenharia'; "Setor de Engenharia'; etc. Eles por acaso fazem barragens? Fazem pontes? Fazem
estradas? Fazem túneis ou portos? Não. Fazem projetos arquitetônicos, fazem
edificações/fazem layouts de interiores. Mas a maioria é chamado de departamento de engenharia, poucos são os departamentos de arquitetura.

Bem, daí quando tem um concurso para quadro de pessoal, adivinhem ...claro,
só tem vaga para engenheiro, como o concurso que o BRDE está fazendo agora. Ou, quando tem vaga para arquiteto, os engenheiros ainda têm o dobro do nosso número de vagas - como no concurso do Ministério Público, ano passado.

Mas a cultura que nos desfavorece não termina aí. Se o enfoque é positivo/o
termo empregado é "serviços de engenharia" (lei das licitações 6888/93). Se
o enfoque é negativo, aí são "barreiras arquitetônicas”;as grandes vilãs nas
normas técnicas de acessibilidade. Por que não barreiras de engenharia ou de
decoração?

Então, enquanto o público ainda tiver a expectativa de que façamos engenharia predial decorativa, pouco nos resta. Questões caras para nós,
como entorno urbano, coerência, modernismo x pós-modernismo, visão de
conjunto, etc., só nos trarão angústias, frente ao desinteresse e repulsa
dos nossos clientes.

Só que temos nossa parcela de culpa pela perpetuação deste estado das
coisas. Primeiro que, nós arquitetos, não damos a devida importância à
"conquista do mercado'; Qual a promoção mais temerária que uma entidade de
classe pode querer promover? Um curso de marketing? A frequência é mínima,
se não for nula. Cursos e eventos que tratam de questões profissionais congêneres idem.Já outros cursos/de assuntos até banais para qualquer arquiteto, ou o extremo oposto, excessivamente específicos, sempre há pencas de arquitetos para se aprofundarem (ou afundarem), em matérias que pouco retorno prático trarão. Segundo, a falta de auto-estima pela carreira.Quantos colegas trabalham em departamentos de engenharia, que
muitas vezes nem engenheiro tem, e nunca fizeram nada para, pelo menos,
mudar o nome na placa de identificação na porta? E quantas vezes nos chamam de engenheiros e não corrigimos os interlocutores?

Para que os outros gostem de arquitetura, é preciso que nós, arquitetos,
além de gostarmos de arquitetura, também tenhamos orgulho de sermos
arquitetos.


O que eu sinto na realidade é que o interesse por Arquitetura tem crescido bastante,e que existe espaço para muita gente falar sobre espaços, haja vista o número de blogs de leigos sobre o assunto. E eu acho isso muito bom. Mas ainda existe uma lacuna para a crítica sobre a produção arquitetônica nesse pais. Uma crítica construtiva, que auxilie o aprimoramento da profissão e principalmente dos espaços públicos e privados em que habitamos. 

Comentários

  1. Olá Elenara!
    Ontem fui visitar a Feira do Livro em Ribeirão e vi uma exposição de algumas réplicas arquitetônicas, mas teve uma que me encantou, “Taj Mahal”, que obra linda!
    Tenha uma abençoada semana!

    Convido para que veja e comente o meu Armelau no http://jefhcardoso.blogspot.com/

    “Que a escrita me sirva como arma contra o silêncio em vida, pois terei a morte inteira para silenciar um dia” (Jefhcardoso)

    ResponderExcluir
  2. Feiras de livro são sempre um local muito legal para a gente garimpar coisas boas para ler. Volte sempre
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Ah Elenara, eu super concordo com o André... Eu não sabia nada, nada vezes nada de arquitetura antes de estudar design de interiores. Hoje, com muito orgulho, corrijo quando me chamam de "arquiteta" pois eu sei que não sou e sei a distância que tenho para um arquiteto.
    AMO arquitetura, amo mesmo, pois é o "espaço" onde eu trabalho (ou deveria...). Mas realmente, o que tem de blog e de site por aí é de leigo falando de decoração, e não de arquitetura, da boa, de qualidade, que dá prazer de ver. Enfim, como entusiasta que sou, espero que um dia as pessoas percebam a TOTAL diferença entre um bom urbanismo, uma bela fachada e uma decoração.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu também, Maria Alice....

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Elenara, boa tarde !!!
    Toda mudança cultural é lenta e com relação a arquitetura não é diferente, mas penso que a situação melhorou nesses 10 anos.
    Nesse aspecto, programas da TV a cabo e a expansão do mercado editorial tem papel relevante.
    Talvez o público das revistas específicas da área continue restrito, mas revistas como a Wish, com apelo mais amplo, tem dado destaque a projetos tanto do Brasil quanto do exterior.
    Uma coisa que tem me chamado muito a atenção é a falta de qualidade dos sites de arquitetos. Ainda ontem visitei o site de uma arquiteta bem conhecida no mercado que não tinha telefone nem endereço para contato.
    Essa falta de visão em marketing prejudica o indivíduo e por extensão a categoria.
    Há muito chão a ser percorrido.

    ResponderExcluir
  6. Tens razão. E acabo de me dar conta que nem o meu tem. No tempo em que me graduei não tínhamos essa visão de Arquitetura no mercado, e acabamos esquecendo alguns itens básicos como esse. Boa dica. Obrigada

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n