Pular para o conteúdo principal

NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Esse é um texto de 2000. Será que está atual ainda ?


NINGUÉM GOSTA DE ARQUITETURA

Arquiteto André Huyer

Exceto nós, arquitetos. Este é nosso maior problema para o exercício da profissão. Como sobreviver fazendo algo que ninguém se interessa? Ninguém se importa? Ninguém conhece? Atendendo às encomendas de nossos clientes,
quantos trabalhos resultarão dignos de serem publicados em revistas ou exposições de arquitetura? Mas, porque só há duas ou três revistas de 
arquitetura no Brasil? E quantas exposições de arquitetura ocorrem regularmente no Brasil, fora a Premiação Anual do IAB do Rio de Janeiro?

Simples: somente arquitetos gostam de arquitetura. Se as pessoas que não são arquitetos apreciassem arquitetura, teríamos muito mais revistas e
exposições! Não me refiro a revistas de decoração disfarçadas de arquitetura. Você conhece algum leitor de "Projeto Design” ou de "Arquitetura e Urbanismo"que não seja arquiteto?

Este desinteresse do leigo pela arquitetura talvez possa ser explicado pelo
desconhecimento generalizado do que seja arquitetura. Quantas vezes por dia
os arquitetos são chamados de engenheiros? Ou de decoradores? Já querer que o leigo saiba quais as atribuições profissionais do arquiteto, bem, aí
realmente é querer demais. Mesmo porque tem muito arquiteto que também
desconhece, e vai correndo chamar um engenheiro se tiver uma obra para
encarar. Por que não procura um colega arquiteto se não tiver segurança de
tocar uma obra?

E por aí prosperam os equívocos. Você vai à uma repartição pública, e lá está: "Assessoria de Engenharia'; "Departamento de Engenharia'; "Setor de Engenharia'; etc. Eles por acaso fazem barragens? Fazem pontes? Fazem
estradas? Fazem túneis ou portos? Não. Fazem projetos arquitetônicos, fazem
edificações/fazem layouts de interiores. Mas a maioria é chamado de departamento de engenharia, poucos são os departamentos de arquitetura.

Bem, daí quando tem um concurso para quadro de pessoal, adivinhem ...claro,
só tem vaga para engenheiro, como o concurso que o BRDE está fazendo agora. Ou, quando tem vaga para arquiteto, os engenheiros ainda têm o dobro do nosso número de vagas - como no concurso do Ministério Público, ano passado.

Mas a cultura que nos desfavorece não termina aí. Se o enfoque é positivo/o
termo empregado é "serviços de engenharia" (lei das licitações 6888/93). Se
o enfoque é negativo, aí são "barreiras arquitetônicas”;as grandes vilãs nas
normas técnicas de acessibilidade. Por que não barreiras de engenharia ou de
decoração?

Então, enquanto o público ainda tiver a expectativa de que façamos engenharia predial decorativa, pouco nos resta. Questões caras para nós,
como entorno urbano, coerência, modernismo x pós-modernismo, visão de
conjunto, etc., só nos trarão angústias, frente ao desinteresse e repulsa
dos nossos clientes.

Só que temos nossa parcela de culpa pela perpetuação deste estado das
coisas. Primeiro que, nós arquitetos, não damos a devida importância à
"conquista do mercado'; Qual a promoção mais temerária que uma entidade de
classe pode querer promover? Um curso de marketing? A frequência é mínima,
se não for nula. Cursos e eventos que tratam de questões profissionais congêneres idem.Já outros cursos/de assuntos até banais para qualquer arquiteto, ou o extremo oposto, excessivamente específicos, sempre há pencas de arquitetos para se aprofundarem (ou afundarem), em matérias que pouco retorno prático trarão. Segundo, a falta de auto-estima pela carreira.Quantos colegas trabalham em departamentos de engenharia, que
muitas vezes nem engenheiro tem, e nunca fizeram nada para, pelo menos,
mudar o nome na placa de identificação na porta? E quantas vezes nos chamam de engenheiros e não corrigimos os interlocutores?

Para que os outros gostem de arquitetura, é preciso que nós, arquitetos,
além de gostarmos de arquitetura, também tenhamos orgulho de sermos
arquitetos.


O que eu sinto na realidade é que o interesse por Arquitetura tem crescido bastante,e que existe espaço para muita gente falar sobre espaços, haja vista o número de blogs de leigos sobre o assunto. E eu acho isso muito bom. Mas ainda existe uma lacuna para a crítica sobre a produção arquitetônica nesse pais. Uma crítica construtiva, que auxilie o aprimoramento da profissão e principalmente dos espaços públicos e privados em que habitamos. 

Comentários

  1. Olá Elenara!
    Ontem fui visitar a Feira do Livro em Ribeirão e vi uma exposição de algumas réplicas arquitetônicas, mas teve uma que me encantou, “Taj Mahal”, que obra linda!
    Tenha uma abençoada semana!

    Convido para que veja e comente o meu Armelau no http://jefhcardoso.blogspot.com/

    “Que a escrita me sirva como arma contra o silêncio em vida, pois terei a morte inteira para silenciar um dia” (Jefhcardoso)

    ResponderExcluir
  2. Feiras de livro são sempre um local muito legal para a gente garimpar coisas boas para ler. Volte sempre
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Ah Elenara, eu super concordo com o André... Eu não sabia nada, nada vezes nada de arquitetura antes de estudar design de interiores. Hoje, com muito orgulho, corrijo quando me chamam de "arquiteta" pois eu sei que não sou e sei a distância que tenho para um arquiteto.
    AMO arquitetura, amo mesmo, pois é o "espaço" onde eu trabalho (ou deveria...). Mas realmente, o que tem de blog e de site por aí é de leigo falando de decoração, e não de arquitetura, da boa, de qualidade, que dá prazer de ver. Enfim, como entusiasta que sou, espero que um dia as pessoas percebam a TOTAL diferença entre um bom urbanismo, uma bela fachada e uma decoração.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu também, Maria Alice....

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Elenara, boa tarde !!!
    Toda mudança cultural é lenta e com relação a arquitetura não é diferente, mas penso que a situação melhorou nesses 10 anos.
    Nesse aspecto, programas da TV a cabo e a expansão do mercado editorial tem papel relevante.
    Talvez o público das revistas específicas da área continue restrito, mas revistas como a Wish, com apelo mais amplo, tem dado destaque a projetos tanto do Brasil quanto do exterior.
    Uma coisa que tem me chamado muito a atenção é a falta de qualidade dos sites de arquitetos. Ainda ontem visitei o site de uma arquiteta bem conhecida no mercado que não tinha telefone nem endereço para contato.
    Essa falta de visão em marketing prejudica o indivíduo e por extensão a categoria.
    Há muito chão a ser percorrido.

    ResponderExcluir
  6. Tens razão. E acabo de me dar conta que nem o meu tem. No tempo em que me graduei não tínhamos essa visão de Arquitetura no mercado, e acabamos esquecendo alguns itens básicos como esse. Boa dica. Obrigada

    Abraços

    Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que