Pular para o conteúdo principal

Éolo (irreverente) Maia


Éolo Maia, (Ouro Preto, 27 de janeiro de 1942 — Belo Horizonte, 16 de setembro de 2002) foi um arquiteto brasileiro com importante influência na arquitetura contemporânea mineira.Estudou Arquitetura em Belo Horizonte, (1963), na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, formando-se em 1967. Produziu muitos projetos em parceria com sua companheira Jô Vasconcellos. Contestador e irreverente, criou, no final da década de 1970, junto com Jô Vasconcellos e o arquiteto Sylvio de Podestá, as revistas Vão Livre e Pampulha, onde contestou os modelos de arquitetura vigentes. 
É assim que vamos encontrar informações sobre Éolo na Wikipédia. 

Mas para mim especialmente Éolo é símbolo de irreverência. 

Meu primeiro contato com ele foi através de sua arquitetura. Estudei em Brasilia em um colégio projetado por ele. A proposta pedagógica era ousada. Ainda mais se pensarmos que eram os anos 70 e vivíamos em pela Ditadura Militar. Nesse colégio, o Pré Universitário, a nossa avaliação valia o mesmo peso da avaliação dos professores (!). Mas como toda liberdade exige responsabilidade, esse sistema não durou muito porque adolescentes sempre se acham. E se achando não são lá muito exigentes consigo mesmos...mas enfim, a arquitetura era condizente com a proposta inicial. No andar de cima tínhamos aulas com menor número de alunos. As cadeiras formavam um circulo,onde pequenos grupos podiam se reunir e não repetir a velha disposição de alunos de cá e professor de lá. No andar de baixo, aulas maiores, quase anfiteatros permitiam a exposição de matéria para duas turmas. Ele se inspirava muito em Louis Kahn nessa época * e tinha um escritório chamado Equipe 58.
Acervo da arquiteta
Depois,já formada, fomos eu e meu sócio na época, para a Bienal de Arquitetura de Buenos Aires (91). Lá vimos uma palestra de uma arquiteta iraquiana que era considerada muito teórica e apresentava uns projetos desconstruídos. Uma tal de Zaha Hadid... que em 2004 se tornaria a primeira mulher a receber o Prêmio Pritzker de arquitetura.
Lembro que paramos em um hotel meio fajuto, cheio de estudantes e arquitetos sem muita grana, como nós. E quem estava lá ? Parando no mesmo hotel e se enturmando com a gente ? Pois é, o Éolo. Muito gente fina. Guardo com carinho o postal que nos mandou em um Natal.

Arquitetando História
Acervo da Arquiteta

Sobre ele quem melhor pode falar é sua companheira, Jô Vasconcellos,

Como diz o escritor argentino Ricardo Piglia, “a vida não permite rascunhos”.
Com o Éolo foi mesmo assim, nunca deixou de viver o que tinha que viver, nunca deixou de falar o que tinha que falar, nunca deixou de fazer o que tinha que fazer.

A Alegria e a invenção juvenil fazia parte de sua vida e de seu trabalho.

Fruto de uma geração apegada a preceitos e preconceitos, partiu para a liberdade.

Amava a todos, sem preconceitos e de coração aberto, e dizia verdades. Sofreu bastante por isto, mas, preferia assim, pois, esta era sua atitude perante a vida.

Levava consigo a arquitetura que tanto amava e carregava junto, a dos arquitetos que admirava.

Levou o nome de Minas para o Brasil e para o mundo. No lugar da novidade a qualquer preço, deteve-se em pesquisar, analisar, apreender suas raízes, o que traduziu plenamente em seus projetos apostando na surpresa e contribuindo assim, para a identidade da cultura contemporânea.

Trabalhar com ele era fácil e difícil. No trabalho a seriedade era primordial, assim como ampliar as fronteiras da imaginação e procurar infinitas possibilidades.

Amava os jovens e seus repertórios, amava as crianças e sua pureza, amava os velhos e seus conhecimentos, amava os animais e tudo o que significava vida, amava o Brasil e era super “patropi” (era o meu amor “patropi”).

Tinha milhões de planos, mas, não teve tempo de realizar todos.

Dizia que não morria nem morto, morreu, mas, não morreu!

Hoje as lembranças se espalham sem controle e venho espalhar mais uma vez, Éolo, que eu, Isadora, Nina e Silvia, te amamos muito.





Texto publicado na revista “Informador das Construções, 2002/2003”.

Leia mais em

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…