Pular para o conteúdo principal

Éolo (irreverente) Maia


Éolo Maia, (Ouro Preto, 27 de janeiro de 1942 — Belo Horizonte, 16 de setembro de 2002) foi um arquiteto brasileiro com importante influência na arquitetura contemporânea mineira.Estudou Arquitetura em Belo Horizonte, (1963), na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, formando-se em 1967. Produziu muitos projetos em parceria com sua companheira Jô Vasconcellos. Contestador e irreverente, criou, no final da década de 1970, junto com Jô Vasconcellos e o arquiteto Sylvio de Podestá, as revistas Vão Livre e Pampulha, onde contestou os modelos de arquitetura vigentes. 
É assim que vamos encontrar informações sobre Éolo na Wikipédia. 

Mas para mim especialmente Éolo é símbolo de irreverência. 

Meu primeiro contato com ele foi através de sua arquitetura. Estudei em Brasilia em um colégio projetado por ele. A proposta pedagógica era ousada. Ainda mais se pensarmos que eram os anos 70 e vivíamos em pela Ditadura Militar. Nesse colégio, o Pré Universitário, a nossa avaliação valia o mesmo peso da avaliação dos professores (!). Mas como toda liberdade exige responsabilidade, esse sistema não durou muito porque adolescentes sempre se acham. E se achando não são lá muito exigentes consigo mesmos...mas enfim, a arquitetura era condizente com a proposta inicial. No andar de cima tínhamos aulas com menor número de alunos. As cadeiras formavam um circulo,onde pequenos grupos podiam se reunir e não repetir a velha disposição de alunos de cá e professor de lá. No andar de baixo, aulas maiores, quase anfiteatros permitiam a exposição de matéria para duas turmas. Ele se inspirava muito em Louis Kahn nessa época * e tinha um escritório chamado Equipe 58.
Acervo da arquiteta
Depois,já formada, fomos eu e meu sócio na época, para a Bienal de Arquitetura de Buenos Aires (91). Lá vimos uma palestra de uma arquiteta iraquiana que era considerada muito teórica e apresentava uns projetos desconstruídos. Uma tal de Zaha Hadid... que em 2004 se tornaria a primeira mulher a receber o Prêmio Pritzker de arquitetura.
Lembro que paramos em um hotel meio fajuto, cheio de estudantes e arquitetos sem muita grana, como nós. E quem estava lá ? Parando no mesmo hotel e se enturmando com a gente ? Pois é, o Éolo. Muito gente fina. Guardo com carinho o postal que nos mandou em um Natal.

Arquitetando História
Acervo da Arquiteta

Sobre ele quem melhor pode falar é sua companheira, Jô Vasconcellos,

Como diz o escritor argentino Ricardo Piglia, “a vida não permite rascunhos”.
Com o Éolo foi mesmo assim, nunca deixou de viver o que tinha que viver, nunca deixou de falar o que tinha que falar, nunca deixou de fazer o que tinha que fazer.

A Alegria e a invenção juvenil fazia parte de sua vida e de seu trabalho.

Fruto de uma geração apegada a preceitos e preconceitos, partiu para a liberdade.

Amava a todos, sem preconceitos e de coração aberto, e dizia verdades. Sofreu bastante por isto, mas, preferia assim, pois, esta era sua atitude perante a vida.

Levava consigo a arquitetura que tanto amava e carregava junto, a dos arquitetos que admirava.

Levou o nome de Minas para o Brasil e para o mundo. No lugar da novidade a qualquer preço, deteve-se em pesquisar, analisar, apreender suas raízes, o que traduziu plenamente em seus projetos apostando na surpresa e contribuindo assim, para a identidade da cultura contemporânea.

Trabalhar com ele era fácil e difícil. No trabalho a seriedade era primordial, assim como ampliar as fronteiras da imaginação e procurar infinitas possibilidades.

Amava os jovens e seus repertórios, amava as crianças e sua pureza, amava os velhos e seus conhecimentos, amava os animais e tudo o que significava vida, amava o Brasil e era super “patropi” (era o meu amor “patropi”).

Tinha milhões de planos, mas, não teve tempo de realizar todos.

Dizia que não morria nem morto, morreu, mas, não morreu!

Hoje as lembranças se espalham sem controle e venho espalhar mais uma vez, Éolo, que eu, Isadora, Nina e Silvia, te amamos muito.





Texto publicado na revista “Informador das Construções, 2002/2003”.

Leia mais em

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

A prática do urban sketching - recomendação de livro

Um dos hábitos mais prazerosos da vida é viajar, mesmo que seja na própria cidade. Percorrer caminhos com calma, caminhar e parar, olhar e registrar. Não apenas com o celular, mas também com as mãos. Acha complicado? Pois este pequeno grande guia vai facilitar bastante esta fascinante descoberta da prática do desenho urbano (urban sketching).

O livro tem um formato quase de bolso, é ricamente ilustrado e super didático, com páginas em branco para exercícios práticos, após cada explicação. É um excelente companheiro de passeios e pode ser utilizado sem contra indicações e sem parcimônia. Na versão brasileira não vem acompanhado de canetas (nem sei se vem em outra versão, mas vi a recomendação e repasso). Mas fiquei tão fascinada que, além do lápis comum, comprei quatro canetas artísticas PITT pretas para treinar.   
O que é urban sketching? Existe uma organização chamada de Urban Sketchers com regras e com um blog onde as pessoas podem publicar seus desenhos. Eles organizam encontros …

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.