Pular para o conteúdo principal

Caixa de ferramentas - equipamentos e matérias devem ser utilizados com inteligência

Achei esse texto que separei no inicio da década sobre o uso das ferramentas no exercício da criatividade. E para mim ele continua muito atual    
         

Conta-se que, solicitado a fornecer um exemplo de seu trabalho ao emissário do Papa, que selecionava artistas para trabalhar a serviço da Igreja, o pintor italiano Giotto (C. 1267-1337), com um rápido movimento de pincel, traçou sobre uma folha de papel um círculo perfeito. Foi contratado. 
A maioria das pessoas e até artistas talentosos, diante da necessidade de desenhar uma circunferência com precisão, sequer ousaria fazê-la sem a ajuda de um compasso. O que não é nenhum pecado.
Ferramentas, materiais, instrumentos e acessórios existem para facilitar tarefas, poupar tempo, ampliar a capacidade de executá-las e, principalmente, proporcionar novas possibilidades. Auxiliares na materialização de idéias, é preciso conhecê-los para dirigi-los, de forma a obter exatamente aquilo que se deseja. Um processo no qual tempo e dedicação são essenciais. 
Seja a opacidade de uma tinta, a pressão do lápis no papel, a resolução de um scanner ou sensibilidade de um filme fotográfico, são a previsibilidade de resultados e a capacidade de reproduzi-los que tornam possível o seu uso. Caso contrário, seria como tentar pegar um ônibus que, a cada dia, fizesse um novo trajeto, num horário diferente. 
Mesmo que seja aparentemente difícil de conciliar com o ritmo frenético das mudanças, não existe alternativa à experiência. Através dela, aprende-se a antecipar e escolher resultados, tornando cada vez mais fácil a aprendizagem dos novos meios, além de propiciar uma visão crítica que permite identificar seu real valor. 
Fácil até demais Diante do fato de, diariamente, surgirem ferramentas que eliminam a necessidade de se produzir recursos por meio do próprio esforço, é de se esperar quem questione até a necessidade do aprendizado. 
Como a mais versátil, espetacular e inovadora ferramenta já colocada a serviço dos designers, o computador é o mais completo exemplo. Apesar de sua complexidade, a intuitividade e facilidade de uso dos softwares gráficos são o motivo de seu sucesso. Permitindo mesmo com um mínimo de  perícia técnica; obter resultados visualmente encantadores, tornam-se também sua maior ambigüidade. 
Não se deve esquecer que o domínio de qualquer ferramenta ou material é apenas uma parte no complexo conjunto de fatores envolvidos no desenvolvimento de qualquer projeto consistente de design gráfico. Nesse caso, a fotografia serve como uma ótima referência. O ato de fotografar,      aparentemente, nunca exigiu mais do que um "click", mas é muito fácil perceber a grande diferença entre as milhões de fotografias, mensalmente processadas nos laboratórios, e os trabalhos de mestres como Sebastião Salgado ou Henri Cartier-Bresson
Com o aumento vertiginoso dos meios de comunicação visual, é cada vez maior a necessidade por imagens. Infelizmente, parece que sempre haverá espaço tanto para trabalhos bons quanto para aqueles inexpressivos.
A capa de uma revista, a prateleira do supermercado, ou um site na Internet não são atestado de inovação e talento. E, às vezes, nem mesmo de qualidade. 
Pode-se preencher uma necessidade visual cumprindo uma função meramente utilitária, assim como a comida não precisa ser saborosa para matar a fome. 
Os ingredientes estão ao alcance de todos, mas a originalidade está na escolha, combinação e uso das possibilidades mais adequadas a cada trabalho. Isso que o faz e ao seu autor; únicos. Através  essa utilização criativa, coerente e personalizada, o designer sério se destaca daqueles que, comodamente, se contentam em fazer tudo sempre igual ou utilizar fórmulas e efeitos prontos. 
 Atalhos devem ser uma opção a caminhos já conhecidos. Diante de tantas possibilidades e prazos cada vez menores para avaliá-las, não é difícil se perder nesse trajeto. Só existe uma solução para evitar que o resultado de um projeto seja um amontoado esperto de efeitos bonitos: ser mais esperto do que eles. 
Tanto o computador como o martelo não são dotados de nenhuma propensão ao bom ou mau uso, e tomar uma pancada no dedo normalmente deve-se à imperícia de quem, na verdade, tinha o prego como alvo. Mesmo que seja difícil imaginar que um designer venha a se ferir pelo uso pouco criativo dos meios ao seu alcance, os efeitos que a qualidade de seus trabalhos pode causar na sua carreira são reais. Geralmente deixando marcas permanentes. 
Enxergando, em cada novo recurso, maneiras de melhorar sua produtividade e ampliar suas formas de expressão, o designer prioriza o senso de planejamento para atuar como um administrador de meios, colocando-os totalmente a serviço de suas idéias. 
Deve-se perceber que o episódio do círculo de Giotto entrou para a História não só pela precisão de sua forma nem do instrumento utilizado. Reconhecendo nesse gesto a expressão do absoluto domínio sobre o trabalho e seus instrumentos, compreende-se o real significado da palavra mestre.
     
Alex Lutkus é ilustrador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi