Pular para o conteúdo principal

O lixo que tu produz é problema teu


Li hoje que já faz vinte anos que foi implantada a coleta seletiva em Porto Alegre. No começo era uma experiência em alguns bairros, uma vez por semana. Foi-se estendendo para todos e agora em muitos é feita duas vezes por semana, regularmente. Sabem quantos por cento das pessoas colaboram com isso? 30 %. Isso mesmo, setenta por cento dos moradores de uma das cidades ditas como mais politizadas e educadas do país não reciclam o seu lixo, mesmo dispondo de coleta organizada pelo poder público. E reclamam da existência da coleta alternativa, com carroças e carrinhos, muitas vezes puxado por seres humanos. Atrapalhar o trânsito é o menor dos males (alguns acham que é o maior). Mas na verdade ver pessoas, homens e mulheres, subindo e descendo ladeiras, carregados de nosso lixo nos faz pensar em nossos hábitos. Há pouco li um relato de parentes que moram na Austrália sobre como se trata esse problema por lá. Vale a pena ler. E pensar.  

figura: foto de Elenara Stein Leitão

“O lixo aqui na Austrália custa dinheiro. Temos o direito a um latão por semana de lixo orgânico e a cada 15 dias de reciclado. Não é permitido largar lixo na calçada ao lado da lixeira, nem colocar a lata na rua fora do dia da coleta. Não virá ninguém para mexer no teu lixo a procura de comida, reciclados. Cachorros , gatos e pássaros não atacam a lixeira pois o latão tem tampa. Se você tem mais lixo que cabe na lata, estoque ele em casa até a próxima semana ou leva pessoalmente no lixão. Depois de acordo com peso será cobrado um taxa.
Todo tipo de reforma, obra, jardim,... sempre vem na conta o extra para remoção e taxa do lixo.
Nossa cerca velha nos custou quase 400 dólares de lixo. Uma vez por ano a prefeitura recolhe gratuitamente o lixo “grosseiro” que está estocado em casa como moveis, aparelhos eletrônicos, eletrodomésticos e todo lixo de jardim. E a única vez que é permitido colocar lixo na calcada.
A prefeitura também dá dois vouchers por ano para lixo de jardim, que se leva pessoalmente até o lixão (com o voucher não se paga taxa.)
Nós demoramos a se acostumar com o lixo limitado, principalmente quando nos mudamos. Demoramos mais de mês para nos livrarmos das caixas e de uns tapetes velhos deixados na casa. Tinha um que chamávamos de “o corpo”. Dizíamos: “ tem que dar um jeito de se livrar daquele corpo”... tínhamos a opção de colocá-lo no porta mala e levá-lo no lixão, socar ele na lixeira e colocar menos lixo ou ligar para os ex donos virem buscar o corpo, que afinal de conta era deles. Um dia não aquentamos mais e dobramos o corpo num esforço e socamos no latão. Preferimos estocar lixo e nos livramos do corpo.
Nosso vizinho veio dar boas vindas e ofereceu a lata dele que não estava tão cheia para completarmos com o nosso lixo. ( achei sacanagem colocar o corpo na lata do vizinho).
Na Franca o lixo era rigoroso também, foi um pesadelo até entender como funcionava o sistema. Me lembro de me perguntar o que vou fazer com o lixo em casa?
Resumindo:  o lixo que tu produz é problema teu.
Por isso aqui se recusa produtos com excesso de embalagem, se usa greem bags no supermercado, se faz composteira....” (Ana Paula - Perth- Austrália)

figura: foto de Elenara Stein Leitão

Deu para perceber? A prefeitura faz a sua parte limitando e tolhendo as alternativas e as pessoas fazem a sua parte. Nossa diferença? Aqui as pessoas reclamam do espaço que tem para estocar o lixo seco, ao invés de limitar seu consumo. Reclamam da voracidade das multas da prefeitura quando essa exigem lixeiras com tampa ou horário para colocar o lixo. Será que junto com o reclamar dos governos, não é hora de pensar no que podemos ajudar ? 

figura: www.recicloteca.org.br

Comentários

  1. Bacana, Elenara, acho que esta questão tem que ser toda re-pensada mesmo. Limitar também é uma ideia.
    Bjs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f