Pular para o conteúdo principal

Fazer o novo


Li esse texto em uma lista de arquitetura. enviado pelo colega Vinicius Goncalves. Achei muito interessante pela reflexão que traz e resolvi compartilhar com todos. Vale a leitura.

 FAZER O NOVO

Por Antonio Caramelo*


Fazer o novo a cada projeto é o que o mercado espera de quem acumulou experiências fazendo arquitetura há anos, tendo o hábito de sempre surpreender a partir de uma base sólida com projetos inéditos e inabaláveis diante dos adjetivos superlativos com os quais tentam homenageá-lo ou testá-lo à exaustão. Mas, será que alguém já se perguntou onde está verdadeiramente "o novo" nos projetos arquitetônicos que vimos por aí nos últimos anos? O mais apressado diria que poderá ser visto ao folhear as páginas da última edição do "Architecture Now" onde estão as incontáveis maravilhas que estão sendo erguidas mundo afora, carregadas de ousadias e pretensões, num enorme desperdício construtivo em nome da forma e um desmensurado desafio a gravidade com tal monta, que cria a "Arquitetura Halterofilista". Tudo isso sem falar do abuso desnecessário de materiais sofisticados que só elevam o custo das obras a cifras impensáveis.

Buscar o "novo, de novo" ou o novo sempre como uma obsessão, como necessidade de distinção está mais próximo da busca do "novo pelo novo", como reconhecimento de sucesso a qualquer custo, sem propósito claro de um objetivo digno, edificante e significativo para alguém, além de quem o faz. 
Make a Difference

Buscar o novo traz implícito um "por quê?", "pra quem?", "por qual razão?" Caso contrário não faz sentido. Antes de tudo, o que é "o novo"? Será aquilo que se diferencia do que já foi feito, visto ou experimentado? Será mesmo novo o que se destaca apenas pelos materiais usados, novas dimensões e multiplicidade de funções? Não, não mesmo! Todas essas qualidades poderão estar reunidas e presentes em algo não necessariamente novo. Estamos cansados de ver repetidos e reelaborados projetos, soluções e propostas, apenas reciclados e mascarados por sofisticações como as descritas anteriormente que os fazem apenas diferentes, mas "ser diferente não é ser novo!" O novo é relativo a futuro. Contudo, vivenciamos um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa, como disse sabiamente o pensador George Carlin. 

Fazer o novo requer além da mudança funcional estética e estrutural, como necessidade básica, a mudança, sobretudo de atitude e postura de quem faz, para que se proceda a inovação na essência daquilo que se pretenda produzir. É um exercício de futurologia competente e responsável embasada na sedimentação de informações, muitas observações, estudos, estatísticas e pesquisas acompanhadas de boa dose de intuição criativa.

Quero com esse texto fazer uma provocação aos arquitetos inquietos como eu que buscam "fazer o novo" na sua essência e não "na fachada", desculpem-me pelo inevitável trocadilho. Pois, pensar o novo é um exercício que em muitas vezes não aprendemos na escola. Vem de dentro, da busca individual. E na Arquitetura essa é uma condição indispensável, pois projetamos com os pés no presente e a cabeça no futuro. Então faço um convite para que cada um mergulhe nas suas entranhas a fim de buscar verdadeiramente "o novo" ao invés de "do novo, de novo". Como disse o arquiteto Frank Lloyd Wright na década de 40: 
 "o Arquiteto tem que ser um profeta. Um profeta no sentido literal do termo. Se ele não conseguir enxergar pelo menos dez anos à frente não o chame de Arquiteto."
* Antonio Caramelo, arquiteto baiano, atuou ao longo dos seus 38 anos de profissão nas áreas de construção civil, planejamento urbano e projetos arquitetônicos com predominância em Salvador além de cidades como Manaus, Belém, Cuiabá, Campo Grande, Fortaleza, Aracaju, Recife, Belo Horizonte, Uberlândia, Goiânia, Brasília, São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas, São José dos Campos, Londrina, Curitiba, dentre outras

Fonte http://www.portaldoarquiteto.com//ponto-de-vista/antonio-caramelo/fazer-o-novo-de-novo.html

Leia também : Estimulando as ideias

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Siga-nos nas redes sociais
__._,_.___

Comentários

  1. Ele fechou o texto com chave de ouro.
    10 anos pra frente, é isso mesmo.

    Um Lindo Domingo e uma Linda Semana


    PS:Já visitei o Wordle, me aguarde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest