Pular para o conteúdo principal

Fazer o novo


Li esse texto em uma lista de arquitetura. enviado pelo colega Vinicius Goncalves. Achei muito interessante pela reflexão que traz e resolvi compartilhar com todos. Vale a leitura.

 FAZER O NOVO

Por Antonio Caramelo*


Fazer o novo a cada projeto é o que o mercado espera de quem acumulou experiências fazendo arquitetura há anos, tendo o hábito de sempre surpreender a partir de uma base sólida com projetos inéditos e inabaláveis diante dos adjetivos superlativos com os quais tentam homenageá-lo ou testá-lo à exaustão. Mas, será que alguém já se perguntou onde está verdadeiramente "o novo" nos projetos arquitetônicos que vimos por aí nos últimos anos? O mais apressado diria que poderá ser visto ao folhear as páginas da última edição do "Architecture Now" onde estão as incontáveis maravilhas que estão sendo erguidas mundo afora, carregadas de ousadias e pretensões, num enorme desperdício construtivo em nome da forma e um desmensurado desafio a gravidade com tal monta, que cria a "Arquitetura Halterofilista". Tudo isso sem falar do abuso desnecessário de materiais sofisticados que só elevam o custo das obras a cifras impensáveis.

Buscar o "novo, de novo" ou o novo sempre como uma obsessão, como necessidade de distinção está mais próximo da busca do "novo pelo novo", como reconhecimento de sucesso a qualquer custo, sem propósito claro de um objetivo digno, edificante e significativo para alguém, além de quem o faz. 
Make a Difference

Buscar o novo traz implícito um "por quê?", "pra quem?", "por qual razão?" Caso contrário não faz sentido. Antes de tudo, o que é "o novo"? Será aquilo que se diferencia do que já foi feito, visto ou experimentado? Será mesmo novo o que se destaca apenas pelos materiais usados, novas dimensões e multiplicidade de funções? Não, não mesmo! Todas essas qualidades poderão estar reunidas e presentes em algo não necessariamente novo. Estamos cansados de ver repetidos e reelaborados projetos, soluções e propostas, apenas reciclados e mascarados por sofisticações como as descritas anteriormente que os fazem apenas diferentes, mas "ser diferente não é ser novo!" O novo é relativo a futuro. Contudo, vivenciamos um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa, como disse sabiamente o pensador George Carlin. 

Fazer o novo requer além da mudança funcional estética e estrutural, como necessidade básica, a mudança, sobretudo de atitude e postura de quem faz, para que se proceda a inovação na essência daquilo que se pretenda produzir. É um exercício de futurologia competente e responsável embasada na sedimentação de informações, muitas observações, estudos, estatísticas e pesquisas acompanhadas de boa dose de intuição criativa.

Quero com esse texto fazer uma provocação aos arquitetos inquietos como eu que buscam "fazer o novo" na sua essência e não "na fachada", desculpem-me pelo inevitável trocadilho. Pois, pensar o novo é um exercício que em muitas vezes não aprendemos na escola. Vem de dentro, da busca individual. E na Arquitetura essa é uma condição indispensável, pois projetamos com os pés no presente e a cabeça no futuro. Então faço um convite para que cada um mergulhe nas suas entranhas a fim de buscar verdadeiramente "o novo" ao invés de "do novo, de novo". Como disse o arquiteto Frank Lloyd Wright na década de 40: 
 "o Arquiteto tem que ser um profeta. Um profeta no sentido literal do termo. Se ele não conseguir enxergar pelo menos dez anos à frente não o chame de Arquiteto."
* Antonio Caramelo, arquiteto baiano, atuou ao longo dos seus 38 anos de profissão nas áreas de construção civil, planejamento urbano e projetos arquitetônicos com predominância em Salvador além de cidades como Manaus, Belém, Cuiabá, Campo Grande, Fortaleza, Aracaju, Recife, Belo Horizonte, Uberlândia, Goiânia, Brasília, São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas, São José dos Campos, Londrina, Curitiba, dentre outras

Fonte http://www.portaldoarquiteto.com//ponto-de-vista/antonio-caramelo/fazer-o-novo-de-novo.html

Leia também : Estimulando as ideias

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Siga-nos nas redes sociais
__._,_.___

Comentários

  1. Ele fechou o texto com chave de ouro.
    10 anos pra frente, é isso mesmo.

    Um Lindo Domingo e uma Linda Semana


    PS:Já visitei o Wordle, me aguarde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi