Pular para o conteúdo principal

Visitando o Iberê

-->Todos já ouviram falar do prédio premiado do Museu Iberê Camargo. Esse prédio é projeto do arquiteto português Alvaro Siza e foi premiado com o Leão de Ouro na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2002.

Assisti
a uma explanação do Siza sobre o projeto desse museu, onde ele explicava os conceitos que nortearam a sua concepção, desde a implantação em um terreno muito estreito, limitado por uma rua que margeia o rio e uma predreira, até os condicionantes das seguradoras para as obras de arte.

Arquitetura é antes de qualquer coisa, um c
onceito materializado. Que pode suscitar uma série de emoções e sensações. Essa é uma obra polêmica, que até pode causar uma certa estranheza, mas é sem dúvida uma obra com conteúdo. Algo que está se tornando um pouco raro em nossas cidades.
Vamos então a algumas considerações sobre uma visita a ele.
Acesso e sinalizações: meu pai sempre dizia que as sinalizações de acesso de uma cidade ou local sempre deviam ser feitas por alguém de fora. Ao meu ver faltam marcações mais preciosas e claras tanto para o acesso, como para o interior. Como o estacionamento é embaixo da pista de acesso, quem não souber, passa.
Entrada, carro estacionado, subida das escadas...(Sim, tem elevador, mas fica no fim do estacionamento, mas tem gente para indicar). Passa-se do escuro para uma vista deslumbrante da cidade. Primeira e grata surpresa !
Entrada clara e limpa, lojinha de museu que eu adoro ! Acesso sugerido, subir de elevador até o quarto andar e descer pelas rampas, Acesso meio estreito para o meu gosto, mas o elevador é grande.
Não vou me deter nas exposições, isso é para uma visita privada e valem a pena. Vou apenas dar as minhas impressões sobre o prédio. Essa é das primeiras vistas para a cidade, descendo as rampas. Os rasgos proporcionam vistas de ângulos da cidade e quebram a intimidade do prédio. A alternância de claros e escuros criam uma atmosfera aconchegante e instigante. Há uma exposição que acrescentou uns detalhes que imitam janelas. Esse daí é o mais interessante. Os outros me pareceram meio bobinhos, gratuitos. Mas devo reconhecer que a vista da cidade é maravilhosa e nem precisava desses recursos para ser realçada.
Ainda nas rampas, o efeito de luz das claraboias é muito interessante. Gosto dessa mistura de luz e sombras, dá uma sensação de envolvimento. Mas a execução da exposição com efeitos de cor trouxe alguns problemas, já que elas estão trincadas e sujas quando se chega abaixo...Mas o efeito quando se caminha é deslumbrante.
O atrio central é belíssimo e fica ainda mais interessante com as esculturas transparentes.
A foto não foi fiel, até porque não se pode usar flashes, mas olhar a vegetação ao fundo, exuberantemente verde, em contraste com o branco interno, é muito bonito e nos dá uma sensação muito boa, de contato com a natureza. É como se ela própria fosse uma obra de arte.

As rampas vistas de fora. Uma surpresa ! Por dentro elas parecem fazer parte do corpo do prédio, pela sensação de pertencer.
Volume forte. Mas rico em formas internas e externas. Por dentro o prédio é muito mais belo que por fora.
A cidade que fica mais rica e parece até mais bela visto do Iberê.
No final restou em mim uma sensação de que o prédio é mais relevante que as obras expostas. Mas isso pode ser vício de olhar de arquiteta.

Comentários

  1. Esta semana estive lá.
    Modernismos e estudos a parte eu penso que construir um prédio a beira de um "rio" e não utilizar a belíssima paisagem que ele proporciona é bem de português.

    Se a intenção foi tirar a atenção do público do externo, com receio que fosse mais interessante que o interno, as obras, ele conseguiu!

    ResponderExcluir
  2. Como leiga no assunto só posso dizer:

    Uma Linda Semana!

    ResponderExcluir
  3. Vou falar de Arnaldo Jabor e não de Iberê Camargo.
    Por mais incrível que possa parecer
    aquele texto sobre a VERDADE masculina é do próprio.
    Consta do Site seguinte:

    http://www.pensador.info/p/arnaldo_jabor/1/


    Confira, é o segundo texto.

    Mil bjs

    ResponderExcluir
  4. Pois eu também tinha vários senões em relação a essa obra de Siza. E ainda a acho muito europeia, mas nisso reside também o seu valor. Ela choca, ela instiga, ela não fica na mesmice. E isso também é Arquitetura. Esse mexer com os sentimentos, esse fazer com que a gente reflita sobre o que o espaço nos transmite.Até entendo que ela não tenha mais aberturas sobre a vista (deslumbrante) da cidade, repetindo vários centros de compras que também tem essa visão privilegiada. O meu maior desconforto foi mesmo o de ficar com a impressão de que o prédio é mais relevante que as obras que contém. O que me parece, desvirtua um pouco o seu sentido de ser um repositório das mesmas.
    Abracos
    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito dos pontos positivos que descreveste e, como completo leigo, creio que precisaria experimentar a sensação de estar lá... Vou ver se na próxima ida a Porto Alegre consigo dar uma chegadinha por lá para uma olhadinha...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Apartamento pequeno para jovem casal

Mescla de materiais e cores claras fazem deste pequeno apartamento, um ambiente muito agradável para um jovem casal. Projeto do estúdio  Art Ugol . Mesmo sendo um imóvel pequeno, o projeto consegue manter a privacidade com áreas de cozinha e estar bem resolvidas e que parecem amplas. A planta baixa nos mostra que existe uma pequena entrada com o banheiro e área de cozinha localizados a esquerda, onde se pode ver as áreas de colunas hidráulicas. Os arquitetos localizaram grandes armários na entrada, um deles servindo de divisória para um nicho onde, sobre um estrado com gavetões, colocaram o quarto. Na verdade a cama, que é escondida com uma grande cortina que confere privacidade ao ambiente. Para harmonizar com a área de estar, criaram um painel em madeira que serve como um grande rodapé divisor da parede, gerando dinamismo e ao mesmo tempo aconchego e iluminação. A cozinha é ampla com o uso de madeira e branco que são usados em todo o apartamento. Estes materiais são que