Pular para o conteúdo principal

Visitando o Iberê

-->Todos já ouviram falar do prédio premiado do Museu Iberê Camargo. Esse prédio é projeto do arquiteto português Alvaro Siza e foi premiado com o Leão de Ouro na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2002.

Assisti
a uma explanação do Siza sobre o projeto desse museu, onde ele explicava os conceitos que nortearam a sua concepção, desde a implantação em um terreno muito estreito, limitado por uma rua que margeia o rio e uma predreira, até os condicionantes das seguradoras para as obras de arte.

Arquitetura é antes de qualquer coisa, um c
onceito materializado. Que pode suscitar uma série de emoções e sensações. Essa é uma obra polêmica, que até pode causar uma certa estranheza, mas é sem dúvida uma obra com conteúdo. Algo que está se tornando um pouco raro em nossas cidades.
Vamos então a algumas considerações sobre uma visita a ele.
Acesso e sinalizações: meu pai sempre dizia que as sinalizações de acesso de uma cidade ou local sempre deviam ser feitas por alguém de fora. Ao meu ver faltam marcações mais preciosas e claras tanto para o acesso, como para o interior. Como o estacionamento é embaixo da pista de acesso, quem não souber, passa.
Entrada, carro estacionado, subida das escadas...(Sim, tem elevador, mas fica no fim do estacionamento, mas tem gente para indicar). Passa-se do escuro para uma vista deslumbrante da cidade. Primeira e grata surpresa !
Entrada clara e limpa, lojinha de museu que eu adoro ! Acesso sugerido, subir de elevador até o quarto andar e descer pelas rampas, Acesso meio estreito para o meu gosto, mas o elevador é grande.
Não vou me deter nas exposições, isso é para uma visita privada e valem a pena. Vou apenas dar as minhas impressões sobre o prédio. Essa é das primeiras vistas para a cidade, descendo as rampas. Os rasgos proporcionam vistas de ângulos da cidade e quebram a intimidade do prédio. A alternância de claros e escuros criam uma atmosfera aconchegante e instigante. Há uma exposição que acrescentou uns detalhes que imitam janelas. Esse daí é o mais interessante. Os outros me pareceram meio bobinhos, gratuitos. Mas devo reconhecer que a vista da cidade é maravilhosa e nem precisava desses recursos para ser realçada.
Ainda nas rampas, o efeito de luz das claraboias é muito interessante. Gosto dessa mistura de luz e sombras, dá uma sensação de envolvimento. Mas a execução da exposição com efeitos de cor trouxe alguns problemas, já que elas estão trincadas e sujas quando se chega abaixo...Mas o efeito quando se caminha é deslumbrante.
O atrio central é belíssimo e fica ainda mais interessante com as esculturas transparentes.
A foto não foi fiel, até porque não se pode usar flashes, mas olhar a vegetação ao fundo, exuberantemente verde, em contraste com o branco interno, é muito bonito e nos dá uma sensação muito boa, de contato com a natureza. É como se ela própria fosse uma obra de arte.

As rampas vistas de fora. Uma surpresa ! Por dentro elas parecem fazer parte do corpo do prédio, pela sensação de pertencer.
Volume forte. Mas rico em formas internas e externas. Por dentro o prédio é muito mais belo que por fora.
A cidade que fica mais rica e parece até mais bela visto do Iberê.
No final restou em mim uma sensação de que o prédio é mais relevante que as obras expostas. Mas isso pode ser vício de olhar de arquiteta.

Comentários

  1. Esta semana estive lá.
    Modernismos e estudos a parte eu penso que construir um prédio a beira de um "rio" e não utilizar a belíssima paisagem que ele proporciona é bem de português.

    Se a intenção foi tirar a atenção do público do externo, com receio que fosse mais interessante que o interno, as obras, ele conseguiu!

    ResponderExcluir
  2. Como leiga no assunto só posso dizer:

    Uma Linda Semana!

    ResponderExcluir
  3. Vou falar de Arnaldo Jabor e não de Iberê Camargo.
    Por mais incrível que possa parecer
    aquele texto sobre a VERDADE masculina é do próprio.
    Consta do Site seguinte:

    http://www.pensador.info/p/arnaldo_jabor/1/


    Confira, é o segundo texto.

    Mil bjs

    ResponderExcluir
  4. Pois eu também tinha vários senões em relação a essa obra de Siza. E ainda a acho muito europeia, mas nisso reside também o seu valor. Ela choca, ela instiga, ela não fica na mesmice. E isso também é Arquitetura. Esse mexer com os sentimentos, esse fazer com que a gente reflita sobre o que o espaço nos transmite.Até entendo que ela não tenha mais aberturas sobre a vista (deslumbrante) da cidade, repetindo vários centros de compras que também tem essa visão privilegiada. O meu maior desconforto foi mesmo o de ficar com a impressão de que o prédio é mais relevante que as obras que contém. O que me parece, desvirtua um pouco o seu sentido de ser um repositório das mesmas.
    Abracos
    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito dos pontos positivos que descreveste e, como completo leigo, creio que precisaria experimentar a sensação de estar lá... Vou ver se na próxima ida a Porto Alegre consigo dar uma chegadinha por lá para uma olhadinha...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh