Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria.
”Depende”, respondeu o gato.
”De quê?”, replicou Alice;
”Depende de para onde você quer ir...”

Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll

Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer.

Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver.


De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes.


Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam objetos e seres mitológicos. Ouvir o canto dos pássaros e acariciar o gato que, malemolente, se arrasta no chão, pedindo comida e afagos.


Um pouco de ousadias embasada em rochas firmes, nem que sejam da sabedoria de se bancar as consequências. Tanto na vida como na Arquitetura, há que se planejar e ter bases firmes. E alguma verba que caiba nos nossos sonhos. Ou quase.


Um muito de verde, recheado de amigos e muita prosa. Risada alta. Conversa de profundidade. Conversa de levezas. Conversa apenas de amizades e amores. Um lugar para estar com. 


Janelas que se abram ao mundo, sem medos, sem pudores, revelando um mundo mágico de possibilidades prontas para serem conquistadas. Acompanhadas de um café recém passado com uma broa quentinha, saída do forno à lenha.


Nem só de campo vive nossos sonhos. Há lugar para mares, areias e conchas.  Navegantes que se procuram nas descobertas de novos e velhos mundos...


Sem mares, serve água de piscina, de fonte, de cachoeira. Vale até bica. O que precisa é de água para limpar dores e sujeiras que a vida nos presenteia. Liquidezes necessárias para resgatar a poesia. 


Dos elementos, água e fogo, se aliam ao vento e trazem o aconchego que alimenta almas. Libertas enfim do cansaço urbano, se tornam o que nasceram para ser: seres íntegros e generosos em seus quereres. 


Libertados da canseira, da necessidade sem sentido, refugiados no aconchego do espaço que abriga e acolhe. 


Entenda os seus medos, mas jamais deixe que eles sufoquem os seus sonhos.
Alice no País das Maravilhas

Imagens Google e Pinterest

Nos siga também nas redes sociais

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 motivos para NÃO fazer arquitetura

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha