Pular para o conteúdo principal

Projetando o Bom Lugar

Imagine-se morrendo e sendo recebido com todas as honras em um Bom Lugar, eufemismo para a nossa ideia de paraíso onde além de sermos brindados com mimos e momentos mágicos, ainda somos unidos à nossa alma gêmea, sem nem precisar azarar ou procurar! Parece bom demais para ser verdade, não é mesmo? Pois nem nas séries isso acontece.

É o mote da série The Good Place.

Me rendi aos streamings mais populares e ando a cata de coisas interessantes para ver em tempos de isolamento social. Devorei as quatro temporadas em uma semana. E já ando saudosa de algumas referências e questionamentos da comédia que fala coisas serias fazendo a gente achar que está apenas se divertindo. 

Primeiro: 

Imagine ser arquiteto desse bairro modelo!!! Guardadas as proporções como vocês acham que os urbanistas e arquitetos se sentem ao planejar espaços para as pessoas? As ideias aparecem como as que melhor se adequem às pessoas para que cresçam e aproveitem a vida. As vezes a gente erra mesmo e o lugar de deleites acaba virando um inferno, mesmo que a gente tenha a melhor das intenções.
Agora imagine se pudesse concretizar suas ideias assim de supetão graças a uma Janet - uma não pessoa que guarda toda a sabedoria do universo dentro de si. E ainda pode servir uma marguerita ou um frozen iogurte nas horas vagas.

 Segundo:

O tempo no Bom lugar é contado em Jeremy Bearmys. Na verdade não é muito diferente daqui. É só olhar com cuidado a forma acima e você vai entender que o tempo nem sempre anda em linha reta e nem sempre pode ser medido de maneira muito racional. Um tempo em tempo normal é muito diferente de um tempo em isolamento social. Um tempo na infância é muito diferente de um tempo na velhice. Uma vez capotei com um carro e nos segundos que ele rolava na grama e os vidros se quebravam na minha frente, toda a minha vida se passou como um filme de quadros. O tempo da saudade de amores distantes é diferente do tempo da chegada de uma sexta aguardada. O tempo da falta de um abraço é tão longo e enrolado nos dias atuais que deve levar muitos Jeremys Bearmys...

 Terceiro

Um mundo cheio de regras com pontuação de boas e más ações. Boas contam pontos positivos, más podem levar aos infernos. Parece com algum ensinamento que já se aprendeu? Nem sempre funciona assim. Nem sempre o que se imagina como boas ações de pessoas de bem levam à bons resultados na melhoria de todos. Ou de um. Uma mentira caridosa pode salvar vidas. Onde a ética termina ou começa? Todas as vozes nas nossas cabeças dizendo assim ou assado nos levam exatamente para onde?
 

Quarto

Tudo perfeitamente projetado, tudo muito bem feito e de repente aquele bom lugar nada mais é que um lugar muito do ruim! 
Acontece muito na vida real. Mesmo que os arquitetos tenham a melhor das intenções e o espaço tenha sido projetado com esmero. As vezes o lugar ruim nasce dentro da gente.

 Quinto

Um botão de reinicializar tudo. Isso seria um espetáculo. Já imaginou se quando não está dando certo a gente pudesse simplesmente explodir tudo (metaforicamente ou não) e refazer de novo, tentando acertar? A boa notícia é que a gente pode na maior parte das vezes. O ótimo seria se a cada vez a gente começasse melhor, como acontece com as Janets e os Dereks na série. Sonho meu.   

Sexto:

A possibilidade de se viajar para qualquer lugar, de modo virtual, mas parecendo real. Juro que me senti visitando a Àgora junto com Eleanor e Chidi. Não metaforicamente é o que milhares de pessoas tem feito nesses tempos em que o deslocamento real se torna praticamente impossível. Viajar em pensamentos sempre nos ajuda a perceber nosso interior e o que realmente queremos de nossas vidas.

 Sétimo

Filosofar de modo divertido, pensando nas relações de projeto/pessoa e de como podemos mudar para melhor foi das coisas mais divertidas dos últimos dias. E mais impactantes porque me fez chorar de muita emoção, trazendo também a lembrança de um livro que ganhei de uma amiga muitas décadas atrás.

Somos de certa maneira ondas à procura do mar. As ondas se formam, navegam, batem na praia, morrem mas a água permanece e volta ao oceano. 

De nossas essências permanece nossa luz, nosso exemplo, nossos amores e atos. Porque deles é feita a vida que se nos apresenta para ser vivida com ousadia e beleza.

Esta é sem dúvida a melhor maneira de projetar um bom lugar para nós e para os outros.   

Nos siga também nas redes sociais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como