Pular para o conteúdo principal

Projetando o Bom Lugar

Imagine-se morrendo e sendo recebido com todas as honras em um Bom Lugar, eufemismo para a nossa ideia de paraíso onde além de sermos brindados com mimos e momentos mágicos, ainda somos unidos à nossa alma gêmea, sem nem precisar azarar ou procurar! Parece bom demais para ser verdade, não é mesmo? Pois nem nas séries isso acontece.

É o mote da série The Good Place.

Me rendi aos streamings mais populares e ando a cata de coisas interessantes para ver em tempos de isolamento social. Devorei as quatro temporadas em uma semana. E já ando saudosa de algumas referências e questionamentos da comédia que fala coisas serias fazendo a gente achar que está apenas se divertindo. 

Primeiro: 

Imagine ser arquiteto desse bairro modelo!!! Guardadas as proporções como vocês acham que os urbanistas e arquitetos se sentem ao planejar espaços para as pessoas? As ideias aparecem como as que melhor se adequem às pessoas para que cresçam e aproveitem a vida. As vezes a gente erra mesmo e o lugar de deleites acaba virando um inferno, mesmo que a gente tenha a melhor das intenções.
Agora imagine se pudesse concretizar suas ideias assim de supetão graças a uma Janet - uma não pessoa que guarda toda a sabedoria do universo dentro de si. E ainda pode servir uma marguerita ou um frozen iogurte nas horas vagas.

 Segundo:

O tempo no Bom lugar é contado em Jeremy Bearmys. Na verdade não é muito diferente daqui. É só olhar com cuidado a forma acima e você vai entender que o tempo nem sempre anda em linha reta e nem sempre pode ser medido de maneira muito racional. Um tempo em tempo normal é muito diferente de um tempo em isolamento social. Um tempo na infância é muito diferente de um tempo na velhice. Uma vez capotei com um carro e nos segundos que ele rolava na grama e os vidros se quebravam na minha frente, toda a minha vida se passou como um filme de quadros. O tempo da saudade de amores distantes é diferente do tempo da chegada de uma sexta aguardada. O tempo da falta de um abraço é tão longo e enrolado nos dias atuais que deve levar muitos Jeremys Bearmys...

 Terceiro

Um mundo cheio de regras com pontuação de boas e más ações. Boas contam pontos positivos, más podem levar aos infernos. Parece com algum ensinamento que já se aprendeu? Nem sempre funciona assim. Nem sempre o que se imagina como boas ações de pessoas de bem levam à bons resultados na melhoria de todos. Ou de um. Uma mentira caridosa pode salvar vidas. Onde a ética termina ou começa? Todas as vozes nas nossas cabeças dizendo assim ou assado nos levam exatamente para onde?
 

Quarto

Tudo perfeitamente projetado, tudo muito bem feito e de repente aquele bom lugar nada mais é que um lugar muito do ruim! 
Acontece muito na vida real. Mesmo que os arquitetos tenham a melhor das intenções e o espaço tenha sido projetado com esmero. As vezes o lugar ruim nasce dentro da gente.

 Quinto

Um botão de reinicializar tudo. Isso seria um espetáculo. Já imaginou se quando não está dando certo a gente pudesse simplesmente explodir tudo (metaforicamente ou não) e refazer de novo, tentando acertar? A boa notícia é que a gente pode na maior parte das vezes. O ótimo seria se a cada vez a gente começasse melhor, como acontece com as Janets e os Dereks na série. Sonho meu.   

Sexto:

A possibilidade de se viajar para qualquer lugar, de modo virtual, mas parecendo real. Juro que me senti visitando a Àgora junto com Eleanor e Chidi. Não metaforicamente é o que milhares de pessoas tem feito nesses tempos em que o deslocamento real se torna praticamente impossível. Viajar em pensamentos sempre nos ajuda a perceber nosso interior e o que realmente queremos de nossas vidas.

 Sétimo

Filosofar de modo divertido, pensando nas relações de projeto/pessoa e de como podemos mudar para melhor foi das coisas mais divertidas dos últimos dias. E mais impactantes porque me fez chorar de muita emoção, trazendo também a lembrança de um livro que ganhei de uma amiga muitas décadas atrás.

Somos de certa maneira ondas à procura do mar. As ondas se formam, navegam, batem na praia, morrem mas a água permanece e volta ao oceano. 

De nossas essências permanece nossa luz, nosso exemplo, nossos amores e atos. Porque deles é feita a vida que se nos apresenta para ser vivida com ousadia e beleza.

Esta é sem dúvida a melhor maneira de projetar um bom lugar para nós e para os outros.   

Nos siga também nas redes sociais


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n