Pular para o conteúdo principal

Testando o app Mood

Cada vez mais o painel semântico ou moodboard é usado como ferramenta de comunicação de ideias entre profissionais de criação e clientes. Uma ferramenta gráfica que expressa conceitos, ou mesmo uma explanação do que vai ter em determinado projeto, para que o futuro usuário possa entender as propostas do arquiteto ou designer de interiores.

Vários aplicativos podem ser usados para agilizar essa ferramenta de comunicação. Quando comecei a profissão, a gente usava colagens e desenhos. Agora as possibilidades aumentaram bastante, seja para definir estilos, seja para compor o foco da ideia a ser desenvolvida.

Hoje testei um desses aplicativos, o Mood da ArqExpress aqui de Porto Alegre. Já tinha visto referências nos stories do instagram. Durante o período de quarentena forçada fiz uma mentoria de consultoria online com a arquiteta Renata Pocztaruk, não só para ter uma ideia de como anda o mercado, mas também para me atualizar. É sempre bom um olhar renovado sobre a profissão para que não se cristalize posturas. É salutar assumir novos desafios.  

Testei o Mood no Android. Soube que ele funciona melhor no Apple. Mas achei bem operacional. Na versão free permite fazer três quadros e tem uma série de limitações de materiais. Como fiz o curso citado acima, ganhei um mês com mais recursos. (Dica: ele está com um preço ótimo durante a quarentena. Vale a pena para quem queira conhecer. Isso não é jabá, não. Achei uma ferramenta que vale explorar mesmo e vou dizer porquê .)  
Comecei brincando mesmo. Já tinha feito dois testes na versão free. Tem bastante diferença na versão paga, mesmo a intermediária. A principal delas e que, para mim, vale o aplicativo, é a precificação de muitos dos materiais e objetos que se pode utilizar. Na versão mais top, parece que será possível colocar materiais próprios, mas não tenho certeza.  
Fiz uma proposta de consultoria para uma sala de homem solteiro, morando só, mas com namorada, que curte viagens e leitura. Trabalha em casa e adora plantas.

Se pode escolher o tamanho do quadro, há a possibilidade de se colocar um reticulado que sempre ajuda a organizar os móveis e revestimentos. Abaixo há uma linha com várias categorias, quando se clica em uma delas, surgem várias possibilidades de produtos. E bacana que muitos vem com preço (que também podem ser consultados na lista de produtos). É bem interativo e fácil de manipular.

Quando se clica sobre um produto, ele é colocado no quadro e se pode mexer no tamanho, enviar para trás, para frente, rotacionar, ajustar várias formas. 
  

Dificuldades nessa hora: no meu tablet a visibilidade das categorias ficou um pouco encoberta, nada muito grave. Senti falta de um local onde buscar algo sem ter que correr tudo. Pode ser falha minha de não achar. Mas se existe, não está tão visível.

Ele também travou um pouco e tive que clicar várias vezes para fazer uma operação algumas vezes. Nada que atrapalhe muito, mas meu lado ariana que detesta esperar, se estressa um pouco com isso. Pode ser problema de memória do meu aparelho. Não tenho como saber.

Depois de pronto se pode salvar em pdf e (maravilha) ele sai com uma lista dos materiais e preços, dando uma ideia aproximada de custos para a sala.

No meu caso, ficou salgada, mas eu não estava limitando preços. Mas com a lista de produtos, daria para selecionar opções mais em conta, se fosse uma necessidade do cliente.  


Em um dos modelos salvos em pdf, ele não salvou um móvel. Tive que voltar e salvar de novo e aí tudo OK. Creio que são pequenos detalhes que serão corrigidos.  

No geral achei uma ferramenta interessante para agilizar o trabalho profissional e para quem trabalha com consultoria, é uma mão na roda porque poupa tempo.

Não sei se o preço contempla apenas Porto Alegre e região sul. E se em outras regiões se pode colocar os preços regionais.

Enfim, algo a ser explorado.

 Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi