Pular para o conteúdo principal

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema.

Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como a provável maior economia do planeta daqui pouco tempo, a China, o problema não apenas existe como é em escala bem maior, devido à superpopulação e hábitos culturais. 

Foi na postagem anterior, sobre os plugins para aumentos nos hutongs, as antigas construções em ruas bem estreitas, espalhadas pelas cidades chinesas, que um amigo definiu como infindáveis bifurcações, que ficamos pensando em como seriam os banheiros ali. E fui pesquisar um pouco mais a fundo. Na verdade essas casas não possuem banheiro privativo. Os habitantes usam banheiros públicos e li que não é incomum ver chineses com fisionomias de pressa atravessando as ruelas para alívio de suas necessidades.

O governo chinês está investindo cerca de US$ 3 bilhões para modernizar os banheiros públicos e acabar com um hábito que costuma chocar os turistas: usar as ruas como banheiro. Há até um aplicativo que mostra onde achar um banheiro público. E seria bem interessante até por aqui, onde não lembro de encontra-los em bom estado de uso, a não ser em aeroportos, rodoviárias e shoppings centers.  

Os banheiros públicos chineses costumam ter o que muitos chamam de bacia turca. Um buraco no chão onde as pessoas se agacham com maior ou menor grau de facilidade. Abaixo temos uma instalação temporária em uma feira do livro em Yangzhuang, Cidade de Baofeng. 

Uma série de banheiros públicos vem sendo criados na China com as mais estranhas formas. Um deles tem a forma de uma castelo, o Yangren Jie  em Nanan em Chongqing, onde podemos ver esse conjunto de mictórios coloridos ao céu aberto.
Outros seguem as formas mais tradicionais do que se pensa como arquitetura chinesa. Fica em um resort de luxo, o Qingcheng em Chengdu, Sichuan.
Há muitos nessa estranha arquitetura que mimetiza formas conhecidas, como este em forma de câmera fotográfica, em Shiqiaopu Street em Chonqging. Fico imaginando a associação simbólica disso...
E já que falamos de banheiros públicos como hábito cultural da nação, imaginamos que a privacidade não seja um requisito tão fundamental. Existe até um totalmente em vidro, com uma vista exuberante para o entorno. Fica perto do lago Shiyan, na província de Hunan. 
Pense nisso na próxima vez que usar o seu banheiro, com toda privacidade e conforto. E sinta-se privilegiado.


Fontes: Época, Magnus Mundi, UOL Tabloide


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…