Pular para o conteúdo principal

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema.

Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como a provável maior economia do planeta daqui pouco tempo, a China, o problema não apenas existe como é em escala bem maior, devido à superpopulação e hábitos culturais. 

Foi na postagem anterior, sobre os plugins para aumentos nos hutongs, as antigas construções em ruas bem estreitas, espalhadas pelas cidades chinesas, que um amigo definiu como infindáveis bifurcações, que ficamos pensando em como seriam os banheiros ali. E fui pesquisar um pouco mais a fundo. Na verdade essas casas não possuem banheiro privativo. Os habitantes usam banheiros públicos e li que não é incomum ver chineses com fisionomias de pressa atravessando as ruelas para alívio de suas necessidades.

O governo chinês está investindo cerca de US$ 3 bilhões para modernizar os banheiros públicos e acabar com um hábito que costuma chocar os turistas: usar as ruas como banheiro. Há até um aplicativo que mostra onde achar um banheiro público. E seria bem interessante até por aqui, onde não lembro de encontra-los em bom estado de uso, a não ser em aeroportos, rodoviárias e shoppings centers.  

Os banheiros públicos chineses costumam ter o que muitos chamam de bacia turca. Um buraco no chão onde as pessoas se agacham com maior ou menor grau de facilidade. Abaixo temos uma instalação temporária em uma feira do livro em Yangzhuang, Cidade de Baofeng. 

Uma série de banheiros públicos vem sendo criados na China com as mais estranhas formas. Um deles tem a forma de uma castelo, o Yangren Jie  em Nanan em Chongqing, onde podemos ver esse conjunto de mictórios coloridos ao céu aberto.
Outros seguem as formas mais tradicionais do que se pensa como arquitetura chinesa. Fica em um resort de luxo, o Qingcheng em Chengdu, Sichuan.
Há muitos nessa estranha arquitetura que mimetiza formas conhecidas, como este em forma de câmera fotográfica, em Shiqiaopu Street em Chonqging. Fico imaginando a associação simbólica disso...
E já que falamos de banheiros públicos como hábito cultural da nação, imaginamos que a privacidade não seja um requisito tão fundamental. Existe até um totalmente em vidro, com uma vista exuberante para o entorno. Fica perto do lago Shiyan, na província de Hunan. 
Pense nisso na próxima vez que usar o seu banheiro, com toda privacidade e conforto. E sinta-se privilegiado.


Fontes: Época, Magnus Mundi, UOL Tabloide


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

Comentários

  1. Olá, Elenara! Estava pesquisando imagens da arquitetura chinesa e me deparei com o seu post. Realmente, esses banheiros públicos são diferenciados...kkkk Beijos pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. são mesmo, uma outra concepção, diferente da nossa. Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi