MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Interiores e restauro ousado e impressionante realçando tijolos

Segundo sua própria definição o estúdio CRÜ cria "uma arquitetura que é refletida, mas eficaz, sensível, mas ousada e tão acessível quanto impressionante".

Este conceito dos arquitetos de Barcelona fica claro no apartamento La Diana, localizado em um bairro antigo da cidade e que é uma mistura entre o restauro e a arquitetura de interiores contemporânea. 

Com 110 m2 a edificação reúne dois usos: comercial e residencial. Os materiais originais são reaproveitados e realçados, sendo o tijolo mostrado em sua essência. Um rasgo na laje interliga os espaços e traz um traço mais atual ao mesmo tempo que resgata a atmosfera cultural dos apartamentos da região.  


La Diana é o exercício visual, volumétrico e funcional de vincular entidades independentes e não relacionadas: um espaço comercial no piso térreo e um apartamento no primeiro andar. A estratégia arquitetônica foi baseada na perfuração da laje existente, criando uma lacuna suficientemente grande para ativar essa relação na seção, e onde a comunicação vertical é implantada através de uma escala de luz tangente à faixa existente. Como era um piso térreo, o problema da privacidade foi resolvido com o fechamento do acesso em relação à fachada existente, criando um pátio semi-externo como um filtro entre a rua e a casa. CRÜ
 Com o recuo da porta de entrada possibilitou-se a abertura para a luz interna que não apenas ilumina naturalmente os ambientes térreos, como permite a troca de ar.

No segundo pavimento temos a área íntima. Vemos que os materiais são realçados com a sua exposição criando uma linguagem que é ao mesmo tempo rústica e aconchegante.






Fotos: 
Adria Goulà

Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros