18 de ago de 2018

Guardando livros com amor

Ontem estive em um lançamento de um livro de uma amiga. 

Sim, as pessoas escrevem livros impressos. E sim, pessoas leem livros de papel. E debatem sobre eles. Há clubes e rodas de leituras para impregnar as pessoas de outras visões, outras sensibilidades, outros universos que passam ao largo em nossas vidas atribuladas e domadas em bolhas de convívio social, seja real, seja virtual.
"O livro não pertence a ninguém, só a si mesmo: é mais adorniano do que o próprio Adorno imaginou. "Gustavo Melo Czekster
Um dos aspectos mais fascinantes da leitura é que proporciona um mergulho que poucas criações mobilizam em forma de sentidos humanos. Nossa visão, nossa capacidade de imaginação, nossas memórias e vivências são tocadas. E muitas histórias passam a ter uma nova percepção: a do leitor que se apropria. Quem já não se pegou tentado a brigar com o autor pelo rumo de um personagem ou enredo? Quem já não se sentiu descrito pelas palavras e comportamento quase como se "poderia ter escrito isso!".

Por isso talvez o fascínio pelas rodas de debates onde se pode entender não apenas o processo criativo, mas transcender o livro e questionar certezas, em uma troca generosa de visões, certezas e dúvidas. E isso gera crescimento.

"Livro, quando te fecho, abro a vida". Pablo Neruda
Com essa ode ao livro passamos aos locais onde podemos armazena-los. Sim, porque indubitavelmente, muitos leitores ávidos são também acumuladores.

Corredores: não são apenas passagens. São caminhos que podem levar à outros mundos...
Acumuladores com pouco espaço necessitam de recursos especiais. Há quem tenha condições de até comprar imóveis só para a sua biblioteca. Outros podem optar por um projeto especial para guardar seus livros. 
Renovação e sustentabilidade com reaproveitamento de objetos usados. Aqui uma escada serve de suporte à biblioteca.
Memória afetiva - antigas molduras servindo como prateleiras em paredes, preservando não apenas quadros ou fotos, mas palavras de pessoas que fizeram e fazem sentido. 

Espaços pequenos - Um canto qualquer do caminho pode guardar tesouros
Espaços grandes - pés direitos altos podem ser aproveitados com escadas móveis para guardar livros que não se lê todo dia.

E escadas podem ser usadas como simpáticas prateleiras. A imaginação, como nos livros, não tem limites.

Fontes das imagens : Pinterest, Allwillsee

Mais ideias de como guardar livros AQUI 

PS : O livro do lançamento se chama Zona de Desconforto e recomendo a leitura. 


Gostou? Compartilhe em suas redes sociais Nos siga também nos outros canais