Pular para o conteúdo principal

Dicas de como evitar o desperdício no Canteiro de Obras - Post Convidado

Sempre tive uma preocupação muito grande com a questão do desperdício. Trago de casa exemplos de ensinamentos de meus pais e levo isso como prática em minha vida pessoal e profissional. Por isso achei relevante a proposta do tema desperdício no canteiro de obras que segue abaixo como postagem convidada do blog ARQUITETANDO IDEIAS. Recomendo também a leitura de Projeto de Habitação mais sustentável



Desperdício no Canteiro de Obras - Modismo ou Arroz com Feijão? 

Autor: Everton Oliveira

O desperdício não é bem-vindo em nenhuma circunstância. Seja ele:
  • Com água
  • Com comida
  • Com energia elétrica
Esse malefício do mundo moderno precisa ser combatido a qualquer custo. As formas de se combater esse problema estão cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas e empresas em geral. Minha experiência na Linkedsp, uma empreiteira de serviços rápidos que otimiza seus processos no dia a dia, mostra o quanto isso facilita a economia de recursos como um todo. É bom lembrar que a conscientização é fundamental dentro e fora da construção civil.

Aproveitando para compartilhar conhecimentos, me proponho aqui discutir mais sobre a questão do desperdício no canteiro de obras. A pergunta que fica é: Essa questão deve ser vista como um mero modismo ou como arroz com feijão? Em outras palavras, se é algo apenas de momento ou se é uma coisa que deve estar sempre presente?

Vamos nos aprofundar mais adiante!

Canteiro de obras

É válido lembrar que um canteiro de obras bem organizado é parte fundamental para o sucesso da construção ou reforma.

Na maioria das vezes, todo o armazenamento dos materiais utilizados é alocado dentro desse ambiente. Portanto, limpeza e organização sempre devem ser considerados assunto sério. Caso essa tarefa do dia a dia não seja feita de maneira adequada, riscos à segurança individual e em grupo acabam surgindo, sem contar com os inúmeros prejuízos e perdas financeiras.

Dicas importantes sobre o armazenamento dos materiais

Pedra e Areia: É indicado alocar esses itens “a granel” dentro de baias, assim, toda uma proteção eficiente inibe a ação da chuva (mais forte com a areia), além de dar acesso fácil para os carrinhos de mão.

Argamassas e Cimento: O contato direto com o solo danifica esses tipos de materiais, de forma agressiva e/ou prolongada, sacarias acabam tornando-se inutilizáveis, é bom que elas fiquem sempre em cima de paletes, plataformas metálicas, blocos de cimento ou proteção semelhante.

Blocos e Tijolos: Uma das dicas mais importantes é atender a altura máxima de empilhamento, dessa forma, o número de avarias são diminuídos ao máximo.

Materiais Elétricos: Para a diminuição de perdas, é recomendado que esses itens sejam alocados em locais secos e limpos. A poeira e a umidade excessiva pode danificar alguns desses itens.

Desperdício na construção civil

Na construção civil, um dos desperdícios que pode ser observado com mais facilidade é aquele proveniente da geração de resíduos de construção e demolição (RCD), conhecido popularmente como entulho. Quando esse resíduo é descartado de maneira inadequada, o meio ambiente é quem sofre as consequências.

Outro tipo muito comum são as sobras em compras de materiais ou matérias-primas. No final do projeto, erros sucessivos acabam elevando o número no gráfico de desperdícios.

No ramo da construção civil, um serviço está diretamente ligado ao outro, sendo assim, um erro na fase inicial pode ser prejudicial a todo o restante do processo. Tudo isso afeta diretamente a questão financeira, aumentando os gastos e os prejuízos.

Economia X Desperdício

Inúmeros benefícios são vistos quando todo o processo se interliga para a subtração de um único resultado: Economia.

Pensamos em economizar não somente para ficar bonito na pauta da reunião semanal, mas sim de fato, para contribuir com um amanhã melhor e menos poluído.

É preciso a conscientização de todos para que a economia de recursos naturais cresça sempre mais. Ela pode ser vista no âmbito financeiro, já que evitando o desperdício a quantidade de dinheiro gasto diminui, deixando assim para ser investido em outros momentos após a conclusão da construção de um edifício comercial, por exemplo.

Além disso, o meio ambiente também agradece todas as vezes que a conscientização entra em campo. Com a diminuição do uso de matérias-primas e de recursos naturais, os quais são fundamentais à sobrevivência do meio ambiente e, consequentemente, para a nossa também, todo um ecossistema acaba sendo transformado de forma sutil e natural.


Sendo assim, canteiros de obras limpos e organizados são de longe muito mais seguros e produtivos. Por isso, é válido que sempre que possível, aconteça conversas em grupo para que a mensagem do Desperdício Zero não desapareça com o passar do tempo.


Os assuntos e opiniões em postagens convidadas são de responsabilidade dos autores 
Gostou? Compartilhe em suas redes sociais Nos siga também nos outros canais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n