Pular para o conteúdo principal

Construções do passado com mais qualidade que as atuais - o que aprender?

Fonte
As modernas construções parecem não durar tanto como as antigas. Parece instigante que com tantos avanços tecnológicos não consigamos os mesmos resultados de durabilidade que os antigos romanos tinham em seus prédios e portos dois milênios atrás.

Vários artigos me chegaram às mãos sobre esse assunto e trago alguns deles aqui para que sirvam de reflexão sobre o assunto.


O primeiro deles me veio em um grupo de whatsapp familiar. Chama-se o problema do concreto armado. Ele chama a atenção para a diferença de durabilidade de estruturas erigidas no século passado e em milênios passados e diz com todas as letras que " a diferença crítica é o uso moderno de reforço de aço, conhecido como vergalhão , oculto dentro do concreto."

Os engenheiros do início do século XX pensavam que as estruturas de concreto armado durariam muito tempo - talvez mil anos. Na realidade, seu tempo de vida é mais de 50 a 100 anos e, às vezes, menos. Os códigos e políticas de construção geralmente exigem que os edifícios sobrevivam por várias décadas, mas a deterioração pode começar em apenas 10 anos .
Urge, segundo o artigo, se pensar em alternativas para novas construções para que não sofram esse problema. E talvez, sugerem, seria o caso de pensar em como substituir as construções existentes que não sejam tão significativas que compensem o custo de manutenção e reparos. 

Sobre a qualidade das antigas construções romanas,vi esse artigo na DW cujo vídeo mostro abaixo e que vale a pena o gasto de alguns minutos para ser visto.


Fui em busca do que seria o segredo do concreto romano indestrutível e achei este artigo onde os cientistas explicam que: 
Inspirados por depósitos de cinzas vulcânicas naturalmente cimentados, os romanos aprenderam como fazer concreto, e eles o fizeram ao explorar a capacidade aglutinadora do que os cientistas agora chamam de reação pozolânica. Essa reação, batizada a partir da cidade de Pozzuoli, na baía de Nápoles, faz minerais crescerem entre o agregado e a argamassa, nesse caso, uma mistura de óxidos de sílica e cal encontrados nas cinzas vulcânicas, que têm o feliz efeito de evitar rachaduras.
E vão adiante mostrando como resgatar o conceito por trás destas antigas técnicas poderiam nos levar à construções mais duráveis. 

E como curiosidade uma bela postagem sobre uma das obras primas da antiguidade, cuja foto emoldura o início desta postagem: o Panteão de Agrippa.

No interior, a grande cúpula do Panteão é formada por 140 caixotões, chamado cofres, alinhados em cinco fileiras horizontais com vinte e oito caixotões em cada, todos revestidos de bronze e banhados a ouro. O tamanho desses caixotões diminui à medida que eles se aproximam do óculo, o que causa a sensação da cúpula ser maior do que realmente ela é. Além de esses caixotões serem utilizados esteticamente também foram utilizados estrategicamente com o intuito de reduzir a quantidade de concreto na construção.


Aprender com o passado, entender os conceitos que nortearam as mentes construtoras que erigiram monumentos, estradas, prédios e portos que ainda hoje permanecem parece ser uma lição estratégica para uma sociedade que vê muitas de suas concepções estruturais ruírem em tempos ínfimos.


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais 

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest