Pular para o conteúdo principal

Construções do passado com mais qualidade que as atuais - o que aprender?

Fonte
As modernas construções parecem não durar tanto como as antigas. Parece instigante que com tantos avanços tecnológicos não consigamos os mesmos resultados de durabilidade que os antigos romanos tinham em seus prédios e portos dois milênios atrás.

Vários artigos me chegaram às mãos sobre esse assunto e trago alguns deles aqui para que sirvam de reflexão sobre o assunto.


O primeiro deles me veio em um grupo de whatsapp familiar. Chama-se o problema do concreto armado. Ele chama a atenção para a diferença de durabilidade de estruturas erigidas no século passado e em milênios passados e diz com todas as letras que " a diferença crítica é o uso moderno de reforço de aço, conhecido como vergalhão , oculto dentro do concreto."

Os engenheiros do início do século XX pensavam que as estruturas de concreto armado durariam muito tempo - talvez mil anos. Na realidade, seu tempo de vida é mais de 50 a 100 anos e, às vezes, menos. Os códigos e políticas de construção geralmente exigem que os edifícios sobrevivam por várias décadas, mas a deterioração pode começar em apenas 10 anos .
Urge, segundo o artigo, se pensar em alternativas para novas construções para que não sofram esse problema. E talvez, sugerem, seria o caso de pensar em como substituir as construções existentes que não sejam tão significativas que compensem o custo de manutenção e reparos. 

Sobre a qualidade das antigas construções romanas,vi esse artigo na DW cujo vídeo mostro abaixo e que vale a pena o gasto de alguns minutos para ser visto.


Fui em busca do que seria o segredo do concreto romano indestrutível e achei este artigo onde os cientistas explicam que: 
Inspirados por depósitos de cinzas vulcânicas naturalmente cimentados, os romanos aprenderam como fazer concreto, e eles o fizeram ao explorar a capacidade aglutinadora do que os cientistas agora chamam de reação pozolânica. Essa reação, batizada a partir da cidade de Pozzuoli, na baía de Nápoles, faz minerais crescerem entre o agregado e a argamassa, nesse caso, uma mistura de óxidos de sílica e cal encontrados nas cinzas vulcânicas, que têm o feliz efeito de evitar rachaduras.
E vão adiante mostrando como resgatar o conceito por trás destas antigas técnicas poderiam nos levar à construções mais duráveis. 

E como curiosidade uma bela postagem sobre uma das obras primas da antiguidade, cuja foto emoldura o início desta postagem: o Panteão de Agrippa.

No interior, a grande cúpula do Panteão é formada por 140 caixotões, chamado cofres, alinhados em cinco fileiras horizontais com vinte e oito caixotões em cada, todos revestidos de bronze e banhados a ouro. O tamanho desses caixotões diminui à medida que eles se aproximam do óculo, o que causa a sensação da cúpula ser maior do que realmente ela é. Além de esses caixotões serem utilizados esteticamente também foram utilizados estrategicamente com o intuito de reduzir a quantidade de concreto na construção.


Aprender com o passado, entender os conceitos que nortearam as mentes construtoras que erigiram monumentos, estradas, prédios e portos que ainda hoje permanecem parece ser uma lição estratégica para uma sociedade que vê muitas de suas concepções estruturais ruírem em tempos ínfimos.


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais 

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi